Mais “madura”‘, nova geração da Inglaterra sub-21 promete

Promessas inglesas empolgam em seus respectivos clubes

0
405
Mais “madura”‘, nova geração da Inglaterra sub-21 promete
IAN KINGTON/AFP via Getty Images

A Inglaterra sub-21 iniciou um novo ciclo ao vencer a Turquia por 3 a 2, em partida válida pela etapa de classificação para a Euro da categoria, que será disputada em 2021.

Na partida seguinte que aconteceu na última segunda-feira, os Three Lions bateram o Kosovo pelo placar de 2 a 0 e, no momento, ocupam a terceira colocação do grupo 3, com a mesma quantidade de pontos (6) da líder Áustria, tendo um jogo a menos.

Mais do que as vitórias, os jogos representaram a chegada de uma nova safra de jogadores, que tendem a se tornar familiares nas próximas convocações.

5 promessas da seleção inglesa que prometem explodir

Ao todo, foram 16 novos jogadores integrados ao grupo de 23: a maioria teve a sua primeira convocação para a categoria. O número alto é explicado pela quantidade de jogadores que ultrapassaram a idade permitida (casos de Henderson, Kenny e Gray) e outros obtiveram sua primeira convocação sênior. James Maddison e Mason Mount fizeram o salto esperado e agora jogam pela seleção principal.

Com tantos jogadores que saíram e muitos outros que chegaram, seria perfeitamente compreensível a queda de qualidade, mas a princípio isso não tende a acontecer. A Inglaterra sub-21 está ficando cada vez mais “madura”. Os jovens atletas têm recebido cada vez mais oportunidades na Premier League.

Dos 11 jogadores iniciaram a última partida contra o Kosovo, sete já receberam minutos na PL desta temporada.  Destes sete, três iniciaram todas as partidas em seus respectivos clubes até então (Ramsdale, Godfrey e Aarons).

O Norwich City, recém-promovido, é o time que mais tem apostado em seus jovens talentos na Premier League. Além dos defensores já citados, Cantwell – que entrou no segundo tempo da partida – é outro titular no time de Daniel Farke.

Alguns outros jogadores estão sendo utilizados de forma ocasional em seus clubes. São os casos de Gibbs-White e Reiss Nelson.

Este fato evidencia de uma vez por todas o que já havia sido constatado: os jovens da Inglaterra tem encontrado cada vez mais uma oportunidade para desenvolver-se. Embora este processo ainda seja lento se compararmos com outros países, a evolução é perceptível e animadora.

Leia mais: Por que Inglaterra x Argentina em 86 é um dos maiores jogos da história?

A chegada de um novo grupo fez com que o técnico Aidy Boothroyd mexesse na plataforma inicial da seleção. Ele decidiu abandonar, pelo menos por enquanto, o tradicional 4-2-3-1 e aplicar um esquema com três zagueiros, conhecendo a qualidade de seus laterais na fase ofensiva. Contra a Turquia, o esquema foi o 5-3-2 e contra o Kosovo ele utilizou o 3-5-2.

Na defesa, Ramsdale será preferencialmente o titular. Em questão hierárquica e técnica, isso é incontestável. O jovem goleiro do Bournemouth tem feito partidas interessantes pela Premier League e provavelmente receberá o apoio de Ben Godfrey para comandar lá atrás: outro jogador que tem se destacado em seu clube.

Nestes dois jogos, ficou claro sobre quem será a referência técnica da equipe. Phil Foden já pode ser considerado “experiente” no grupo e deve ser o jogador que terá maior poder de decisão em campo. Gibbs-White também pode acompanhá-lo neste ciclo.

Na frente, Reiss Nelson – coadjuvante no antigo ciclo – agora tem preferência no ataque. O jovem ponta que ganhou experiência na temporada passada pelo Hoffenheim foi integrado ao elenco do Arsenal e na seleção tem desempenhado o papel de segundo atacante.

No entanto quem roubou a cena nos últimos jogos foi Edward Nketiah. O atacante, que também é do Arsenal (atualmente emprestado ao Leeds), foi muito bem marcando dois gols contra a Turquia. Em tese, ele sai na frente de nomes como Ryan Brewster e Mason Greenwood.

Foram apenas dois jogos mas o início deste novo processo da Inglaterra sub-21 é muito interessante. A tendência é que esses jogadores continuem se desenvolvendo e quando totalmente seguros de seu potencial, recebam oportunidades na seleção principal.

Gareth Southgate já mostrou que não tem medo de lançar os jovens e isso é algo que com certeza deve dar mais motivação a todos.