Gyokeres tem números monstruosos, mas como se encaixaria nos gigantes da Premier League?

10 minutos de leitura

Viktor Gyokeres estava na Inglaterra há pouco tempo, quando foi o destaque do Coventry na Championship da temporada passada. Hoje, o artilheiro do Sporting é um dos grandes alvos da Premier League.

Em um cenário com cada vez mais camisas 9 nórdicos e Bálcãs de destaque, como Haaland e Vlahovic, Gyokeres é mais um que chama atenção. Com 50 participações em gols em 45 jogos na temporada, não demorou para Arsenal, Chelsea e outros gigantes abrirem os olhos.

Mas, afinal, como joga o astro sueco? E como ele se encaixaria nos gigantes da Premier League? A PL Brasil responde com uma análise completa.

Jogador espelho: Erling Haaland

Gyokeres se encaixa em um perfil semelhante ao do camisa 9 do Manchester City. Porte físico semelhante em termos de altura, força e velocidade. Potência no chute, bons desmarques e apenas dois anos mais velho.

Mesmo que haja semelhanças, alguns pontos cruciais o diferenciam do restante do grupo de atacantes em que está inserido. Muitos deles, incluindo Haaland, são taxados como “apenas” finalizadores — ótimos nesse quesito, mas quase que somente isso.

Gyokeres premier league encaixe
Viktor Gyokeres pelo Sporting (Foto: Icon Sport)

Em um cenário em que o artilheiro da Premier League é colocado como “jogador de quarta divisão”, o centroavante do Sporting tem muito mais recursos. Seja na condução, seja no jogo de costas, no papel, Gyokeres é muito completo para a posição.

Estatisticamente, também é um monstro. Em um recorte dos últimos 365 dias, segundo dados da plataforma “Opta”, ele teve mais corridas progressivas, dribles bem-sucedidos e passes progressivos recebidos do que 99% dos atacantes do futebol mundial.

Estatísticas de Gyokeres por jogo

  • Gols sem pênaltis: 0,76 (entre os 3% melhores)
  • Gols esperados (xG) sem pênaltis: 0,6 (entre os 5% melhores)
  • Assistências: 0,33 (entre os 3% melhores)
  • Ações de criação de chutes: 4,08 (entre os 4% melhores)
  • Corridas progressivas: 3,72 (entre os 1% melhores)
  • Dribles bem-sucedidos: 2,24 (entre os 1% melhores)
  • Passes progressivos recebidos: 11,1 (entre os 1% melhores)

Em termos numéricos, Gyokeres está entre os melhores atacantes do mundo em diversos aspectos do jogo. Mas a comparação com Haaland é ainda mais interessante. Mesmo levando em conta o estilo de jogo de Pep Guardiola, mais pausado e com menos ação do centroavante, o sueco é muito superior em diversas áreas.

Haaland manchester City comparado a gyokeres
Haaland comemorando gol pelo Manchester City (Foto: Icon Sport)

Gyokeres x Haaland: temporada 2023/24

  • Jogos: 40 – 41
  • Gols: 32 – 36
  • Assistências: 12 – 6
  • Participação em gols: 44 – 42
  • Gols esperados (xG): 25.8 – 33,1
  • Corridas progressivas: 143 – 40
  • Passes progressivos: 62 – 31
  • Passes progressivos recebidos: 406 – 161
  • Chutes: 116 – 159
  • Chutes no gol (%): 49,1 – 47,8
  • Gols por chute: 0,22 – 018
  • Distância média dos chutes (metros): 13,7 – 11,8

Evidentemente, existem situações em que o norueguês é melhor do que o centroavante do Sporting. O jogo aéreo do Citizen é superior, e ele precisa de menos ângulo e contextos menos favoráveis para ter uma finalização bem sucedida, por exemplo.

Mas se Haaland é o parâmetro para um atacante de sucesso na Premier League, o caminho do sueco parece bastante promissor caso ele acabe voltando à Inglaterra. E onde seria o melhor lugar para ele?

Onde Gyokeres se encaixa na Premier League?

Os rivais londrinos são os dois principais gigantes em busca de um centroavante goleador. Seja para mudar um projeto muito promissor de patamar no Chelsea ou para ser a peça que faltava para o Arsenal alcançar os títulos que têm escapado.

Arsenal

Os Gunners tiveram grandes momentos com Gabriel Jesus. Um início de temporada arrasador em 2022/23 e lampejos do que poderia ser um atacante versátil e que mudaria o time de patamar. Muitas lesões depois, ficaram apenas os flashes não tão constantes.

Foram 26 participações em gols em 51 rodadas de Premier League e sete em oito jogos da Champions League desde que chegou. São bons números, mas não é o que se espera de um artilheiro que resolva, e a indisponibilidade corriqueira é um ponto negativo forte.

Gabriel Jesus Arsenal Gyokeres
Gabriel Jesus pelo Arsenal (Foto: ICon Sport)

No Arsenal, Gyokeres seria o atacante definidor, confiável fisicamente e, em termos de constância, pronto para acumular mais de 30 gols por temporada. Por mais que os Gunners já tenham o melhor ataque da Premier League, imagine como poderia ser com um atacante desse calibre?

Taticamente, é um atacante móvel, que não teria problema em sair da área como Jesus e Havertz fazem. Além disso, é um ótimo pivô e um criador subestimado, que manteria Martinelli, Saka, Odegaard e Havertz em boas condições de finalizar e progredir.

Chelsea

O Chelsea cria muito, mas peca nas finalizações. Ter um centroavante com quase sete gols a mais do que o esperado pelas estatísticas de xG parece um movimento inteligente no mercado.

Isso porque o problema ofensivo do Chelsea é claro: definição.

Chelsea
Nicolas Jackson é alvo de questionamentos no Chelsea. Foto – Icon Sport

Nicolas Jackson, apesar da boa temporada com 13 gols e cinco assistências na Premier League, se mostrou um definidor abaixo do nível esperado. Ele tem quatro gols a menos do esperado, com xG de 17,1. Isso sem cobrar pênaltis.

Há ainda o fato de Gyokeres ser muito mais perigoso e competente nas ações no último terço. Tem mais finalizações e sua taxa de acerto também é maior. Sem contar as 152 ações que levaram a uma finalização para o sueco contra as 85 do senegalês.

O centroavante também é um bom ponto de referência para os criadores dos Blues avançarem através do pivô. Palmer, Sterling, Nkunku e Enzo, por exemplo, podem ter mais uma opção além de um atacante de desmarques — o que Gyokeres também faz muito bem.

E trocar seu centroavante pelo atual artilheiro do Sporting não faria os Blues perderem em profundidade, conduções e ataque às costas da defesa. Na verdade, Gyokeres tem praticamente o dobro de corridas de Jackson, mais de 3 mil metros a mais corridos com a bola e quatro vezes mais corridas com a bola até a marca do pênalti.

Seria o ponto focal de um ataque promissor e que precisa de “pouco” para desabrochar — justamente as características em que ele se destaca.

Liverpool e Tottenham: ótimas opções

Outros membros do Big 6 poderiam receber Gyokeres de braços abertos, mesmo que não houvesse tanta necessidade quanto outros casos. O Liverpool, por exemplo, não precisa de um centroavante, mas o sueco seria titular da equipe se escolhesse Anfield.

Darwin Nuñez Liverpool Gyokeres
Darwin Nuñez em ação pelo Liverpool (Foto: Icon Sport)

Por mais que Darwin Núñez viva de inconstâncias e receba críticas da torcida, ele foi o jogador mais utilizado dos Reds em toda a temporada: 54 jogos. Além disso, é o segundo no time com mais gols (18) e assistências (13) na campanha, atrás apenas de Salah.

Gyokeres seria uma versão aprimorada do uruguaio. Ambos são velozes, criadores versáteis com boa condução e noção de ataque às costas da defesa para receber em profundidade. O sueco, no entanto, tem um aproveitamento melhor nas finalizações e ainda possui um trabalho de pivô melhor.

Se Arne Slot mantiver a ideia de pontas por dentro que tem usado no Feyenoord quando chegar ao Liverpool, é difícil ver Núñez em outro lugar se não no comando do ataque. Por isso, contratar o 9 do Sporting seria “apenas um gasto” e queimaria a grande quantia gasta no uruguaio, que tem correspondido bem, apesar dos pesares.

O Tottenham talvez precise mais de um centroavante do que os Reds. Ainda que o experimento de Son como “referência” tenha feito sucesso, o desempenho abaixo do esperado de Richarlison como camisa 9 e sua inconstância na temporada pode fazer com que um novo artilheiro seja bem vindo.

Richarlison Tottenham Gyokeres
Richarlison no Tottenham (Foto: Icon Sport)

Son marcou 17 gols e 9 assistências em 34 jogos na temporada, ótimos números em uma nova posição. Richarlison teve momentos difíceis ao longo da campanha e, em meio às inconstâncias, marcou 12 gols em 31 jogos.

Gyokeres faria com que Son pudesse voltar à esquerda, onde ainda seria um jogador crucial para o time e teria mais momentos com a bola. Richarlison, no entanto, seria reserva tanto nos lados quanto no centro — e ainda veria Brennan Johnson à sua frente na rotação.

Não haveria necessidade do sueco no time, mas ele ajudaria, com certeza. Talvez os Spurs tivessem que vender Richarlison, mas, na prática, pouco mudaria na forma de jogar. O artilheiro do Sporting consegue segurar a bola bem, é explosivo em ataques rápidos e seria uma ótima opção para criadores como Maddison, Son, Pedro Porro e Johnson.

United e City: prioridades diferentes

Gyokeres obviamente seria titular no Manchester United. É uma versão melhorada de Hojlund, que tem um perfil bastante parecido: alto, rápido, forte e com características de atacante de profundidade.

Ele é melhor que o dinamarquês em todos os aspectos do jogo e muito provavelmente faria mais do que os 8 gols que o camisa 9 dos Red Devils conseguiu na Premier League. Ainda assim, há evolução de Hojlund, e foi um investimento muito caro para ser descartado tão rapidamente.

E mais do que isso, o elenco do United tem muitas outras lacunas mais prioritárias do que o ataque. As laterais têm sido um problema recorrente por conta de lesões e a defesa teve momentos de pouca confiança e jogadores criticados.

O meio também precisa de reforços, levando em consideração as atuações abaixo do esperado de Casemiro, Amrabat, Eriksen e a lesão de Mount. O sueco talvez não conseguisse elevar sozinho o nível de uma equipe que precisa de muitos remendos.

Já no City, a falta de necessidade se dá justamente pela existência de Haaland. Os dois têm quase o mesmo protótipo, como comparado acima, mas o norueguês já provou estar em um nível mais alto.

Além disso, dificilmente o City conseguiria pagar por Gyokeres menos do que desembolsou por Haaland: a pechincha de 60 milhões de euros. Para um jogador deste nível, é algo muito raro.

O atacante do Sporting seria uma excelente opção para substituir Haaland caso ele deixe o clube — e caso Guardiola queira manter um modelo parecido. Caso contrário, é uma contratação que simplesmente não faz sentido.

Guilherme Ramos
Guilherme Ramos

Jornalista pela UNESP. Escrevi um livro sobre tática no futebol e sou repórter da PL Brasil. Já passei por Total Football Analysis, Esporte News Mundo, Jumper Brasil e TechTudo.

Contato: [email protected]