Sob mudanças e críticas, LALIGA aposta em Vitor Roque e Endrick: ‘Atraímos os jovens talentos’

8 minutos de leitura

Assista a um jogo da atual temporada da primeira divisão do Campeonato Espanhol e seja surpreendido por uma série de novidades em relação à última edição. Câmeras nos vestiários, conversas à beira do campo microfonadas, nova identidade visual, nova marca, novo nome e até uma nova “forma”. LALIGA EA SPORTS, de acordo com o manual atualizado, deve ser escrito em caixa alta “para representar a força da marca”.

Depois de sete anos, a empresa terminou a parceria com o banco Santander e anunciou como nova detentora dos naming rights da competição a EA Sports – desenvolvedora de jogos conhecida pela franquia de games de futebol ‘Fifa’.

Câmeras mais próximas dos personagens do jogo são novidades de LALIGA na temporada (Foto: IconSports)

Parceria com a EA SPORTS além da marca

Mas a relação não se limita ao nome. Segundo comunicado oficial, a relação entre as marcas busca transcender os papéis e impactar diretamente na forma como as partidas são consumidas. Além das novidades citadas acima, é possível notar ângulos e replays característicos do antigo “Fifa”, agora rebatizado como EA Sports FC.

LALIGA afirma que “o desafio é captar as novas gerações que hoje não assistem ao jogo inteiro e a EA tem uma vertente diferente. Com isso, novos recursos trazem uma pegada mais vídeo game”.

LALIGA: em nova fase, com antigos desafios e diferentes críticas

Em meio a mudanças e novidades, porém, LALIGA também convive com duras críticas. As rigorosas regras do Fair Play financeiro da gestão Javier Tebas, atual presidente da liga, levaram o Campeonato Espanhol a se afastar do estigma de “liga das estrelas”.

Com investimentos controlados, a competição foi apenas a quinta que mais gastou no último mercado de transferências entre as cinco principais ligas europeias e a “intrusa” primeira divisão da Arábia Saudita. Este foi um dos temas da entrevista exclusiva da PL Brasil com Leonardo Ferreira, representante de LALIGA no Brasil.

Gastos na última janela de transferências por liga em euros:

  • 1) Premier League (ING) – € 2,8 bilhões
  • 2) Ligue 1 (FRA) – € 900,64 milhões
  • 3) Serie A (ITA) – € 854,46 milhões
  • 4) Saudi Pro League (SAU) – € 846,57 milhões
  • 5) Bundesliga (ALE) – 747,03 milhões
  • 6) LaLiga (ESP) – € 439,35 milhões
  • 7) Eredivisie (HOL) – € 226,75 milhões
  • 8) Championship (ING) – € 212,66 milhões
  • 9) Primeira Liga (POR) – € 189,99 milhões
  • 10) Jupiler Pro League (BEL) – € 140,37 milhões

Racismo e violência de gênero impactam futebol espanhol

Temáticas delicadas como racismo e assédio também têm causado profundos arranhões na imagem do futebol espanhol para o mundo. O último deles foi o beijo forçado em Jenni Hermoso de Luis Rubiales, que renunciou ao cargo de presidente da Federação Espanhola – que não tem qualquer relação institucional com LALIGA, vale salientar.

Já no Campeonato Espanhol, foram 11 casos envolvendo insultos racistas ao brasileiro Vinicius Junior desde outubro desde 2021. Destes, 10 foram denunciadas formalmente pela gestora da primeira divisão espanhola.

A maneira com que Javier Tebas lidou com um dos casos ao inflamar uma troca pública de mensagens com Vinicius Junior nas redes sociais, e o passado do presidente de LALIGA também contribuem para as críticas à instituição. O mandatário é apoiador do partido político de extrema-direita espanhol Vox e ex-integrante do Fuerza Nova, uma agremiação partidária fascista que existiu na Espanha entre 1976 e 1982.

À reportagem, o representante de LALIGA falou sobre a crise de imagem da intuição especialmente junto ao público brasileiro e as medidas de enfrentamento às manifestações racistas nos estádios do Campeonato Espanhol.

Nesta entrevista, você também lerá sobre:

  • Concorrência de ligas paralelas, como a Kings League;
  • Projeto de internacionalização de marca;
  • Reformas nos estádios da Espanha;
  • Candidatura espanhola à Copa do Mundo de 2030;
  • Atração do talento brasileiro.

PL BRASIL: Ao assistir um jogo de LALIGA nesta temporada, logo se é impactado com as inovações em marca e transmissão. Quais são as principais mudanças para a edição 2023/2024 da competição e como seu deu processo até essas novidades? Qual é o plano em torno delas?

Leonardo Ferreira, delegado de LALIGA: Buscamos acompanhar as mudanças e evoluções do nosso público. A LALIGA EA SPORTS sempre teve a preocupação de oferecer um espetáculo dentro dos campos e de estar próxima dos fãs fora deles também e, para essa temporada, buscamos novas tecnologias que proporcionem uma experiência ainda mais imersiva e apaixonante para o público que acompanha as partidas no estádio e também pela TV ou em outras mídias.

Novas câmeras foram instaladas nos estádios para que o público possa conferir todos os ângulos das jogadas e para que eles possam compartilhar seus ídolos e equipes de coração de forma cada vez mais fácil. Outra inovação que visa proporcionar uma experiência ainda mais imersiva aos torcedores é que estamos microfonando atletas e membros da comissão técnica à beira do campo. Algo completamente novo em LALIGA e que faz com que os fãs se sintam no campo.

Com todas essas inovações nossa presença e atuação nas redes sociais deve ser ainda maior na atual temporada e tudo isso é pensado para que a experiência dos fãs de LALIGA EA SPORTS seja cada vez melhor. Mas também estamos usando os avanços tecnológicos para aumentar a segurança e o conforto dos fãs dentro dos estádios.

Mesmo com poucas rodadas desde a implantação de mudanças em transmissão e marca, a Liga já nota impacto nos números em relação a audiência e consumo? Qual é o balanço até o momento?

Realmente ainda estamos no início da temporada e implantando todas as inovações. O balanço até agora é muito bom, principalmente porque estamos recebendo um feedback positivo dos fãs.

Do lado de dentro, porém, houve algumas reações negativas… Unai Simón, goleiro do Athletic Bilbao e da seleção espanhola, por exemplo, se queixou das câmeras no vestiário. Como a LALIGA enxerga críticas como essa, vindas das “estrelas” do show?

LALIGA VESTIARIOS
Imagens e entrevistas dentro dos vestiários, novidades de LALIGA nesta temporada, causaram incômodo em alguns jogadores e treinadores (Foto: reprodução/LALIGA)

Nosso objetivo é o de proporcionar uma experiência cada vez melhor e mais imersiva aos fãs, mas também respeitamos demais as opiniões e avaliações dos principais astros de LALIGA EA SPORTS, que são os clubes e os atletas. Nosso processo é construtivo e colaborativo e todas essas manifestações serão levadas em consideração para chegarmos a um cenário que seja positivo para os fãs, atletas, clubes, patrocinadores e todo o universo envolvido. E ainda estamos no começo da implementação dessas novidades, mas temos a certeza que vamos conseguir atingir os objetivos.

Alguns especialistas indicam que competições paralelas como a KingsLeague (que hoje é o principal exemplo), tem forçado as ligas tradicionais a se mexerem. Como LALIGA enxerga essas novas formas de consumir futebol? Isso acelerou a implementação do pacote de mudanças que vemos hoje em LALIGA?

Ligas mais fortes e competitivas só favorecem o futebol. Desde que isso seja feito com responsabilidade e respeito com todos os envolvidos. As mudanças que observamos hoje em LALIGA EA SPORTS foram motivadas pelo nosso trabalho interno de acompanhamento da evolução do futebol e dos espectadores desse esporte. Não tem relação com os cenários externos ou outras ligas e nada disso afeta a responsabilidade com que tratamos nossa Liga.

kings league
Criada por Gerard Piqué, Kings League, competição com diferentes regras e formato, causa impacto na Espanha (Foto: reprodução)

Havia um projeto para que LALIGA realizasse jogos nos Estados Unidos – ideia que recebeu certa rejeição no passado. Essa ideia relacionada à internacionalização de marca ainda existe?

Queremos estar presentes em outros países e outros mercados para estarmos perto dos fãs em todo o mundo. Isso já é feito na pré-temporada e nas excursões dos clubes. Durante a temporada a prioridade é oferecer um campeonato competitivo, leal e com total respeito aos clubes que estão disputando.

Além de Neymar, Vini Jr e Rodrygo são os dois nomes de maior destaque no plantel da Seleção disputam LALIGA. Jovens como Vitor Roque e Endrick estão contratados por clubes de LALIGA.

É inevitável que toquemos no assunto Premier League, hoje a liga mais consumida do mundo e com os direitos de transmissão mais valorizados. Como LALIGA enxerga o futebol inglês como competidor a nível de mercado? Há um plano de médio ou longo para alcançar e, quem sabe, ultrapassar a PL no mercado?

Nosso foco é sempre aprimorar e crescer em LALIGA. Estamos entre as principais Ligas esportivas do mundo e nosso plano de expansão é constante. Atualizamos nossa identidade visual, renovamos o parceiro principal para a LALIGA, aumentamos o período de excursões na pré-temporada, estamos investindo em novidades para aumentar a imersão dos fãs nas partidas e também fora delas. Tudo isso tem como objetivo crescer cada vez mais e seguir atraindo os principais talentos do esporte, marcas e fãs do mundo todo.

Falando em atrair talentos…qualquer medida neste sentido passa pelo Fair play financeiro de LALIGA, modelo que atrai elogios e críticas.

É inegável a importância das regras de controle financeiro. No entanto, a LALIGA foi a que menos gastou nessa janela entre as 5 principais ligas europeias e, em dois momentos, tais regras influenciaram na saída de Lionel Messi e no não retorno do argentino ao Barcelona. O Fair Play financeiro de LALIGA está no ponto certo?

O Messi, citado na pergunta, teve toda sua carreira de glórias moldada dentro de LALIGA. E estamos vendo um enorme número de jovens talentos chegando aos clubes e conquistando seu espaço. Acredito que além do Neymar, hoje Vini Jr e Rodrygo são os dois nomes de maior destaque no plantel da Seleção Brasileira e os dois jogam na Espanha. Jovens promissores, como Vitor Roque e Endrick, já estão com contrato com clubes de LALIGA. Os clubes espanhóis estão sempre conquistando ou brigando pelos títulos europeus. Além do sucesso esportivo, a saúde financeira é de suma importância e os clubes de LALIGA são cada vez mais autossustentáveis. Tudo isso nos leva para uma avaliação positiva sobre o fair play financeiro.

A LALIGA está em momento de reforma nos estádios, especialmente com os novos projetos do Camp Nou e do Bernabéu. Como isso impacta dentro da capacidade financeira do campeonato como um todo e daquilo que se oferece como experiência de arquibancada?

Muitos clubes de LALIGA estão trabalhando e investindo em aprimorações de seus estádios visando resultados futuros. O objetivo é que quando todos estiverem finalizados, os impactos sejam positivos e mostrem que a LALIGA tem um padrão de excelência em seus palcos, independente do clube em questão. Com essas reformas, o produto LALIGA eleva seu nível como um todo e o fã terá a mesma experiência e conforto em todos os estádios.

Atrelado aos estádios reformados, como a LALIGA enxerga a concorrência da Espanha para sediar a Copa do Mundo de 2030? Como um Mundial impactaria a Liga?

Acreditamos que o impacto é positivo. Essa é uma oportunidade que poderá colocar a Espanha no centro do mundo para os apaixonados por futebol. Se a candidatura e uma possível vitória forem trabalhadas com inteligência e responsabilidade é possível que o futebol espanhol evolua ainda mais e conquiste mais fãs. Além de chamar a atenção para outros investimentos que podem beneficiar a população espanhola.

Em relação a pauta “Vinicius Junior e racismo”, a LALIGA já se manifestou algumas vezes, reiterando que investiga os casos, identifica os responsáveis, mas afirma que fica de mãos atadas” no que diz respeito à punições mais severas – que dependem da Federação e das autoridades. Dito isso, como a instituição acredita que pode lidar com esta crise e descolar essa imagem negativa que acabou atrelada ao futebol espanhol do ponto de vista brasileiro? Problema que também foi abastecido pelo caso Rubiales, ainda que indiretamente.

De fato, tudo que está ao alcance de LALIGA foi e é feito e seguimos trabalhando para intensificar algumas ações de LALIGA nesse sentido. Os investimentos em tecnologia também têm como objetivo aumentar a fiscalização contra atos negativos ou criminosos e estamos ampliando os canais de denúncia. Os verdadeiros fãs de futebol podem ser parceiros no combate ao racismo ao conhecer os nossos canais de denúncia. Esta é uma luta de todos.

Há novas medidas e pacotes de ação previstas para lidar com possíveis novos casos de racismo envolvendo Vinicius Jr?

No último mês, foi ao ar o aplicativo “LALIGA vs Racism”, uma ferramenta que vai funcionar como um canal de denúncia, além de conter informações sobre as competências da instituição e como podemos combater o racismo dentro dos estádios. Temos ciência de que essa plataforma irá ajudar não só possíveis futuros casos envolvendo o Vinicius Jr mas também com outros jogadores. Nosso objetivo principal é facilitar essa troca de identificação para as autoridades e apoiar aqueles que precisarem de auxílio. Também estamos aumentando o número de câmeras nos estádios e trabalhando em conjunto com os clubes para inibirmos esses atos.

Com colaboração de Bruno Bonsanti, Denise Bonfim e Leandro Stein

João Vítor Castanheira
João Vítor Castanheira

Coordenador da PL Brasil. Aqui, minha missão e organizar o time para que nossos craques da reportagem possam matar no peito e sair jogando. Cobri futebol internacional, carioca e esportes olímpicos pelo Lance! e fui editor de conteúdo do Esporte do Grupo Globo - lá fiz parte dos programas Globo Esporte, Jornal da Globo e Esporte Espetacular. Jornalista pela UFRJ, ex-goleiro da Associação Atlética de Comunicação e Artes com orgulho. Contra todo tipo de conservadorismo - inclusive o esportivo. De Uberaba-MG, radicado no Rio Janeiro-RJ, em São Paulo-SP.