‘Não me queria e nunca me entendeu’: Firmino detona ex-treinador do Liverpool

5 minutos de leitura

Fora do noticiário do mercado da bola sobre seu futuro nesta janela, Roberto Firmino teve mais um trecho de sua biografia vazado. Lançado em novembro de 2023, o atleta do Al-Ahli compartilha os bastidores dos seus oito anos no Liverpool no livro “Si Señor: My Liverpool Years” (ainda sem tradução para o português).

Na época do lançamento, foi divulgada informações sobre que ele compartilha na biografia sobre a rivalidade interna de Mohamed Salah e Sadio Mane e como ele conseguia lidar com o clima tenso no vestiário. Agora, o site “This is Anfield” compartilhou um novo trecho, no qual Bobby revela seu descontentamento com Brendan Rodgers, último técnico dos Reds antes da chegada de Jürgen Klopp.

Firmino revela descontentamento com ex-técnico

É estranho pensar que um jogador de tanto impacto no Liverpool de Klopp não apresentava a mesma performance quando chegou a Anfield. Firmino foi contratado em 2015, mas não teve um bom início nos Reds.

Sob o comando do ex-treinador, ele atuou em apenas sete partidas. Já na era Klopp, ele foi o jogador que mais entrou em campo: 355 atuações. Na biografia, ele relata que teve “um péssimo começo” em campo, o que o deixou pensativo sobre “como isso iria funcionar”.

— Lembro dos jogos contra o Manchester United e o Arsenal, nos quais joguei no lado direito do meio-campo, com a responsabilidade mais de defender do que jogar; passei tanto tempo indo para o fundo do campo e tão longe do gol que fui praticamente um lateral. Eu estava muito longe das partes do campo onde poderia realmente causar impacto.

Para Firmino, Rodgers não sabia como utilizá-lo em campo, nem mesmo entendia seu estilo de jogo.

— Ficou claro que o técnico Brendan Rodgers não sabia como me utilizar. Não creio que ele tenha entendido meu estilo de jogo – definitivamente nunca entendi seus planos para mim. Talvez fosse porque ele realmente não tinha nenhum.

A questão é que, na época, foi divulgado pela mídia inglesa que Firmino não foi um jogador pedido por Rodgers. Na verdade, o centroavante de preferência do técnico foi Benteke. Só que essa informação não chegou até Firmino na época. No livro, ele conta que só descobriu isso quatro anos depois, lendo uma reportagem.

— O que eu não sabia, pelo menos não naquele momento, era que ele não me queria em primeiro lugar. A pessoa que me contratou não se preocupou em me contar esse pequeno detalhe. Quando finalmente descobri isso, tudo fez sentido. Demorei bastante: você acreditaria se eu dissesse que só descobri quatro anos depois? Bem a tempo para aquele jogo do Boxing Day em 2019, quando o Liverpool viajou para o King Power Stadium para enfrentar o Leicester City, comandado por Brendan Rodgers.

No jogo em questão, em 2019, o Liverpool goleou o Leicester de Rodgers por 4 a 0, com dois gols do brasileiro.

Firmino revela que a decisão de levá-lo do Hoffenheim para Anfield foi do departamento de recrutamento. A ideia do clube era trazer os dois para que disputassem a vaga pela camisa 9.

— O clube decidiu trazer nós dois e deixar a disputa por uma vaga acontecer em campo. O que foi muito bom, mas foi o treinador quem selecionou o time, não o departamento de olheiros. Digamos apenas que comecei em desvantagem. Quando li esse artigo, anos depois, tive a sensação de ‘ah, agora entendo: foi por isso que fui escalado fora de posição… é por isso que as coisas não estavam funcionando'.

‘Felizmente, não aguentei por muito tempo'

Ao comentar o fim do vínculo de Rodgers com o Liverpool, Firmino foi irônico, dizendo que apesar de o ex-treinador sempre ter parecido tratá-lo bem, esse tratamento não existia na hora de escalar o time. Ele não escondeu seu “alívio” com a saída do norte-irlandês para a chegada de um técnico que soube utilizá-lo da melhor forma.

— Rodgers me tratou bem, ou pelo menos foi o que pareceu. Ele sempre sorria, falava comigo em espanhol – embora meu espanhol não fosse muito bom – e me chamava de amigo. Quando se tratava dos jogos, ele quase não me reconhecia. Amigo, de fato.

— Felizmente, não tive que aguentar isso por muito tempo. Em outubro ele foi demitido… logo Jurgen Klopp assumiu e ele tinha outras ideias; essa foi uma história totalmente diferente.

Maria Tereza Santos
Maria Tereza Santos

Me formei em Jornalismo pela PUC-SP em 2020. Antes de escrever para a PL Brasil, fui editora na ESPN e repórter na Veja Saúde, Folha de S.Paulo e Superesportes.