Como Ian Wright superou dramas familiares para se tornar ídolo do Arsenal

Confira detalhes de altos e baixos da vida de um dos maiores jogadores do Arsenal

Como Ian Wright superou dramas familiares para se tornar ídolo do Arsenal
(Foto: Shaun Botterill/Allsport)

Com 185 gols, o ex-atacante inglês Ian Wright é o segundo maior artilheiro da história do Arsenal, atrás apenas de Thierry Henry com 228. Antes de fazer história pelos Gunners, Wright passou por momentos difíceis em sua vida, mas acabou superando esses percalços.

A PL Brasil vai contar a história de um dos maiores ídolos da história do Arsenal e mostrar como Ian Wright deu a volta por cima, para se tornar um dos jogadores ingleses mais icônicos e carismáticos de todos os tempos.

Leia mais: Os 10 maiores ídolos da história do Arsenal

Amor pelo futebol fez Ian Wright ter problemas 

Nascido em Londres no ano de 1963, Ian Wright é filho de jamaicanos que se mudaram para a Inglaterra em busca de uma vida melhor. Ele era o filho mais novo de três que nasceram do mesmo casamento.

Tudo parecia bem, mas isso mudou quando Wright tinha 18 meses. Seu pai acabou abandonando sua família e ele foi criado pela sua mãe e, mais tarde, também pelo seu padrasto. Mas a relação entre eles não era boa.

De acordo com o ex-atacante, seu padrasto era uma pessoa muito ruim. Além de ser rude com ele, os irmãos e sua mãe, ele também usava drogas, voltava tarde para casa, apostava seu salário constantemente e não era fiel ao relacionamento com a mãe de Wright.

Antes disso, Ian dizia ser uma criança extrovertida e confiante. No entanto, isso irritava o seu padrasto, que usou o amor de Wright pelo futebol para praticar abusos.

Leia mais: Thomas Partey é a solução do meio-campo do Arsenal?

Existe na Inglaterra um programa muito tradicional chamado “Match of the Day” do canal BBC. Nele, eles apresentam os melhores momentos das partidas no país, com a presença de comentaristas que tecem suas opiniões sobre os respectivos jogos.

Ian Wright sempre foi fã desse programa, mas seu padrasto não deixava ele assistir. Na hora do programa, ele se virava para a parede por ordens do padrasto. Além disso, Wright apenas escutava os comentários, o que de acordo com ele era extremamente cruel.

Por conta disso, ele afirmou que passou a sua adolescência toda com raiva de tudo e de todos. Ele encontrou paz em seus tempos de escola, e seu professor, Sydney Pidgen, uma pessoa fundamental na vida de Ian. O ex-atacante afirma que seu professor foi o primeiro homem de sua vida que o tratou com amor e carinho.

Wright inicia sua trajetória no futebol com problemas

Com 14 anos, Wright decidiu se tornar jogador de futebol, mas acabou rejeitado em testes realizados no Southend United e no Brighton & Hove Albion. Com isso, ele trabalhou como pedreiro até os 16 anos, enquanto não conseguia ganhar a vida no esporte.

Poucos anos depois, o jovem atleta acabou preso. De acordo com ele, a polícia o prendeu por não pagar impostos e o seguro do seu carro. Portanto, ele teve que ficar 12 dias na prisão de Chelmsford. Foi no convívio com pessoas perigosas que Wright percebeu: sua vida tinha que mudar.

Sua primeira oportunidade no futebol foi no Ten-En-Bee, um clube amador da cidade de Bromley, que fica ao sul de Londres. Suas boas atuações chamaram a atenção de um clube semi-profissional, o Greenwich Borough, onde Wright começou a ganhar 30 libras por semana.

(Foto: Russell Cheyne/Allsport)

Depois de sete jogos pelo clube, o atacante assinou pelo Crystal Palace com 22 anos. Em sua primeira temporada, ele já foi uma das grandes sensações da equipe com nove gols em 32 jogos na 2ª divisão inglesa. Sua primeira temporada na primeira divisão pelos Eagles foi em 1990/1991, quando marcou 15 gols em 38 partidas.

Em 1991/1992, Ian marcou cinco gols nas primeiras oito rodadas do campeonato e chamou a atenção do Arsenal, que contratou o jogador após pagar 2,5 milhões de libras ao Palace. Era o recorde de transferência do clube na época.

Ian Wright, uma verdadeira lenda do Arsenal

Após ser contratado pelos Gunners, Wright não tomou conhecimento de seus adversários. Em sua primeira temporada foram 24 gols em 30 partidas realizadas. Além disso, ele conseguiu o feito de ser o artilheiro do clube durante seis temporadas seguidas.

Wright foi parte vital do grande sucesso do Arsenal nos anos 1990. Antes da chegada de Arsène Wenger ao clube, o atacante já havia conquistado uma Copa da Inglaterra, uma Copa da Liga Inglesa e a Taça das Cidades com Feiras, precursora da atual Liga Europa.

No entanto, com o técnico francês, Wright realizou duas temporadas de sucesso em Highbury, quando a equipe conquistou a famosa dobradinha da Premier League e Copa da Inglaterra na temporada de 1997/1998. Ele contribuiu marcando 10 gols em 24 jogos na conquista do título inglês.

Com estes gols, o ex-atacante superou Cliff Bastin e se tornou o 2º maior artilheiro da história do Arsenal com 185. Mas ele está atrás de Thierry Henry, que anos depois chegou aos 228 gols. Cliff ficou um pouco para trás na terceira posição com 178 tentos marcados.

(Foto: Shaun Botterill/Getty Images)

Wright deixou o Arsenal em 1998 para assinar com o West Ham e teve alguns empréstimos para clubes como Nottingham Forest, Celtic e Burnley, onde encerrou a carreira na temporada 1999/2000.

Nos dias atuais, Ian Wright é comentarista no canal britânico BBC, onde em diversas ocasiões participa do programa Match of the Day, um de seus programas favoritos na sua difícil infância. No entanto, ele nunca escondeu sua paixão pelo Arsenal nos programas e nas redes sociais.

  • Acompanhe a PL Brasil no YouTube!