Prefeito de Liverpool entra na jogada e detona decisão da Premier League

5 minutos de leitura

O prefeito de Liverpool, Steve Rotheram, escreveu ao presidente-executivo da Premier League, Richard Masters, expressando preocupação com a decisão de deduzir 10 pontos do Everton no campeonato, jogando os Toffees para a 19ª posição na tabela de classificação.

O Everton recebeu a punição por violação de regras de rentabilidade e sustentabilidade da Premier League. A confirmação da retirada de pontos aconteceu na última sexta-feira (17). O clube de Merseyside foi encaminhado a uma comissão independente em março por uma suposta violação relacionada à temporada 2021/22. Houve uma audiência no mês passado e a decisão foi divulgada na última semana. Os Toffees, por sua vez, irão apelar da sanção, a considerando “totalmente desproporcional e injusta”.

Rotheram corroborou com a manifestação do Everton e acredita que a decisão de deduzir 10 pontos do clube foi “excessiva”. Na carta enviada a Masters, ele diz que a sanção foi “totalmente desproporcional”. Ele argumenta que em 2010, quando o Portsmouth viveu um caso de má gestão grave, com uma crise financeira que beirava a falência, ele foi penalizado com a dedução de nove pontos e acabou rebaixado para a Championship. Para o prefeito de Liverpool, a implicação de que as ações do Everton são mais graves é “ridícula”.

— Como muitas pessoas salientaram, a punição imposta parece severa para a acusação em questão e estabelece um novo precedente. Quando comparada com as sanções impostas a outros clubes por infrações financeiras, supera as penalidades anteriores. Em 2010, quando o Portsmouth entrou na administração, um caso de má gestão grave, eles foram atingidos com uma penalidade de apenas 9 pontos. Por terem caído na administração pela segunda vez em três anos, em 2012, eles enfrentaram uma dedução de 10 pontos. A implicação de que as ações do Everton são de alguma forma mais graves é, francamente, ridícula — escreveu o prefeito.

A carta enviada pelo prefeito ao presidente da Premier League, defendendo o Everton

Estou escrevendo para expressar minha profunda preocupação e oposição à decisão de hoje do Painel da Premier League de deduzir 10 pontos do Everton Football Club. A sanção imposta não é apenas sem precedentes, mas totalmente desproporcional também.

Embora eu compreenda, e de fato apoie, a importância de manter a disciplina e defender a integridade do esporte, é crucial garantir que quaisquer medidas punitivas sejam proporcionais e justas. Não acredito que esta punição se ajuste ao crime.

A decisão de deduzir 10 pontos do Everton é excessiva, considerando a disposição e proatividade do clube em colaborar com a Premier League para garantir que todas as negociações estivessem em conformidade com o FFP, quando estava claro que eles estavam perto de violar as regras. A transgressão do Everton em relação aos limites máximos da dívida que são, na verdade, geopolíticos e, portanto, fora do seu controle.

Como muitas pessoas salientaram, a punição imposta parece severa para a acusação em questão e estabelece um novo precedente. Quando comparada com as sanções impostas a outros clubes por infrações financeiras, supera as penalidades anteriores. Em 2010, quando o Portsmouth entrou na administração, um caso de má gestão grave, eles foram atingidos com uma penalidade de apenas 9 pontos. Por terem caído na administração pela segunda vez em três anos, em 2012, eles enfrentaram uma dedução de 10 pontos. A implicação de que as ações do Everton são de alguma forma mais graves é, francamente, ridícula.

Apoio totalmente o apelo do clube e peço-lhe que adote uma abordagem mais equilibrada e considere formas alternativas de punição que não penalizem injustamente os jogadores e torcedores do clube. Como membro fundador da Football League e da Premier League, o Everton é um parte importante da estrutura do futebol inglês. Eles merecem ser tratados de forma justa, justa e com respeito.

Romulo Giacomin
Romulo Giacomin

Formado em Jornalismo na UFOP, passou por Mais Minas, Esporte News Mundo e Estado de Minas. Atualmente, escreve para a Premier League Brasil.