Leicester na PL 2019/2020: queda no final e perda da vaga para a UCL

Foxes tiveram começo impressionante, mas caíram de rendimento

0
356
Leicester na PL 2019/2020: queda no final e perda da vaga para a UCL
Michael Regan/Getty Images

O Leicester City queria algo a mais na temporada 2019/2020. Com Brendan Rodgers desde o início de temporada, os Foxes precisavam dar um passo adiante e apagar os momentos ruins dos últimos anos. E além do “reforço” do técnico norte-irlandês, o clube investiu forte no mercado de transferências. Youri Tielemans foi contratado em definitivo, e Ayoze Pérez e Dennis Praet também chegaram no plantel.

Chegada de Brendan Rodgers deu outro “gás” para o Leicester City

Em 2018/2019, o Leicester City viveu de altos e baixos. Antes comandado pelo técnico Claude Puel, a equipe apresentou algumas dificuldades ao longo da campanha. Em 27 jogos com o treinador francês na Premier League, o time teve um desempenho de apenas 39% dos pontos. Foram nove vitórias, cinco empates e 13 derrotas.

Com um rendimento abaixo do esperado a diretoria do Leicester optou por trazer Brendan Rodgers. O norte-irlandês deixou o Celtic e assumiu a equipe na reta final da Premier League.

E com o novo treinador no comando a situação dos Foxes mudou. Em dez jogos, a equipe conquistou cinco vitórias, dois empates e três derrotas. Nesse período o time teve um aproveitamento de 56% dos pontos. Uma mudança mais do que significativa. Uma grande troca que seria fundamental para o clube na atual temporada.

Michael Regan/Getty Images

Quais eram as expectativas para o Leicester City na temporada 2019/2020?

Depois de fazer uma boa janela de transferências e trazer reforços pontuais, mesmo perdendo Harry Maguire para o Manchester United, os ânimos do Leicester City mudaram para o início da temporada 2019/2020.

Além disso, Rodgers iniciava o seu trabalho do “zero”. O técnico norte-irlandês passou por uma pré-temporada e pode conhecer melhor os seus jogadores. “Teoricamente” inferior aos times do chamado grupo Big-Six, a intenção dos Foxes era brigar com Wolverhampton, Everton e West Ham por uma vaga na Europa League.

No entanto, o trabalho do treinador e de seus atletas superaram todas as expectativas logo no início de campanha. O Leicester City de 2019/2020 foi um time de muito repertório técnico e tático. Era uma equipe que jogava de acordo com o seu adversário e o nível de exigência.

Em duelos contra times mais reativos, os Foxes conseguiam jogar de maneira propositiva, envolvendo o adversário com o talento de Tielemans e James Maddison no meio-campo e o oportunismo de Jamie Vardy.

Porém, o Leicester também conseguia se adaptar. Em situações sem posse e com menos domínio, o time usava a rápida transição defesa/ataque para definir as jogadas com velocidade e causar danos aos seus adversários.

Leia mais: Ben Chilwell: o inglês que se tornou um dos melhores laterias do mundo 

O trabalho foi impactante. Desde o início. E isso refletiu de maneira positiva dentro de campo. Nas 16 primeiras rodadas da Premier League a equipe foi dominante. Foram 12 vitórias, dois empates e apenas duas derrotas. Rapidamente o Leicester se tornou um dos melhores times da competição. Na ocasião, a equipe teve um aproveitamento de 75% e conquistou 36 dos 48 pontos possíveis.

Além disso, em 16 jogos, o Leicester marcou 39 gols. O que dá uma média de 2,4 tentos por partida. Um ótimo rendimento ofensivo. Mas a equipe não se destacava apenas no ataque. No setor defensivo os Foxes também eram eficientes. Foram apenas dez gols sofridos e sete clean sheets.

O clube havia superado todas as expectativas. A equipe de Brendan Rodgers foi uma das grandes surpresas na primeira metade da Premier League. E se antes a esperança era de brigar por uma vaga na Europa League, agora os Foxes poderiam sonhar com um passo adiante e se classificar para a principal competição de clubes do mundo, a Uefa Champions League.

Leia mais: Meio-campo do Leicester é principal motivo para explicar oscilação do time 

No entanto, o Leicester City de 2019/2020 oscilou. Algo natural. Ainda mais para as equipes que não fazem parte do grupo Big Six. A diferença de orçamento, de elenco e de exigência é distante. Porém, com o nível de jogo que os Foxes haviam atingido, o time merecia a cobrança dos outros gigantes da Inglaterra.

A inconstância do time pode ser explicada por diversos motivos. Lesões dos principais jogadores, queda individual dos pilares do time e também, lacunas do elenco. Mesmo com os reforços do início da temporada, o time não possuía a mesma qualidade no plantel como as outras equipes da elite inglesa. É difícil de acompanhar o ritmo dos gigantes da Inglaterra.

Porém, os times menores não têm o “privilégio” de oscilar. A qualquer momento o seu castelo de areia pode ser pisoteado. E um momento de turbulências pode mudar o rumo de um clube na temporada.

Leicester 2019/2020
Alex Pantling/Getty Images

O Leicester City de 2019/2020 enfrentou problemas. Tanto antes, como depois da parada do futebol europeu por conta da pandemia da covid-19. Fazendo um comparativo com o início do campeonato, nas 22 rodadas seguintes, os Foxes somaram apenas 26 dos 66 pontos em disputa. Ou seja, a equipe teve um aproveitamento de 39% dos pontos.

O time não era mais o mesmo. Ofensivamente e defensivamente. Em 22 jogos, o Leicester fez 28 gols e sofreu 30. Saldo de gols negativo e queda evidente dos setores de ataque e também de defesa. A solidez, que era uma das principais virtudes da equipe no início de temporada, desapareceu completamente.

A oscilação afetou. E muito. Times com menores investimentos e poderes aquisitivos não podem perder as pequenas oportunidades.

Leia mais: Os 10 maiores ídolos da história do Leicester City

E depois de um início espetacular, o Leicester terminou a atual da Premier League com a vaga para a Europa League no último instante.

Com a derrota diante do Manchester United por 2 a 0 no King Power Stadium, os Foxes não conseguiram ultrapassar os Red Devils, permaneceram na quinta colocação do campeonato e ficaram de fora da Uefa Champions League. O final de temporada fica com um gosto amargo. O Leicester City de 2019/2020 merecia o “passo adiante”.

Números das 16 primeiras rodadas da Premier League:

– 36 pontos conquistados de 48 possíveis: aproveitamento de 75%;

– 39 gols marcados em 16 jogos: média de 2,4 por partida;

– 10 gols sofridos em 16 jogos: 0,6 gols por jogo.

Números dos jogos restantes da Premier League:

– 26 pontos conquistados de 66 em disputa: aproveitamento de 39%;

– 28 gols marcados: média de 1,3 tentos por confronto;

– 30 gols sofridos: média de 1,3 gols sofridos por partida.

Destaque

Ao longo da temporada 2019/2020, o Leicester teve ótimos nomes. Ricardo Pereira apresentou um ótimo nível, Ben Chilwell se tornou em um dos principais laterais esquerdos da Premier League e da Europa, James Maddison assumiu de vez o protagonismo no meio-campo e Harvey Barnes se firmou como uma ótima opção de elenco.

No entanto, ninguém se sobressaiu mais do que Jamie Vardy. O inglês teve uma ótima temporada. Mais uma vez. Ele foi o principal goleador do time durante toda campanha e o artilheiro da Premier League com 23 gols marcados. Com a atual marca, o atacante quase igualou o seu melhor número na competição.

Em 2015/2016, ano em que o clube foi campeão inglês de forma história, o camisa 9 anotou 24 gols e terminou como o segundo maior goleador do torneio ao lado de Sergio Agüero. Naquela ocasião, Harry Kane foi o artilheiro da temporada.

E teve mais recordes. Na vitória do Leicester diante do Crystal Palace, em jogo válido pela 33ª rodada da competição, o goleador fez história na Premier League. Marcou o seu centésimo e o centésimo primeiro gol na competição. Com o feito, Vardy entrou para o seleto grupo dos jogadores com 100 ou mais gols no torneio. Ele foi o 29º atleta a atingir a estatística.

Leia mais: Jamie Vardy e os 100 gols na Premier League

Surpresa

Na janela de transferências da temporada 2019/2020, a equipe perdeu o seu pilar defensivo. Harry Maguire foi para o Manchester United e se transformou no zagueiro mais caro da história do futebol.

E com o dinheiro do defensor inglês, o clube poderia investir em um novo nome de peso para comandar o sistema defensivo. No entanto, Brendan Rodgers resolveu apostar em um jogador do seu próprio elenco, Caglar Söyüncü.

O zagueiro turco foi contratado na temporada passada. Porém, teve pouquíssimas oportunidades em campo. Mas nesta edição da Premier League ele mostrou que o técnico norte-irlandês optou pelo certo. Além de ter sido o melhor defensor do time, Söyüncü foi um dos melhores zagueiros do torneio. E não seria nenhuma surpresa em vê-lo na seleção do campeonato.

Söyüncü é um zagueiro de muita técnica. Com uma ótima imposição física sobre os atacantes, o turco se destaca nas jogadas individuais, nas antecipações, além de conseguir proteger muito bem a região da grande área. Se o Leicester era uma equipe sólida defensivamente no início de temporada, o trabalho do camisa 4 foi determinante para tal característica.

Soyuncu Leicester 2019/2020
Alex Pantling/Getty Images

Além dos bons atributos como defensor, Söyüncü é uma das armas na construção ofensiva do time. Com um bom passe e uma boa condução, o turco auxilia na saída de bola em muitas ocasiões e facilita o “serviço” dos meio-campistas. O turco também possui ótima presença nas jogadas aéreas, uma arma bem perigosa do clube nas mãos de James Maddison.

A aposta de Brendan Rodgers em Caglar Söyüncü foi um dos grandes pontos positivos do time na temporada. Com o camisa 4, os Foxes não só conseguiram um bom substituto para Harry Maguire, mas também, um jogador que pode ser um dos grandes nomes da posição nos próximos anos.

Leia mais: Söyüncü faz a torcida do Leicester esquecer Maguire

Acompanhe a PL Brasil no YouTube

  • ESQUADRÕES IMORTAIS | LEICESTER 2015/16