Jogador banido em caso semelhante a Paquetá pede punição de 40 anos a brasileiro

5 minutos de leitura

Em 2022,o agora ex-jogador Kynan Isaac recebeu uma punição de 10 anos longe do futebol pela Federação Inglesa (FA) por envolvimento com apostas esportivas. Ele acompanha de perto o caso de Lucas Paquetá e cobra uma punição dura ao brasileiro.

Em entrevista ao “The Athletic”, Isaac, atualmente instrutor de direção, acredita que o craque do West Ham tenha que ser banido do futebol por 40 anos. Apesar desse interesse, Isaac não acredita que isso acontecerá.

As impressões de Kynan Isaac sobre Lucas Paquetá

Os casos são parecidos. Kynan Isaac foi acusado e considerado culpado por ter recebido um cartão amarelo propositalmente em um jogo da FA Cup, contra o Shrewsbury Town, em 2021. O atleta defendia o Stratford Town, da sétima divisão inglesa, e foi apontado por ter um grupo de esquema de apostas com amigos.

Isaac defende que Paquetá receba uma punição quatro vezes maior que ele sofreu, pois as acusações remetem a quatro partidas. Ele acredita que seria incoerente se o brasileiro recebesse uma sanção menor que a sua.

–Você não pode me dar uma suspensão de 10 anos por uma acusação e depois esperar que eu não diga nada se alguém com quatro das mesmas acusações receber uma sentença menor. Como você poderia justificar isso? Seria impossível.

Apesar de sua vontade, o ex-jogador é pessimista em relação à punição que Paquetá receberá. Ele aponta que não acredita que o meia-atacante receba uma pena dessa magnitude se for considerado culpado.

–Veremos o que eles darão a ele, se ele for considerado culpado. Será muito interessante ver se eles seguem as diretrizes que agora estabeleceram. Já aconteceu isso comigo uma vez e peguei 10 anos. É matemática básica, ele deveria completar 40 anos e não voltar a jogar futebol. Mas eu vejo isso acontecendo? Provavelmente não.

À época, Isaac também negava as acusações. Ele ainda nega. Quatorze apostas foram feitas para que o lateral-esquerdo recebesse cartão amarelo naquela partida, o que aconteceu com uma forte entrada. A Sky Bet notou movimentações anormais e recusou-se a pagar movimentações anormais.

Ele recebeu uma suspensão extra de um ano por não cooperar com a investigação da FA – ao não fornecer seus dados de contas do seu telefone, por exemplo – e uma outra suspensão de um ano e meio meses por violar as regras da FA para apostas em jogos.

A suspensão de um ano e meio de Isaac, que se somou à sua suspensão de 10 anos, foi por apostar em 347 partidas entre agosto de 2016 e novembro de 2021. Dessas dez, seis foram feitas contra o seu próprio time.

Qual o cenário envolvendo Lucas Paquetá e as acusações sobre possível envolvimento com apostas?

Paquetá é acusado de receber quatro cartões amarelos de forma deliberada em jogos da Premier League contra Leeds, Leicester, Bournemouth e Aston Villa. De acordo com a investigação, pessoas ligadas ao camisa 10 no Brasil teriam apostado que o jogador receberia essas advertências nessas partidas.

O jornal “The Sun” apurou que cerca de 60 pessoas da Ilha de Paquetá, terra natal do jogador, teriam realizado apostas nessas partidas. Kynan Isaac ponderou que nos lances em que Paquetá é acusado, o brasileiro tem uma postura de desespero para receber o cartão amarelo.

–Já vi alguns amarelos que ele recebeu, são ridículos. Ele comete uma falta em alguém, se levanta, corre atrás de outra pessoa, comete uma falta e depois comete outra falta só para ter certeza de que receberá um cartão amarelo. Foi óbvio.

Lucas Paquetá diz ser inocente e garante que colabora com a investigação. O meia do West Ham ainda está liberado para jogar e compõe o elenco do Brasil na Copa América.

Lucas Paquetá West Ham apostas
Lucas Paquetá pela seleção brasileira (Foto: Icon Sport)
Lucas Barbosa
Lucas Barbosa

Redator da PL Brasil. Foi por meio da Premier League, na tela do antigo Esporte Interativo, em 2007, que o Jornalismo entrou na minha vida. Duas paixões que abriram portas e me fazem realizar sonhos todos os dias. Passei pelos portais Mais Minas e Esporte News Mundo.