O momento de instabilidade do Southampton na Premier League

Saints passaram por bons e maus momentos na temporada

0
326
southampton premier
Andrew Couldridge Imago

Depois de um início de temporada animador, o Southampton passa por um momento conturbado na Premier League. Além da queda coletiva e dos resultados negativos, os Saints têm sofrido com lesões e com o desempenho ruim dos seus principais jogadores.

Ralph Hasenhüttl terá um caminho difícil para recuperar a confiança do time e engatar uma boa sequência na temporada. O Southampton está a sete pontos da zona do rebaixamento. A equipe somou apenas quatro nos últimos 11 jogos.

O bom começo de temporada do Southampton

A temporada 2020/2021 começou animadora. Nos primeiros dez jogos da atual edição, os Saints mostraram um bom rendimento em campo e colecionaram bons resultados. Inclusive, a equipe teve uma ótima sequência de sete jogos de invencibilidade (cinco vitórias e dois empates).

Neste período, o time de Ralph Hasenhüttl somou 17 pontos e teve um aproveitamento de 56%. Além disso, foram 19 gols marcados e 15 gols sofridos.

O time não vivia apenas uma boa fase coletiva. Os seus principais nomes individuais também estavam correspondendo. James Ward-Prowse, Che Adams e Danny Ings foram fundamentais para o bom início do Southampton.

O impacto de Ings, Adams e Ward-Prowse no início de temporada 

Danny Ings teve a maior influência do trio. Em sete dos dez jogos (perdeu três deles por conta de uma lesão no joelho), o camisa 9 marcou cinco gols e deu duas assistências. Ou seja, participou diretamente de um gol por jogo.

Che Adams também foi outro nome de destaque. Depois de fazer um 2019/2020 abaixo das expectativas, o inglês iniciou a atual temporada com bons números. Participou de seis gols em dez jogos (três gols e três assistências) e ajudou os Saints a chegar às primeiras posições da Premier League.

O impacto dos três jogadores foi fundamental para o bom momento na competição. Ward-Prowse, Che Adams e Danny Ings participaram de todos os gols (gols mais assistências) do Southampton nas dez rodadas iniciais do time no Campeonato Inglês.

A grande queda do Southampton na Premier League

Southampton Imago Glyn Kirk

Equipes com elencos menores sofrem com a falta de regularidade na Premier League. E em uma liga tão competitiva e com grande poder aquisitivo, os grandes times acabam se sobressaindo por terem planteis profundos e com mais recursos táticos e técnicos.

Leia mais: Os melhores jogos de Sergio Agüero pelo Manchester City

Depois de um começo competitivo e com regularidade, o Southampton enfrenta um momento delicado na Premier League. Lesões dos seus principais jogadores e a queda de desempenho coletivo e individual foram determinantes para o atual período dos Saints na competição.

Todos esses problemas atrapalharam a continuidade do bom trabalho de Ralph Hasenhüttl. Evidentemente a equipe não é a mesma do início de temporada. O Southampton é cada vez mais vulnerável defensivamente – o time tem a segunda pior defesa da Premier League com 51 gols sofridos e ainda apresenta dificuldades em fase ofensiva.

Após a sequência positiva o Southampton fez 19 jogos na competição. E os números mostram como a situação do time é preocupante. Foram quatro vitórias, quatro empates e 11 derrotas. A equipe venceu apenas dois dos últimos 17 jogos.  

Leia mais: O impacto positivo de Rúben Dias na defesa do Manchester City

E o aproveitamento que era de 56% caiu drasticamente. Neste período de 19 partidas os Saints conquistaram apenas 28% dos pontos. Além disso, o time marcou 17 gols – uma média de 0,8 por partida e sofreu 35 (1.8 gols por jogo).

Os principais nomes do time também foram atingidos pelo momento ruim do time. Além de conviver com algumas lesões, Danny Ings fez apenas três gols nessa sequência negativa do Southampton. O atacante inglês tem apenas dois tentos em 2021.

Che Adams também vive um momento de muita irregularidade. O jovem atacante tem cinco participações diretas (quatro gols e uma assistência) em 19 rodadas de Premier League. Uma queda considerável em relação ao início de campanha.

Ralph Hasenhüttl terá uma tarefa complicada pela frente. O time está cada vez mais próximo dos últimos colocados e não dá indícios de uma evolução. Danny Ings, Che Adams e James Ward-Prowse também serão cruciais para o time voltar aos bons momentos.