Kieran Trippier, o apaixonado torcedor que virou jogador

Lateral direito já foi um assíduo espectador dos jogos da seleção. Conheça a história!

Kieran Trippier, o apaixonado torcedor que virou jogador

Vamos dar continuidade a nossa série especial de matérias sobre os 23 convocados da Inglaterra para a Copa do Mundo 2018! Vem com a gente que o papo de hoje é sobre Kieran Trippier!

Kieran Trippier contrariando a família

Reprodução/Getty

Os laterais que passam pelo Tottenham vêm chamando atenção, certo? Os nossos dois últimos personagens foram dois atletas da posição que atuam ou atuaram na equipe em algum momento. Coincidências ou não, o sexto personagem da série também joga pelo clube e foi muito bem na temporada 2017/18: Kieran Trippier.

Nascido em Bury, na região de Manchester, no dia 19 de setembro de 1990, Kieran John Trippier viveu boa parte da sua juventude em Summerseat, uma vila dentro da cidade onde cresceu. Em uma família de quatro filhos, os pais devem ter orgulho do sucesso de Kieran, embora seu irmão Kelvin também tenha se tornado atleta profissional de futebol.

Entretanto, o começo de carreira do lateral nesta temporada não foi perfeito para a família. Como a família torcia para o Manchester United, aos oito anos decidiu entrar na base do clube, mas o rival Manchester City seduziu o lateral.

Leia mais: Veja lista de convocados da Inglaterra para a Copa do Mundo

Kieran passou todo o resto de seu desenvolvimento na base dentro dos Citizens ao lado de alguns amigos, mas era claro que os seus familiares prefeririam que ele tivesse sido formado no outro time da região.

As primeiras chances

Foto/Divulgação

Em 2007, o lateral direito subiu para o time profissional do Manchester City, mas sempre oscilando entre os jogos dos campeonatos juvenis e os treinos entres os principais jogadores.

Com 17 anos, ainda teve a primeira oportunidade em equipes de base da seleção inglesa, na mesma temporada. Ele ainda foi campeão da FA Youth Cup com os Citizens em 2007/08.

Já em 2010, após participar de um amistoso contra o Barcelona no Camp Nou, fez a pré-temporada com o elenco principal e chamou atenção do Barnsley novamente, já que tinha passado a temporada anterior atuando pelo clube.

Emprestado, foi eleito o melhor jogador jovem da equipe na temporada 2010/11. Foram 42 partidas na Championship pelo clube, marcando dois gols.

Destaque em Burnley

Reprodução/Getty

Com 22 anos, Trippier chegou ao time como um jogador promissor. Como não atuava no time de Manchester, vir para o Burnley foi ótimo para ganhar experiência e ritmo de jogo.

Na primeira temporada no clube, foi como ainda atleta dos Citizens. Após 50 partidas no ano, o lateral direito venceu o prêmio de melhor jogador da equipe em 2011/12 com 4 gols e 6 assistências, ou seja, participou diretamente de 10 tentos da equipe.

Nas duas temporadas seguintes, foi eleito melhor lateral direito, estando na seleção da Championship em ambas as vezes. Em 2013/14 ainda, foi vice-campeão da competição com o Burnley, chegando à Premier League.

Em sua primeira temporada jogando, de fato, a primeira divisão do país, Trippier mostrou que estava a fim de jogo. Atuou em todas as 38 partidas da competição, dando 4 assistências.

Em geral, foram 185 jogos pelo clube, marcando 6 vezes, mas dando 37 passes para gols. Bons números, não é mesmo? Para muitos clubes da elite do campeonato inglês, sim. Arsenal, Newcastle, entre outros clubes, demonstraram interesse no jogador promissor que brilhava nos Clarets, mas foi o Tottenham que conseguiu leva-lo em 2015/16.

A chegada em Londres

Reprodução/Getty

Para alguns torcedores dos Spurs, o que mais chamou atenção no atleta foi a raça e o vigor físico demonstrado nas temporadas anteriores, sendo bom lá na frente, mas sem deixar suas obrigações defensivas de lado.

A qualidade técnica do atleta deu esperança ao time, já que tinha Walker, que ainda não era o jogador de hoje, Eric Dier como opção de improviso, André Yedlin e Vlad Chiriches, que não exalava tanta habilidade assim.

Em seu primeiro ano no clube, marcou 1 gol e deu 3 assistências em 19 jogos, ajudando a equipe a alcançar o vice-campeonato na Premier League, no ano da histórica vitória do Leicester.

Em 2016/17, segunda temporada no clube de Londres, ele ainda foi reserva de Walker, que se firmava ainda mais a cada jogo como titular dos Spurs. Foram mais 22 jogos pelo time, dando mais impressionantes 7 passes que terminaram em gol, além da incrível média de 2,27 pontos conquistados por jogo.

Com contrato renovado e vendo Walker se transferir para Manchester, a temporada 2017/18 foi muito boa. O número de partidas foi quase o dobro da quantidade jogada na primeira temporada pelo clube.

Além disso, a representatividade do atleta no elenco só cresceu. Deu mais 9 assistências – uma dessas foi na partida superimportante contra o Real Madrid, pela Liga dos Campeões, que terminou com vitória londrina.

De torcedor assíduo à atleta da Inglaterra na Copa do Mundo

(Foto: PA)

Pela Inglaterra, teve suas primeiras oportunidades em 2017. Foi convocado para um jogo das eliminatórias, contra a Escócia, mas sua estreia foi três dias depois, enfrentando a França, em uma partida que terminou em derrota para os ingleses.

Das últimas 5 partidas da equipe, só não atuou contra a Seleção Brasileira. Esteve em campo nas vitórias contra Holanda e Lituânia e nos empates contra Alemanha e Itália.

Convocado para esta Copa, Trippier, há oito anos, quase quebrava a televisão de seu pai em um dos lances mais lembrados em uma copa do Mundo. “Quando o gol de Frank [Lampard] contra a Alemanha não foi dado em 2010, eu quase acabei com o TV do meu pai”, disse o lateral do Tottenham.

O jogador já disse também que sempre gosta de assistir aos jogos da Inglaterra. “Toda vez que a Inglaterra joga estou sempre animado. Eu simplesmente amo assistir a Inglaterra jogar!”, exclamou Trippier.

Curtindo a nossa série especial? No domingo voltamos com mais PL Brasil’s Road to Russia! Contaremos a história de Ashley Young. Enquanto isso, por que não dá uma olhadinha no nosso último podcast? Conversamos sobre os convocados de Southgate. Tá imperdível!

Você também pode dar uma passadinha na última matéria do Road to Russia. O personagem foi Danny Rose, o defensor que é uma incógnita, mas é de extrema qualidade.

Leia mais: Há 16 anos, Ronaldinho Gaúcho brilhava, e a Inglaterra dava adeus à Copa