5 jogadores que precisam fazer parte do novo ciclo da seleção inglesa

Concorda com a nossa lista de nomes?

seleção inglesa

Na sua primeira convocação pós-Copa, Gareth Southgate optou por não mexer muito na estrutura da seleção inglesa que construiu para o torneio mundial na Rússia (assim como a maioria dos treinadores de seleções), apesar de termos tido algumas surpresas na lista de jogadores.

No entanto, sabemos que ainda há muito para fazer até 2022. O treinador inglês com certeza irá testar novos jogadores, assim como dispensar alguns outros.

Separamos aqui cinco bons nomes que precisam (assim como devem) fazer parte das próximas convocações da seleção inglesa.

5 jogadores que precisam fazer parte do novo ciclo da seleção inglesa

Jamaal Lascelles

Com a aposentadoria de Gary Cahill, além da inconstância de Phil Jones, o setor defensivo da Inglaterra logicamente passará por mudanças.

Na primeira convocação pós-Copa, a surpresa entre os zagueiros foi James Tarkowski. O beque do Burnley esteve entre os possíveis convocados para a Copa da Rússia, mas acabou ficando fora. Jamaal Lascelles, capitão do Newcastle com apenas 24 anos, aparece como outra excelente opção.

Foto: Getty

Na temporada passada, Lascelles atuou em 33 partidas com a camisa dos Magpies, marcando três gols. O jogador se destaca pela sua agilidade – acima da média para um zagueiro – além de excelente senso de marcação e posicionamento.

Com dúvidas no setor, inclusive por optar pela utilização de três zagueiros na maioria das situações, é bem provável que Lascelles receba a oportunidade que tanto merece neste momento.

Lewis Cook

Ruben Loftus-Cheek impressionou o treinador dos Three Lions nos últimos amistosos antes da Copa. Ele cravou a sua vaga entre os 23 jogadores da seleção inglesa, deixando nomes como Adam Lallana e Jack Wilshere de fora.

No entanto, o meio-campista central que esteve emprestado ao Crystal Palace na temporada passada, permaneceu no Chelsea para a jornada presente.

Um ponto de interrogação surge quanto ao seu aproveitamento como titular, uma vez que os Blues possuem diversas opções mais renomadas do que o prata da casa.

Foto: Getty

Isso proporciona um cenário perfeito para Lewis Cook, jogador de 21 anos do Bournemouth. Cook impressionou na temporada 2017/18 ao atuar em 29 partidas pelos Cherries. Se destaca pelo excelente controle de bola e poder de interceptação.

Tudo indica que o jogador continuará progredindo e naturalmente surja como um nome a ser testado na seleção inglesa, em uma posição ainda carente.

James Maddison

Uma das transferências de maior reputação na última janela foi a aquisição de James Maddison ao Leicester City, por uma quantia de 25 milhões de libras. O meia de apenas 21 anos de idade acumulou excelentes exibições na temporada passada pelo Norwich City.

Maddison esteve presente em 44 partidas na Championship 2017/18, tendo um envolvimento direto em 22 gols da equipe canária: aproximadamente 45% do total do time na competição. Além disso, o jovem inglês foi o líder no quesito passes importantes (2.8 por jogo).

Foto: Getty

Em quatro jogos na Premier League, James já produziu um gol e uma assistência. A margem de evolução do atleta é enorme. De fato, todos estão ansiosos para que ele possa finalmente vestir a camisa da seleção inglesa.

Leia mais: Analisamos a decadência dos técnicos ingleses

Ryan Sessegnon

Nenhuma jovem promessa inglesa empolga tanto quanto Ryan Sessegnon. Com apenas 17 anos, o lateral (que posteriormente virou ponta) foi um dos pilares do bom time do Fulham na temporada passada. Atuou em 49 partidas e contabilizou 16 gols e seis assistências.

Ele fez parte da equipe do ano do campeonato e com todas as razões possíveis. Veloz e cada vez mais aprimorando sua finalização e passe, Sessegnon tem futuro brilhante pela frente.

Pela Premier League 2018/19, o inglês já soma uma assistência em quatro partidas: levando em consideração que iniciou como titular em apenas dois jogos.

Foto: Getty

Sessegnon já é um nome muito pedido pela nação inglesa. Logo em breve, deverá receber suas primeiras oportunidades na seleção inglesa. Se continuar surpreendendo com o seu futebol, tem tudo para permanecer por lá.

Callum Wilson

Com Harry Kane e Jamie Vardy, o último setor da seleção inglesa que daria dor de cabeça é o ataque. No entanto, com o atacante do Leicester manifestando seu desejo de atuar apenas em jogos “importantes”, uma lacuna foi deixada em aberto.

Na temporada passada, Glenn Murray, centroavante do Brighton, apareceu como uma alternativa (pelo menos mais justa do que Danny Welbeck). Ele marcou 12 gols na Premier League e foi um dos destaques do time. Nesta jornada, Murray já balançou as redes em três oportunidades.

No entanto, a sua idade avançada pesa contra quando falamos em renovação (34 anos), sendo mais viável assim apostar em um nome mais jovem.

Foto: Getty

Callum Wilson pode ser essa aposta. Apesar de não ter marcado muitos gols na temporada passada (foram oito gols em 23 jogos de PL) o atacante do Bournemouth começou esta edição com números interessantes. Em quatro jogos, são dois gols e uma assistência.

Com a falta de atacantes nativos entre os principais clubes ingleses, Wilson deve ser visto com mais carinho se continuar, claro, produzindo como vem fazendo.

Acompanhe a PL Brasil no Youtube

  • Visitamos a loja de camisas mais foda da Inglaterra