Mais um! Além da Inglaterra, técnica é cobiçada para comandar outra seleção europeia masculina

5 minutos de leitura

A Inglaterra fez uma campanha histórica na Copa do Mundo feminina de 2023. Mesmo deixando o título escapar contra a Espanha, que venceu por 1 a 0 neste domingo (20), esta foi a primeira vez que as Lionesses chegaram à final do torneio – até então, o máximo alcançado pela seleção foi a semifinal, em 2015 e 2019.

Uma das grandes responsáveis por esse feito foi Sarina Wiegman. Esta foi a quarta final de um torneio internacional alcançada pela treinadora de 53 anos, sendo que em duas delas o título foi levantado pela seleção na qual estava à frente. Além disso, em 2022, a Inglaterra conquistou a primeira Eurocopa de sua história – entre homens e mulheres – sob comando da holandesa.

O bom desempenho de Sarina tem aberto os olhos das federações, que buscam contratá-la para comandar as seleções masculinas de seus países.

Técnica é cobiçada para comandar seleção europeia masculina

Na última semana, Mark Bullingham, presidente executivo da Associação de Futebol da Inglaterra (FA) revelou que Sarina Wiegman poderia dirigir a seleção masculina da Inglaterra quando Southgate saísse. Agora, a técnica está sendo cobiçada por outra seleção europeia. De acordo com o jornal inglês “The Telegraph”, Sarina está entre os candidatos a assumir o comando da seleção masculina da Holanda quando o cargo estiver disponível.

Hoje, a Laranja Mecânica é liderada por Ronald Koeman, que já passou por diversos clubes do país, da Premier League e já esteve à frente da seleção entre 2018 e 2020. Apesar de ter chegado no início de 2023, o técnico já está sofrendo pressão devido a uma série de resultados ruins.

Além das equipes masculinas da Holanda e da Inglaterra, Sarina foi cotada para ser a sucessora de Vlatko Andonovski, que acabou de pedir demissão da seleção americana feminina após a eliminação na Copa.

Mesmo com as especulações sobre o próximo destino de Sarina, a técnica das Lionesses já disse que quer permanecer no cargo – e essa é a vontade da FA também. Bullingham disse que a entidade “rejeitaria qualquer abordagem” e esperam que ela “permaneça no comando por muito tempo agora que insistiu que vai ficar”, segundo o “The Telegraph”.

O atual contrato da treinadora dura até 2025. Porém, segundo o jornal inglês, uma proposta para voltar para a Holanda, agora para dirigir o time dos homens, pode ser ainda mais atraente para a conterrânea.

sarina wiegman holanda 2017
Holanda venceu a Eurocopa feminina em 2017 com Sarina no comando (Foto: Iconsport)

A carreira vitoriosa de Sarina Wiegman

Sarina tem um aproveitamento impressionante tanto na Holanda como na Inglaterra. Pelas Leoas Laranjas, foram 52 vitórias, nove derrotas e 11 empates, totalizando 72% de aproveitamento. Já com as Lionesses, são 30 vitórias, sete empates e apenas duas derrotas – a final da Copa contra Espanha e um amistoso contra a Austrália.

Em Copas do Mundo, ela possui apenas duas derrotas em sua carreira. Além disso, já trabalhou como assistente no time masculino do Sparta Rotterdam, em 2016, sendo a primeira mulher a exercer essa função no clube.

Veja os números da carreira de Sarina Wiegman pelas seleções:

  • 2x vice-campeã da Copa do Mundo feminina – Holanda (2019) e Inglaterra (2023)
  • 2x campeã da Eurocopa – Holanda (2017) e Inglaterra (2022)
  • Campeã da Finalíssima feminina – 2023
  • 3x melhor treinadora no futebol feminino (Fifa) – 2017, 2020 e 2022
Maria Tereza Santos
Maria Tereza Santos

Jornalista pela PUC-SP. Na PL Brasil, escrevo sobre futebol inglês masculino E feminino, filmes, saúde e outras aleatoriedades. Também gravo vídeos pras redes e escolhi o lado azul de Merseyside. Antes, fui editora na ESPN e repórter na Veja Saúde, Folha de S.Paulo e Superesportes.