Jadon Sancho: do início no futebol de rua à ascensão meteórica

Como surgiu o jogador que buscou - e atingiu - o sucesso fora da Inglaterra?

Jadon Sancho: do início no futebol de rua à ascensão meteórica
Lars Baron/Bongarts/Getty Images

O grande poder aquisitivo dos clubes da Premier League refletiu na normalização de transferências com cifras altíssimas. No entanto, essa postura de mercado também pode trazer um efeito negativo. Seus jogadores mais jovens podem ter cada vez menos tempo de jogo e, assim, buscar novos ares. Foi o que aconteceu com Jadon Sancho, a maior promessa inglesa e que hoje desfila seu talento fora do Reino Unido.

O início de Sancho: onde tudo começou

Nascido em 2000, Sancho é filho de pais de Trinidad e Tobago e cresceu no distrito de Kennington, ao sul de Londres, no bairro de Southwark. Seus primeiros contatos com o futebol foram jogando em uma quadra de concreto onde era praticado o “Cage Football” (Futebol de Jaula, em tradução livre). Trata-se de um estilo de jogo de rua que consiste em partidas de cinco jogadores contra cinco, onde muitos atletas ingleses começaram a desenvolver suas qualidades.

Nessa mesma quadra, o ex-zagueiro Rio Ferdinand também deu seus primeiros passos rumo ao estrelato, muito antes dela servir como ponto de encontro de Sancho com outras crianças. Dentre essas crianças, outra também chamou atenção e desenvolveu grande amizade com Sancho: o atacante Reiss Nelson, do Arsenal.

Em algumas entrevistas, Sancho já admitiu que o futebol de rua foi determinante em
sua formação, uma vez que o obrigou a desenvolver qualidades como o toque de primeira, orientação corporal e drible em um contra um.

Com menos de 10 anos de idade, o garoto já chamava atenção de seus treinadores e adversários, indicando um talento acima da média. Ele encontrava no futebol uma saída para buscar uma qualidade de vida melhor para si mesmo e até para sua família, o que
serviu de motivação desde o início de sua carreira.

“A vida não teria sido fácil para mim, pois haviam muitas pessoas ruins. O que poderia ter acontecido se eu não tivesse tido [o apetite] está comigo o tempo todo”

Caminho nas categorias de base

Em 2007, o Watford organizou um campeonato regional no distrito de Battersea (próximo de Kennington), quando um dos olheiros do clube se espantou com o futebol do filho de seu amigo, Sean Sancho. Na época, o pequeno Jadon ainda tinha sete anos, mas já iniciava sua primeira experiência em um clube profissional.

Acontece que eram longas as viagens – duas horas por trecho – de Kennington a Harefield Academy, onde os jogadores das categorias de base do Watford treinavam e estudavam. O pai do jogador e o clube selaram um acordo para o jovem treinar três vezes na semana. Nos outros dias, Sancho jogava no Cage Football, próximo de sua casa.

Aos 12 anos, ele começou a perceber que a distância entre sua casa e a base dos Hornets ia além da distância. O jovem passou a estudar em Harefield, mas era pouco disciplinado na escola e tinha um comportamento diferente de seus colegas – a maioria, filhos de milionários estrangeiros.

Naquela época, Arsenal e Chelsea já demonstravam interesse no garoto, que acabou permanecendo no Watford para não perder a adaptação aos treinos e à escola.

“Um dos meus treinadores sentou comigo e disse, ‘Nós te valorizamos muito, mas você deve escolher qual caminho quer seguir. Esquerdo ou direito. Bom ou ruim’.”

Em março de 2015, Sancho foi vendido ao Manchester City por 66 mil libras, ainda aos 14 anos. Durante os quase dois anos e meio em que atuou pelos Citizens, foi vice-campeão da FA Youth Cup (Copa da Inglaterra sub-18) duas vezes seguidas, nas temporadas 2015/2016 e 2016/2017. Em ambas as oportunidades, derrotado pelo Chelsea de Mason Mount, Reece James, Callum Hudson-Odoi, Tammy Abraham, Fikayo Tomori e companhia.

Em maio de 2017, o presidente do ManchesterCity, Khaldoon Al-Mubarak, afirmou que Pep Guardiola estava prestes a promover três jogadores muito talentosos para o time principal: Brahim Díaz, Phil Foden e, obviamente, Jadon Sancho.

A declaração de Al-Mubarak ocorreu poucos dias após o vice-campeonato europeu sub-17 da Inglaterra, em que foi eleito o melhor jogador. Naquele momento, o objetivo dos Citizens era iniciar a transição de suas joias ao time principal. Foden e Díaz foram incluídos no elenco que disputaria um torneio de pré-temporada nos Estados Unidos. Sancho, no entanto, foi deixado de lado, devido ao imbróglio envolvendo seu primeiro contrato profissional.

Leia mais: Jude Bellingham, o jovem de 16 anos cobiçado na Europa

Guardiola não garantiu o tempo de jogo que o inglês queria para permanecer no City, o que levou a um impasse sobre seu futuro. Posteriormente, se recusou a se reapresentar nas categorias de base do clube, o que chamou atenção de equipes como Arsenal, Tottenham e Borussia Dortmund.

Mesmo com a insistência dos Spurs para que a transferência acontecesse, o Manchester City não queria negociar com um rival inglês e se aproveitou do projeto do Dortmund ter sido mais atraente para Sancho, que sabia do bom histórico do clube alemão com jogadores jovens.

Exatos três meses após ser exaltado pelo presidente dos Citizens, foi anunciado pelo Borussia Dortmund, no último dia da janela de transferências da temporada 2017/2018. Os alemães pagaram 7 milhões de euros, além de 15% ao Manchester City em uma futura venda. “Eu pensei nisso apenas como mais uma viagem como visitante. ‘Eu só tenho que ir lá e jogar futebol.'”

A ascensão meteórica

Após apenas três partidas nas categorias de base do Borussia Dortmund, o jovem inglês foi promovido ao time principal e passou a receber oportunidades – e quebrar recordes; Sancho se tornou o primeiro jogador nascido na Inglaterra a atuar pelo clube aurinegro. Em seu primeiro ano, fez 12 partidas e marcou apenas um gol, mas já chamou muita atenção com seu talento completamente escancarado.

Na temporada 2018/2019, o garoto já se confirmava como titular da equipe e foi eleito o Jogador do Mês da Bundesliga em outubro, quando se tornou o primeiro atleta nascido nesse milênio a marcar duas vezes na mesma partida no Campeonato Alemão.

Sancho também quebrou o recorde de Lukas Podolski como o mais jovem a marcar nove gols na mesma temporada da Bundesliga, aos 18 anos e 336 dias. Os impressionantes 12 gols e 14 assistências garantiram ao inglês um lugar na seleção do campeonato.

Leia mais: Brandon Williams: o despertar de um lateral-esquerdo no Manchester United?

A atual temporada serviu – no passado, pois já foi finalizada para o Borussia Dortmund – como uma afirmação para Sancho entre os jogadores mais promissores do futebol mundial.

Na abertura do calendário alemão, ele marcou uma vez e deu uma assistência na vitória por 2 a 0 na Supercopa contra o Bayern de Munique. Já em novembro, pela Champions League, seu time saiu derrotado por 3 a 1 do Camp Nou, mas o gol dos aurinegros foi marcado em um belo chute de seu camisa 7.

Se o gol marcado em Barcelona não impressionou os catalães, talvez impressione uma marca individual. Sancho superou até mesmo Lionel Messi e se tornou o primeiro jogador a chegar aos dois dígitos de gols e assistências nesta temporada.

Aliás, a joia do futebol inglês se juntou ao gênio argentino e outros três craques (Cristiano Ronaldo, Luis Suárez e Eden Hazard) no seletíssimo grupo de jogadores que alcançaram 15 gols e assistências em uma mesma temporada entre as cinco principais ligas do Velho Continente. No total, Jadon Sancho somou incríveis 20 gols e 19 assistências em 44 partidas.

O próximo passo na carreira

Parece inevitável que Sancho deixe o Borussia Dortmund em um futuro próximo, com seu futebol despertando interesse de vários gigantes do futebol mundial. Mesmo com seu nome especulado nos dois gigantes espanhóis, o retorno à Premier League parece ser a alternativa mais concreta atualmente.

Ao contrário de quando deixou o Manchester City, hoje o meia-atacante poderia, praticamente, escolher onde atuar. O atual campeão inglês, Liverpool, e os próprios Citizens soam como os destinos onde Sancho teria menor garantia de titularidade. Enquanto isso, Chelsea e Manchester United surgem como alternativas onde o craque chegaria com um status maior, mesmo com os dois elencos possuindo nomes de peso.

A versatilidade desenvolvida no Borussia Dortmund confere ao jogador várias possibilidades dentro de campo. Afinal, ele pode atuar em qualquer posição entre os meias e atacantes. Sua enorme qualidade no drible, além de uma tomada de decisão criteriosa e uma finalização acima da média para as funções que costuma desempenhar, garantem a qualquer clube que contar com seus serviços um grande salto de qualidade.

Leia mais: Todd Cantwell, joia do Norwich vem fazendo temporada de gente grande

Na seleção inglesa, Sancho é o expoente de uma das gerações mais promissoras do país inventor do jogo. Ao lado de seus antigos adversários na base, o garoto é a grande esperança da Inglaterra para o sucesso, seja em curto ou longo prazo.

Contar com nomes como Harry Kane, Raheem Sterling e Jordan Henderson é, certamente, algo a ser considerado no desenvolvimento de tantos jovens talentosos que vêm surgindo no futebol inglês.

Enquanto o futuro de Jadon Sancho permanece uma incógnita, resta esperar saber onde acompanhar o garoto que aperfeiçoou seu ‘‘estilo brasileiro de jogo’’ desenvolvido nas ruas. Assim como o torcedor inglês tanto cantou na Copa do Mundo de 2018, o fã da Premier League está falando sobre Sancho: It’s coming home (Está voltando para casa)!

Por Gabriel Guimarães