Inter de Milão x Empoli – Melhores momentos e resultado

3 minutos de leitura

Por vezes, o futebol da Terra da Bota guarda algumas surpresas para os amantes do esporte. O triunfo do Empoli desta segunda-feira foi uma delas. O time toscano visitou a gigante Inter de Milão no Giuseppe Meazza e, frente a um mar nerazzurri, derrotou com valentia o oponente, este que só havia vencido em três oportunidades em toda a História. Certamente, a vitória de 1 x 0 não sairá da cabeça dos torcedores Gli Azzurris tão cedo.

Melhores Momentos – Inter de Milão x Empoli

1º Tempo – Expulsão do capitão e Inter monótona

De certo, o que se espera da partida seguinte de um time que bateu um rival como o Milan em uma final é que o clube jogue bem e com a cabeça erguida. Contudo, para a frustração de um Giuseppe Meazza cheio até a borda, o Empoli foi quem demonsrou mais garra nos minutos iniciais. Logo aos 11′, De Winter fez um lançamento longo preciso para os pés de Cambiaghi. Este dominou, e já apertado pela marcação, finalizou forte para a defesa de Onana. Era o cartão de visitas Gli Azzurri.

Cinco minutos depois, Caputo recebeu boa bola no meio da defesa da Inter e chutou com desvio, bola passou com perigo à direita do gol nerazzurri. Então, aos 19′, apareceu para o jogo um nome que se tornou um dos destaques da partida: o do goleiro Vicario. O time da casa tabelou bem e virou o jogo da direita para esquerda para achar Dimarco, livre de marcação. O italiano pegou na cara da bola e obrigou o arqueiro do clube toscano a fazer belíssima defesa a queima roupa.

Lautaro, grande destaque da Inter na temporada, estava bem marcado e só foi ter uma chance mais clara aos 31′, quando recebeu cruzamento de Dimarco e resvalou a bola, que foi sobre o gol de Vicario.

Posteriormente, aos 39′, aconteceu um dos lances capitais do jogo. O capitão nerazzurri, Skriniar, já tinha cartão amarelo e, mesmo assim, chegou com o pé alto em uma disputa no meio-campo, acertando a cabeça de Caputo. O juiz não pestanejou e lhe mostrou o 2º cartão no jogo e, então, o 3º. A Inter estava com um a menos.

2º tempo: jovem herói e festa Gli Azzurri

Apesar de estarem iguais em números de finalização àquela altura, o Empoli foi mais perigoso e finalizou no gol quatro vezes, contra apenas uma da Inter, no 1º tempo. Assim, decidido a mudar o panorama do duelo, o clube da casa partiu para cima do visitante.

Porém, o Empoli foi efetivo nos contra-ataques, e essa arma apareceu pela 1ª vez em chute perigoso de Bajrami, aos 57′. Para a sorte da torcida local, Onana foi bem e espalmou para longe o chute do albanês e ainda agarrou firme na sequência, em tentativa de Henderson de fora da área.

Aos 64′ brilhou a estrela do técnico Paolo Zanetti ao tirar Cambiaghi do jogo e por em seu lugar Baldanzi, jovem sensação de 19 anos do time do Empoli. A mudança se mostrou acertada após a promessa, em mais um contra-ataque Gli Azzurri, receber livre no meio da grande área nerazzurri e finalizar forte, em chute que passou por baixo de Onana e morreu no fundo da rede. O goleiro lamentou após o gol, pois sabia que poderia ter feito melhor no lance. Por outro lado, a comemoração efusiva do jovem e dos companheiros de time exacerbaram a importância do gol marcado.

Após o desempate, a Inter pressionou o Empoli, mas esbarrou novamente em sua falta de criatividade. Um excesso de bolas foram cruzadas na área do clube visitante e, para o azar Nerazzurri, Vicario, Luperto e De Winter estavam absolutos na defesa toscana. Dzeko conseguiu algumas oportunidades, até mandou bola no travessão após cobrança de escanteio, mas ficou nisso.

Após o apito final, os jogadores do Empoli comemoravam como quem celebrava um título, em uma bonita festa do clube que mostrou muita força coletiva.

Inter de Milão x Empoli – O que acontece agora

Após este resultado não esperado, a Inter de Milão vai até Cremona para enfrentar o atual lanterna da Serie A TIM, o Cremonese. Por outro lado, o Empoli recebe em seus domínios o Torino, em mais um duelo contra times do norte da Itália.

 

 

João Victor Santos
João Victor Santos

Sou João, brasileiro, um jovem sonhador de 24 anos e amante de futebol desde que me lembro. Tudo que eu sofro com o São Paulo, o Liverpool me recompensa (quase tudo).