Inglaterra x Argentina: como Beckham virou o vilão inglês da Copa de 1998

Meia inglês foi culpado pela eliminação inglesa no Mundial da França

0
709
Inglaterra Argentina 1998
GERARD CERLES/AFP via Getty Images

Inglaterra e Argentina já se enfrentaram ao longo da história por diversas vezes, mas alguns confrontos são mais especiais que outros, como foi na Copa do Mundo de 1998.

A França foi palco para um dos mais emocionantes entre as duas seleções. Válida pelas oitavas-de-final, a partida Inglaterra x Argentina foi uma das mais acirradas daquele mundial.

David Beckham virou vilão no duelo Inglaterra x Argentina na Copa de 1998

Os argentinos se classificaram nos pênaltis, mas a partida foi marcada por um outro fato: a expulsão de David Beckham. O cartão vermelho, provavelmente o mais famoso da carreira do camisa 7, marcou o meia por anos e foi o momento que “o transformou de menino para homem”, segundo ele mesmo afirmaria, tempos depois. Para entender como uma expulsão foi tão marcante, é necessário saber do contexto tinha aquele jogo.

O contexto da época

O treinador da Inglaterra na Copa de 1998 era Glen Hoddle. Ele assumira em 1996, depois de Terry Venables ser demitido após ótima campanha na Eurocopa daquele mesmo ano. A Inglaterra foi eliminada nas semifinais e nos pênaltis e o torneio foi disputado na Terra da Rainha.

Aliás, aquele time de 1996 trouxe de volta a animação dos ingleses de acompanhar a seleção nacional, depois da decepção em não participar do Mundial anterior. Cabia ao novo comandante a seguir o bom momento e levar novamente os ingleses ao maior torneio da Terra.

Os Three Lions fizeram sua primeira partida na Copa contra a Tunísia. Vitória sem sustos, por 2 a 0. A grande surpresa foi que David Beckham ficou no banco. Hoddle afirmou que “faltava foco” para o meia, por isso foi preterido da escalação titular. O meia sequer entrou durante a partida. Dias depois, Becks foi escalado para falar com a imprensa após treinamento. A relação com o treinador não era das melhores.

Leia mais Como Lampard resolveria o problema da sua parceria com Gerrard na seleção

Stu Forster /Allsport

A segunda partida foi contra a Romênia. O jogo foi duro e o treinador só colocou o camisa 7 em função da lesão de outro meia, Paul Ince. Becks entrou aos 33 minutos de jogo, fazendo a função de meia-central, não ocupando o tradicional lado direito que lhe era mais confortável. O jogo marcou uma derrota amarga por 2 a 1, com gol do romeno Dan Petrescu, aos 45 do segundo tempo.

A última rodada colocou a Colômbia no caminho inglês. A partida, de caráter decisivo, foi a primeira que Beckham foi titular no torneio e o inglês deixou sua marca: aos 29 minutos, de falta, marcou o 2 a 0.

Darren Anderton tinha marcado o primeiro, aos 20 minutos. O jogo transcorreu sem mais sustos e Becks se colocou entre os titulares após uma bela atuação. O próximo adversário da Inglaterra naquela campanha de 1998, eliminatório, era a Argentina.

A batalha em Saint-Etienne

Ben Radford /Allsport

A Argentina foi líder do seu grupo e não tinha tomado gols. O começo de jogo se mostrou complicado para os ingleses quando David Seaman derrubou Diego Simeone na área, aos cinco minutos da etapa inicial. Gabriel Batistuta bateu bem o suficiente para marcar o gol e colocar os hermanos a frente no placar.

Michael Owen, atacante promissor de 18 anos, já tinha criado uma chance no jogo. Aos oito minutos, foi derrubado na área por Roberto Ayala. Pênalti para os ingleses que o capitão Alan Shearer converteu e empatou o jogo.

Poucos minutos depois, Owen seria novamente personagem, marcando possivelmente seu gol mais bonito pela seleção. Beckham lançou a bola para o atacante que, no domínio se livrou José Chamot, avançou contra a área adversária, driblou Ayala e, com toda a calma do mundo, chutou cruzado, batendo o goleiro Carlos Roa, fazendo 2 a 1 para os Three Lions.

O jogo seguiu aberto, com boas chances e num ritmo intenso. No final do primeiro tempo, falta para a Argentina na entrada da área. Em jogada ensaiada, Juan Sebastian Verón achou Javier Zanetti livre na área, que finalizou com perfeição para deixar o placar 2 a 2. O fim de um primeiro tempo alucinante acabou empatado e o jogo ainda estava muito aberto.

A jogada capital daquele veio no começo do segundo tempo. Beckham e Simeone foram para uma dividida no meio-campo e o argentino, por trás, fez a falta no inglês. Nada desleal, diga-se, mas uma falta dura.

Após o contato, o juiz apitou a falta e os dois jogadores se enrolaram. Após Simeone falar algo próximo a Beckham, o camisa 7 estica a perna direita e derruba o argentino, que já estava em pé.

Leia mais: Por que Inglaterra x Argentina em 1986 é um dos maiores jogos da história?

O juiz dinamarquês Kim Milton Nielsen viu o lance de perto. A decisão, após a tradicional confusão que sucede lances como esse, foi pelo cartão amarelo para Simeone e o vermelho para Beckham. No ato, sem discussões, estava encerrada a participação de Becks no jogo.

GERARD CERLES/AFP via Getty Images

Para muitos, inclusive este que vos escreve, a expulsão foi exagerada. Outras entradas, naquela mesma Copa, foram punidas com menor rigor. A decisão de Nielsen, até hoje, é tida como controversa para boa parte da crônica esportiva inglesa.

O jogo seguiu e a Argentina buscou o gol, tendo um a mais em campo, sem sucesso. A defesa inglesa, principalmente o zagueiro Tony Adams e o meio-campista Paul Ince, jogava ali a partida de suas vidas.

Defendiam a meta inglesa com perfeição e assim foi durante toda a segunda etapa. Sol Campbell ainda teve um gol corretamente anulado, ao final do segundo tempo. A partida iria para a prorrogação.

Os trinta minutos da prorrogação carregavam o peso do regulamento ainda contar com o Gol de Ouro. Uma finalização perfeita e estava decretado o fim da partida. O nervosismo tomou conta, apesar de chances perdidas, a partida se encaminhou para os pênaltis.

Nas cobranças, apenas Crespo errou para a Argentina enquanto Ince e Batty perderam para a Inglaterra. Os hermanos se classificaram para as quartas-de-final, com a disputa terminando em 4 a 3.

O peso da expulsão

Inglaterra-Argentina-1998-Copa
Alexander Hassenstein/Bongarts/Getty Images

David Beckham, na época da Copa do Mundo, tinha 23 anos. Era uma estrela em ascensão no seu país, jogando no Manchester United e já era bicampeão inglês (1995/1996 e 1996/1997), além de faturar também o Melhor Jovem do Ano eleito pela Associação de Jogadores Profissionais da Inglaterra, em 1997. Tido como uma grande esperança inglesa, a expulsão naquele Inglaterra x Argentina pela Copa do Mundo de 1998 pesou na sua carreira.

No dia seguinte, a manchete estampada no Daily Mirror se tornou icônica. “Ten Heroic Lions, One Stupid Boy” (em tradução livre, Dez Leões Heroicos, Um Garoto Estúpido“). Uma entrevista de Hoddle pouco após a Copa, falando que certamente a expulsão de Beckham custou o jogo aos ingleses, também não ajudou o camisa 7. O jogador foi transformado no grande bode expiatório de uma seleção que despertava grandes esperanças nos torcedores.

O meia inglês era vaiado nos estádios quando jogava, fosse pelo United ou pela seleção. Ficou marcado como o grande vilão de Copa de 1998 para a Inglaterra. “Nós odiamos Beckham”, cantavam alguns torcedores durante as partidas. O meia chegou a sofrer até ameaças de morte.

Leia mais A frustração de Alex Ferguson com David Beckham

A crítica se misturava com as ações de Beckham fora do campo. Ele já carregava o status de celebridade midiática, noivo da Spice Girl Victoria Adams e presença certa em festas e premiações ao redor do mundo. Esse estilo de vida duramente criticado pela mídia inglesa, foi mais um motivo para a sua vilanização.

Em várias entrevistas, Beckham definiu aquela noite em Saint-Etienne como fundamental para sua carreira. Foi o ponto de partida para o amadurecimento como atleta e como pessoa. Vários jogadores daquela seleção inglesa e, principalmente, seus colegas de Manchester United, o abraçaram naquele momento, sabendo da qualidade do jogador.

O ano seguinte, no entanto, marcou um dos melhores da carreira profissional. Foi em 1999 que os Red Devils conquistaram o treble (a tríplice coroa). O papel de Beckham naquele time, dentro e fora de campo, foi exaltado. Porém, as pazes com a torcida inglesa só seriam feitas em 2001, num outro momento que marcou para sempre a carreira do jogador.

Ficha técnica Argentina 2 (4) x 2 (3) Inglaterra em 1998

Fase: Oitavas de final da Copa do Mundo
Data: 30/06/1998
Local: Stade Geoffroy-Guichard (Saint-Étienne) / Público: 30.600.

Inglatera: Seaman; Campbell, Adams, Gary Neville; Anderton (Barty), Scholes (Merson), Ince, Le Saux (Southgate), Beckham; Owen, Shearer. Técnico: Glen Hoddle.

Argentina: Roa; Chamot, Ayala, Vivas; Almeyda, Simeone (Berti), Zanetti, Verón, Ortega; Batistuta (Crespo), López (Gallardo). Técnico: Daniel Passarella.

Gols: Batistuta 6′ e Zanetti 46′ (ARG) / Shearer 10′ e Owen 16′ (ING)

Não há posts para exibir