Cinco motivos para acreditar que Jürgen Klopp dará certo no Liverpool

klopp dará certo no Liverpool

Quem não gosta de Jurgen Klopp? Tudo bem, você pode não gostar das suas táticas, dos jogadores que ele escala, mas temos que concordar que ele é simplesmente um gênio na arte de comandar uma equipe. Foi assim no Mainz 05, no Borussia Dortmund e, com certeza, Klopp dará certo no Liverpool.

5 motivos para acreditar que Klopp dará certo no Liverpool

1 – Capacidade de reconstrução

Quando chegou ao Mainz 05, em 2001, Klopp se deparou com seu primeiro desafio como treinador: Subir o Mainz para a primeira divisão alemã. Foram três temporadas até Klopp levasse o fraco time alemão à Bundesliga. Conseguiu manter-se lá durante mais três temporadas até a nova queda.

A relação desgastada com os dirigentes fez com que Klopp saísse e, em 2007, aceitar o desafio de reconstruir o tradicional Borussia Dortmund.

O trabalho de paciência e a confiança da diretoria dos aurinegros deu a Klopp status de ídolo, daqueles de ser reverenciado por todos os torcedores do Dortmund.

Com o Borussia, Klopp foi campeão logo na segunda tempoda dele pelo clube (2008/09) Supercopa da Alemanha. Não demorou até conseguir o título da Bundesliga pelo Dortmund, em 2010/11, ah e o bi em 2011/12.

Sem falar da Copa da Alemanha de 2011 e o vice-campeonato da Liga dos Campeões de 2012/13, ou seja, Jurgen Klopp é responsável pelo renascimento de um dos maiores clubes do mundo, que hoje é o que é, por causa do alemão. Fato.

2 – Visão de mercado

A ótima relação com todos os jogadores que trabalhou é fruto de uma visão de mercado que poucos treinadores têm hoje em dia.

Foi Klopp quem trouxe Neven Subótic, de onde trabalhou no Mainz, para o Dortmund e que segue lá até hoje na zaga no Dortmund. Lucas Barrios, hoje no Palmeiras, é outro jogador que teve Klopp como seu ‘padrinho’.

Shinji Kagawa, ídolo da torcida, estava no Cerezo Ozaka quando Klopp decidiu tornar o japonês uma das principais peças do time campeão em 2011.

Dois das maiores peças do Borussia Dortmund na atualidade são Marco Reus e Aubameyang. Ideias de quem sabe o que o jogador pode render. Esse é o ‘comprador’ Klopp.

3 – Jogo vertical e veloz

Abaixo podemos ver o Borussia de 2012, temporada em que foi vice-campeão europeu. Uma aposta constante era a boa subida dos laterais, principalmente Schmelzer.

Reus e Kuba compensavam a falta de velocidade de Götze, que vivia seu melhor momento no clube alemão antes de se machucar, perder a final da Champions e se transferir para o Bayern de Munique. O avanço surpresa de Gundogan sempre gerava boas chances ao Dortmund.

Ou seja, eram quase sempre 6 ou 7 jogadores no campo de defesa do adversário e uma exploração absurda pelas pontas. Padrão Premier League.

Abaixo já podemos ver o Dortmund de 2013, logo após a saída de Mario Götze. Klopp não mudou muito seu estilo de jogo.

Apenas conteve seu novo camisa 10 e liberou mais Bender para chegar ao ataque. Veja que Kuba e Reus continuam sempre fechando pelo meio ou fazendo o facão, quando a bola está na outra ponta.

4 – Carisma

Não apenas de táticas e resultados vive um treinador e Klopp vive para contar essa história.

Seu carisma, coração gigante e sua relação de ‘paizão’ com os jogadores, fazem com que o alemão seja querido por todo e qualquer clube. Sua garra, força de vontade, polêmicas, entrevistas engraçadas, enfim, tudo isso faz com que o ambiente do clube fique mais gostoso de trabalhar.

Não a toa, ele ficou 7 anos no Mainz, 7 anos no Dortmund e ficará muito tempo ainda no Liverpool. Abaixo, algumas frases carismáticas de Jurgen Klopp.

– “Para aproveitar o futebol, você tem que vibrar! É isso que eu amo. Se o Barcelona que goleia serenamente fosse o primeiro time que eu vi jogar quando tinha quatro anos de idade, eu teria jogado tênis. Desculpe, isso não é o suficiente para mim. Não é futebol sereno, mas futebol de luta que eu gosto. Dia chuvoso, campo pesado, todo mundo com o rosto sujo e voltando para casa sem conseguir jogar futebol pelas próximas quatro semanas”

– “Nós temos um arco e uma flecha. Se mirarmos bem, acertaremos o alvo. O problema é que o Bayern tem uma bazuca”

– “Ele gosta de ter a bola, de trabalhá-la, de dar muitos passes. É como uma orquestra. Mas um som silencioso. Eu prefiro heavy metal” – antes do confronto com Arsène Wenger. Os técnicos se enfrentarão dia 12 de Janeiro, pela 21ª rodada da Premier League.

– “Estamos enfrentando o grande desafio que existe no futebol: jogar contra um time italiano que só precisa de um empate” – antes de ser eliminado pela Juventus na Champions.

5 – Relação com a torcida

Klopp é simplesmente um gênio na arte de envolver a torcida. Em 7 anos de Borussia Dortmund, ele foi ovacionado diversas vezes, inclusive na sua despedida.

Ele incentivava os mosaicos, as cantorias, pedia para gritarem, nunca foi vaiado pela sua torcida. Até que não torcia para o Dortmund, passou a torcer só por causa dessa relação. (Sim, um amigo meu de Paulo Afonso me disse isso).

A torcida do Dortmund é apaixonada pelo seu time, assim como a do Liverpool é pelos Reds. Torcida por torcida, Klopp será amado de qualquer jeito em Anfield. Clique no link abaixo e veja o que lhes espera, torcedor do Liverpool!

Clique aqui para ver o vídeo (Link Youtube, relaxe que não é vírus)