Jamie Vardy, de operário a campeão da Premier League

A história de Vardy é uma das mais incríveis do futebol inglês

Jamie Vardy

Vamos dar continuidade a nossa série especial sobre os convocados da Inglaterra para a Copa do Mundo! Curiosidades, histórias, estatísticas e muito mais. Vem com a gente que o papo de hoje é sobre Jamie Vardy!

Jamie Vardy e sua incrível história

A história de Jamie Vardy é daquelas que você lê e não acredita.

O centroavante, hoje com 31 anos de idade, demorou para estourar em solo inglês. Passou algumas boas temporadas no futebol semi-profissional, subiu para as divisões inferiores da Football League e só chegou à elite um bom tempo depois.

Tudo começou em 2002, quando o pequeno Vardy, com recém 16 anos completados, foi deixado de lado pelo Sheffield Wednesday, um dos clubes mais tradicionais de sua terra natal. Há quem diga que o atacante fora dispensado devido a sua baixa estatura.

Assim como manda o clichê dos causos envolvendo jogadores de futebol, o atacante não desistiu da carreira. Deu logo um jeito de continuar batendo bola, ainda que estivesse sujeito a atuar em ligas amadoras.

E assim se fez. Vardy foi contratado pelo modesto Stocksbridge Park Steels, da oitava divisão, um ano após ser mandado embora pela diretoria dos Owls. Começava ali um árduo caminho até o lugar mais alto do pódio britânico.

Vardy? Quem?

Vardy ainda era um desconhecido com a camisa do Fleetwood (Reprodução/Getty)

Jamie atuou pelo time principal do Stocksbridge entre 2007 e 2010. Durante essa época, ao mesmo tempo em que o Manchester United sagrava-se três vezes campeão da Premier League e José Mourinho comandava o Chelsea, Vardy permanecia no anonimato.

Enquanto Cristiano Ronaldo, Frank Lampard e Steven Gerrard faturavam alguns milhões por temporada, o modesto centroavante inglês sobrevivia à base de £30 por semana.

Além de jogador, Vardy era também operário.

Durante a passagem pelo Stocksbridge, outro contra-tempo: certa briga de bar levou o atacante inglês a usar uma tornozeleira eletrônica por seis meses. Ele Tomou as dores de um amigo deficiente auditivo, que havia sido insultado no local.

Entre vários toques de recolher, dificuldades do futebol semi-profissional e o trabalho na fábrica, Vardy se desdobrou para continuar batalhando. Bom. É óbvio que ele rapidamente se destacaria pelo foco e dedicação.

O início da escalada

Jamie Vardy chegava ao Leicester para fazer história! (Reprodução/Getty)

A odisseia do atleta inglês ganhou mais um capítulo em 2010. Jamie se transferiu para o Halifax Town, em West Yorkshire e logo depois para o Fleetwood Town. E foi neste último clube que o atacante ganhou um ticket para o sucesso.

Seus 31 gols marcados em 36 jogos pelo time da quinta divisão atraiu olhares do Leicester City, à época na Championship. Os Foxes pagaram algo em torno de £1m para contar com os trabalhos do novo reforço.

A equipe do ex-craque Gary Lineker venceu Peterborough e Cardiff City, que também estavam interessado no atleta. Isso em 2012. Lembrando que Jamie Vardy já não era tão jovem assim. Já tinha os seus 25 anos completados.

A primeira temporada com o uniforme azul foi tímida. Foram 26 partidas disputadas e apenas quatro golzinhos marcados na segundona. Fatores como entrosamento e adaptação com certeza atrapalharam o rendimento do atleta.

Tudo mudou com o acesso à Premier League. O Leicester garantiu o título da Championship em 2013/14, se juntou ao grupo dos melhores clubes da Inglaterra e viria a fazer história alguns anos depois.

Pra sempre na história!

A temporada 2015/16 certamente ficará na memória de todos os amantes do esporte bretão. Uma campanha que surpreendeu e superou todas as expectativas possíveis. Digna de roteiro de filme.

Quem ainda não conhecia Jamie Vardy e o modesto time do Leicester, inevitavelmente ficou por dentro do que estava acontecendo na Inglaterra.

Os Foxes lideraram o campeonato na reta final da competição, deixaram para trás gigantes como Liverpool, Manchester United e Arsenal, destroçaram defesas adversárias com contra-ataques fulminantes e conquistaram o inédito título da liga nacional.

Sob o comando do técnico italiano Claudio Ranieri, Jamie Vardy brilhou junto de outros companheiros como Riyad Mahrez, eleito o melhor jogador da temporada, e o capitão Wes Morgan, incluso na seleção do campeonato.

O centroavante só não fez chover. Terminou a campanha com 24 tentos anotados (um a menos que o artilheiro da ocasião, Harry Kane), serviu 6 assistências e foi o segundo jogador mais importante do elenco campeão.

Vardy finalmente se mostrava ao mundo! O centroavante inglês impressionou pelas arrancadas fulminantes, consciência tática, exímia finalização e vontade dentro de campo. Não à toa logo foi convocado para a seleção.

Seleção. Quem diria? 

Será que o próprio Vardy imaginaria uma convocação para a Inglaterra há alguns anos atrás, quando ainda era operário e precisava chegar em casa cedo devido a prisão domiciliar? Nem ele, nem eu, nem você. Mas o mundo dá voltas, meu amigo!

Sua primeira chance na Three Lions foi em maio de 2015. Vardy foi convocado para as eliminatórias da Euro 2016, entrou no lugar de Wayne Rooney em partida contra a Irlanda e marcou de vez a sua estreia pela seleção nacional.

De lá pra cá, vestiu o uniforme branco 22 vezes e balançou as redes em 7 ocasiões. Integrou o elenco da Eurocopa, tornou-se figurinha carimbada durante as últimas convocações e ganhou a chance de disputar a sua primeira Copa do Mundo.

Vardy chega à Rússia com moral. O centroavante disputou 37 partidas na temporada 2017/18, marcou 20 gols e retomou a boa forma apresentada durante a campanha do título. Mesmo após campanha pra lá de mediana do Leicester na Premier League.

Leia mais: Jesse Lingard, o cara das comemorações

A boa fase não lhe falta, assim como técnica e faro de gol. O problema é a concorrência pela posição. Jamie Vardy esteve à sombra do craque e agora capitão Harry Kane durante todos esses anos. Disputa um tanto quanto desleal, certo?

“Ah, mas eles podem jogar juntos!”

Certamente. E isso já aconteceu em algumas situações pontuais. Não com Gareth Southgate. Dos 10 compromissos disputados na temporada, o técnico escalou ambos os atacantes como titulares da equipe em nenhuma ocasião.

Enquanto esteve saudável, Harry Kane reinou absoluto no comando do ataque. Quando esteve fora por conta de lesões, Jamie Vardy assumiu a titularidade. Ou um, ou outro. Jamais os dois juntos.

Com exceção de algumas situações de jogo bem específicas, Jamie Vardy certamente não terá muitas oportunidades como titular na Copa do Mundo, mas deverá entrar com algum frequência durante o segundo tempo.

Independente disso, o reserva de luxo da Inglaterra já venceu.