Jogadora brasileira do Arsenal pode virar a casaca e ir para o Tottenham

5 minutos de leitura

A janela de transferências do inverno europeu também foi aberta no futebol feminino nesta segunda-feira (1º) e as movimentações na Women's Super League, a Premier League feminina, começaram.

De acordo com o site da “BBC Sport”, o Arsenal está pronto para negociar com o rival Tottenham nesta janela, que se encerra no dia 31 de janeiro. E o negócio envolve uma jogadora com passagens pela seleção brasileira.

Brasileira do Arsenal pode virar a casaca e ir para rival

O alvo de negociação das Gunners no momento é a brasileira Giovana Queiroz. A ala de 20 anos chegou ao Meadow Park — estádio onde o time feminino joga, em Borehamwood — em 2022, depois de uma saída conturbada do Barcelona, quando ela acusou publicamente o clube de assédio moral.

Assim que foi contratada, ela passou meia temporada emprestada ao Everton. Mas, em seu retorno ao Arsenal em janeiro de 2023, ela acabou não se firmando no elenco principal, principalmente por problemas físicos.

Na janela de verão, antes do início da temporada 2023/24, a direção das Gunners já havia tentado negociá-la, sendo que o rival Tottenham era o maior interessado em levá-la por empréstimo. Porém, o acordo não foi para frente e ela permaneceu.

Agora, segundo a jornalista Emma Sanders, o clube busca negociá-la novamente. E o rival da cidade segue sendo a principal possibilidade para o empréstimo.

No Everton, Gio atuou em 11 partidas e marcou um gol. Já nas 12 partidas disputadas no Arsenal — nenhuma delas como titular –, a brasileira não estufou as redes.

Gio Queiroz na seleção brasileira

A ala se tornou um dos grandes nomes do período de renovação da Seleção Brasileira na era Pia Sundhage. Com a Amarelinha, Gio venceu a Copa América de 2022 e disputou as Olimpíadas de 2021. Com a chegada do novo técnico Arthur Elias, ela ainda não voltou a ser convocada.

Maria Tereza Santos
Maria Tereza Santos

Me formei em Jornalismo pela PUC-SP em 2020. Antes de escrever para a PL Brasil, fui editora na ESPN e repórter na Veja Saúde, Folha de S.Paulo e Superesportes.