Jordan Willis: comprometimento dentro e fora de campo

Jordan Willis: comprometimento dentro e fora de campo
Jordan Willis: comprometimento dentro e fora de campo

Primeiramente, Lee Johnson revelou o papel de olheiro de Jordan Willis em Sunderland durante ausência por lesão.

O chefe dos Black Cats, Lee Johnson, disse em outubro que estava considerando trazer  Jordan Willis para a equipe de olheiros. Dessa forma, pretendendo ajudar o defensor a se manter envolvido, já que ele perdeu os últimos três meses da temporada devido a uma grave lesão no tendão do joelho.

A princípio, na manhã desta sexta-feira (10), Lee Johnson revelou que nos últimos jogos o zagueiro Jordan Willis, que esta afastado por causa da sua lesão no tendão do joelho. O atleta esta participando ativamente das analises, treinos e scouting da equipe.

Jordan Willis aproveitando oportunidades

Johnson deu detalhes do trabalho que Willis tem feito. Com isso, analisando os oponentes do Sunderland no Troféu EFL nesta temporada e participando das sessões de avaliação pós-jogo.

“Jordan foi encarregado de fazer algumas análises dos adversários”, disse Johnson. A equipe venceu duas de suas três partidas na fase de grupos da copa, antes de sair contra o Oldham Athletic no início de dezembro.

A lesão de longa duração de Willis significa que ele tem tempo para se dedicar à análise dos adversários. Porém, Johnson também deseja encorajar todos os seus jogadores para aproveitarem todas as oportunidades de aprender mais sobre os adversários.

“Por exemplo, o jogo MK Dons x Plymouth começou no meio da semana e eu disse ‘olhe, rapazes, se vocês querem ser da elite, essa é uma oportunidade para estudar'.

“passamos 40 horas, entre a equipe e os analistas, para olhar aquele jogo. Assim condensamos em seis minutos e depois planejar um treino nas costas dele.”

Logo depois, Johnson, disse que estão se inspirando nos métodos da La Masia, do Barcelona.

“Temos que entender que, para ser de elite, é preciso trabalhar em todas as frentes e melhorar de forma consistente. Temos de implementá-lo e, esperançosamente, dentro de cinco anos, quando os jogadores da nossa academia passarem, eles estarão conduzindo esses padrões, como fazem no La Masia do Barcelona”