Everton Football Club: História, Mercado da Bola e Rumores

0
197
Everton Football Club: os azuis de Liverpool 

Primeiramente, o Everton Football Club, é um dos clubes mais tradicionais da Inglaterra. Desse modo, os Toffees foram um dos times fundadores do Campeonato Inglês em 1888. Assim, possuem como principais títulos: nove Campeonato Inglês, cinco F.A Cup, nove Community Shield e uma Recopa Europeia. 

Em suma, o clube está localizado na cidade de Liverpool, noroeste da Inglaterra, no condado de Merseyside, A 340 km da capital, Londres. Em 2015, o jornal britânico Daily Mail publicou um estudo referente aos 50 maiores times da Inglaterra. Assim, o Everton ocupou a 6ª posição, empatado com o Tottenham. Na lista, só ficou atrás do Manchester United, Arsenal, Liverpool, Chelsea e Manchester City, nesta ordem.

Seu maior rival é o Liverpool, e a partida entre as duas equipes é conhecida como o Merseyside Derby. Desse modo, não é só o maior clássico local como também um dos maiores em nível nacional. Por outro lado, o clássico detém uma marca negativa: é o confronto com o maior número de cartões vermelhos em toda a história da Premier League.

Merseyside Derby em 2018. Foto: Divulgação/Getty Images

Além dos Reds, o Everton possui forte rivalidade com o Manchester United e Manchester City, muito por conta da proximidade entre as cidades de Liverpool e Manchester, separadas por apenas 56 quilômetros.

Trajetória do Everton, fundação, conquistas e ascensão

A princípio, o time foi fundado como Saint-Domingo FC, em 1878. Porque os fundadores frequentavam a paróquia São Domingo da Igreja Metodista inglesa. No entanto, logo no ano seguinte a equipe passou a se chamar Everton Football Club, devido ao distrito de Everton, localizado em Liverpool. 

Raízes dos Blues

Em primeiro lugar, como membro fundador do Campeonato Inglês, o Everton foi campeão na quarta edição do torneio, em 1891. Por outro lado, os Blues só voltariam a soltar o grito de campeão em 1906, quando venceram a Copa da Inglaterra. 

Desse modo, os Toffees conquistaram sua segunda taça da liga nacional em 1915. Porém, o clube deu início a era de sucesso em 1927, quando a diretoria contratou o inglês Dixie Dean 

Assim, logo na sua primeira temporada no Everton, o jogador marcou 60 gols em 39 jogos, recorde mantido até os dias atuais. Junto a isso, ele foi campeão inglês com o time em 1928. 

Por outro lado, na década de 30, o Everton acabou sendo rebaixado para a segunda divisão pela primeira vez em sua história. No entanto, o retorno para a elite não demorou. Porque logo na sequência, o clube é campeão da Segunda Divisão inglesa. 

Desse modo, logo em seu retorno, o Everton se sagra campeão inglês pela quarta vez na história em 1932. Na temporada seguinte, os Toffees vencem mais uma Copa da Inglaterra. Na final, derrotaram o Manchester City por 3 x 0. A equipe ainda fechou a década com mais um título da liga nacional, em 1939. 

O Everton Pós Segunda Guerra

Por conta da Segunda Guerra Mundial, os campeonatos de futebol foram suspensos na Inglaterra. E, só voltaram em 1946, mas o time do Everton já não era o mesmo, agora com idade avançada os jogadores não conseguiam atuar em alto nível. 

Assim, o clube é rebaixado pela segunda vez, em 1952. Diferente da primeira, os Blues não conseguiram o retorno imediato. Só voltaram a elite em 1954, como vices campeões da segunda divisão. Vale ressaltar, que essa foi a última vez que o Everton disputou a Segundona. 

Sem grandes sucessos na segunda metade da década de 50, o time só voltou aos holofotes em 1961, quando Harry Catterick é contratado para o cargo de treinador. Desse modo, dois anos após sua chegada, o Everton é campeão inglês. Em 1966, outra taça, a Copa da Inglaterra, contra o Sheffield Wednesday. 

Elenco comemorando o título de 1962/63. Foto: Divulgação/Everton

Catterick ainda levantaria mais um troféu com o clube de Liverpool, o do Campeonato Inglês em 1970. Porém, a equipe passou a primeira metade da década de 70 sem conquistas, o que resultou na demissão do técnico em 1973. 

Era de ouro do Everton

A era de maior do sucesso da história do Everton se iniciou com a contratação de Howard Kendall, para ser treinador. O comandante chegou à Liverpool dizendo que seria multicampeão com o clube, e assim, cumpriu com a sua palavra. 

Em 1984, o time é campeão da F.A Cup. Na temporada seguinte, conquista mais um Campeonato Inglês. O ano de 1985, é apontado por muitos como o de maior sucesso do Everton. Em vista que além da liga nacional, o time levanta a taça da Recopa Europeia. 

No entanto, os Blues não conseguem outros títulos internacionais devido a uma punição imposta pela Fifa a todos os clubes ingleses, por conta da tragédia de Heysel em 1985. Desse modo, os britânicos ficaram impedidos de disputar torneios europeus por cinco anos. 

Sem poder brigar por grandes títulos, Kendall pediu demissão do clube em 1987, quando se transferiu para o Athletic Bilbao (ESP). Assim, a equipe conquistou mais uma edição do Campeonato Inglês, a nona e última dos Blues, na temporada 1986/87. Cinco anos depois, o Everton ajuda a fundar a Premier League. 

Por outro lado, o começo da década de 90 foi de “seca” para o Everton. Só conseguiu se reerguer na temporada 1994/95, quando sob o comando de Joe Royle, os Toffees saem do último lugar na Premier League para serem campeões da F.A Cup. Esse foi o último título conquistado pelos Blues. Com a taça, a equipe teve direito a participar da Recopa Europeia de 1996.  

Equipe campeã da F.A Cup de 1995. Foto: Divulgação/Getty Images

Em 1998, Kendall retorna ao lado azul de Liverpool. No entanto, não conseguiu repetir o sucesso da primeira passagem. E, assim, o time terminou a Premier League na 17° lugar, escapando do rebaixamento apenas por ter o saldo de gols superior ao do Bolton. 

Parado no tempo

No início dos anos 2000, o Everton brigou pela permanência na elite nacional boa parte das temporadas. Em 2004, sob comando de David Moyes, o clube termina a Premier League em 17ª lugar. Porém, esse foi o torneio onde o jovem Wayne Rooney se destacou. Sendo logo em seguida, vendido para o Manchester United. 

No ano seguinte, 2005, o Everton fez uma grande campanha na PL, conseguindo ficar em 4ª lugar, sendo essa, a melhor colocação do time na história da competição. A estrela da equipe foi James Beattie, que chegou vindo do Southampton, por oito milhões de euros. 

A partir daí, os Toffes passaram a disputar na liga nacional às vagas pelas competições europeias. Em 2014, Moyes troca o Everton para assumir o Manchester United. Desse modo, o seu sucessor foi o espanhol Roberto Martínez, se tornando o primeiro técnico de fora da Grã-Bretanha a treinar o clube. 

Atualmente, os Blues passaram a receber um maior investimento para a aquisição de jogadores conhecidos mundialmente, como o meia colombiano James Rodríguez. Por outro lado, a equipe não consegue ir longe nas competições que disputa, causando irritação e decepção na torcida. 

Uma curiosidade importante sobre o Everton é o fato de ser o clube que mais vezes disputou a primeira divisão da Inglaterra. 

Emblemas do Everton

De fato, o primeiro emblema oficial do Everton a aparecer no uniforme do clube foi em 1920, na era dos ídolos Tom Fleetwood, Bobby Parker e Sam Chedgzoy. Desse modo, a aparência consistia em três letras brancas com as iniciais EFC, entrelaçadas em um escudo azul. 

Por outro lado, esse primeiro brasão não permaneceu por muito tempo nas camisas. Em vista que o lendário time das décadas 40, 50 e 60 já não usavam mais esse emblema. Assim, foi adotado um escudo que representava o Ethos do Everton Football Club. Vale ressaltar que em 1938, o secretário do clube, Theo Kelly, foi convidado para projetar um emblema que seria usado nas gravatas da equipe. 

“Fiquei intrigado com isso por quatro meses. Então pensei em uma reprodução do ‘Beacon' que fica no coração de Everton”, disse Kelly. 

A “Everton Tower” também conhecida como “Prince Rupert´s Tower – o Beacon” é uma torre que está ligada à área do distrito desde a sua construção em 1787, e até hoje, ela se encontra em Everton Brow em Netherfield Road. 

Além disso, o lema do clube, “Nil Satis, Nisi Optimum”, na tradução “Nada além do melhor é bom o suficiente”, acompanhavam nas gravatas. Elas foram usadas pela primeira vez por Kelly e pelo presidente do Everton, na época, Sr. E. Green, na estreia da temporada de 1938/39. 

Emblema atual do clube. Foto: Divulgação/Getty Images

Uniforme vazio 

No entanto, o uniforme da equipe ficou sem escudo até 1972, quando as letras “EFC” brancas foram bordadas nas camisas. Esse formato permaneceu por quatro temporadas, antes de serem alteradas por uma fonte mais simples. 

Em 1978, a torre voltou a figurar no Everton, mas dessa vez, no uniforme dos jogadores. O design criado por Kelly ficou por quatro anos, quando foi substituído por um desenho simples e circular, com o emblema e o lema em latim removidos. 

Um ano depois, outra mudança. Porém, o novo escudo marcaria o período de maior sucesso do Everton na história. Simples, mas imponente, a camisa dos Blues trazia as letras “EFC” acima de uma torre remodelada com coroas de louro. 

A última grande alteração no brasão se deu em 2014, quando os torcedores elegeram por meio de votação o novo escudo do Everton. Das três opções disponíveis, o modelo atual foi o vencedor, e apresentado em julho do mesmo ano. 

Todos os brasões da história dos Blues. Foto: Divulgação/Everton FC

Casas do Everton 

Stanley Park 

O primeiro lar do Everton foi o Stanley Park, local onde a equipe ainda conhecida como St. Domingo´s FC mandava seus jogos. Desse modo, em 1882, cerca de 2.000 pessoas passaram a assistir os Toffees, o que acabou gerando alguns problemas. Assim, a diretoria decidiu alugar um campo próximo de Priory Road. 

Priory Road  

Em primeiro lugar, o clube construiu uma pequena arquibancada e um camarim em Priory Road, mas o primeiro jogo disputado foi uma grande decepção para o time. O primeiro sucesso da equipe aconteceu quando eles derrotaram o Earlestown, na final da Liverpool Cup em 1884. 

Por outro lado, o excesso de barulho da torcida pelo título do clube, fez com que o Sr. Cruitt, proprietário do local, expulsasse o Everton do estádio. Desse modo, os Blues chegaram à Anfield Road. 

Anfield Road 

Assim como nos seus dois últimos lares, o Everton não era dono de Anfield. O terreno pertencia a um grupo de cervejeiros locais, os irmãos Orrell. Porém, não existia um campo de futebol no local. Sendo assim, membros da direção junto de jogadores e torcedores construíram o estádio no local. 

A primeira partida aconteceu em 27 de setembro de 1884, entre EvertonEarlestown. Vale ressaltar, que o clube se profissionalizou nesse período, estreando na Football League contra o Accrington Stanley ,em 8 de setembro de 1888. 

Desse modo, na temporada de 1890/91, o Everton conquistou o seu primeiro título de Campeonato Inglês, com um público de 20.000 pessoas. No entanto, após desavenças entre os dirigentes e membros responsáveis pelo terreno, os Blues deixaram Anfield 

Essa briga acabou fazendo com que os donos do local fundassem o seu próprio time, o Liverpool Football Club, quatorze anos depois, em 1892. Desse modo, um dos clássicos entre os clubes detém o recorde de público no Goodison Park. Ao todo, 78.299 pessoas acompanharam a partida realizada em 1948.

Anfield Road já foi a casa do Everton. Foto: Divulgação/Everton FC
Anfield Road já foi a casa do Everton. Foto: Divulgação/Everton FC

Goodison Park 

De fato, o Everton rodou por diversos campos, mas nenhum deles trouxe tanto conforto e o sentimento de casa quanto o Goodison Park. Em primeiro lugar, o terreno foi nivelado, sendo instalado sistemas de drenagem, e foi construída arquibancadas com capacidade para até 50.000 espectadores. 

Em 1892, o estádio já era considerado o melhor da Inglaterra. Além do tamanho, o novo lar dos Toffees possuíam privilégios para época, como: caldeiras de água quente, banheiras duplas, vestiário para árbitros e banca para imprensa.  

A inauguração oficial do Goodison Park foi em 24 de agosto de 1892. 12.00 pessoas compareceram à cerimônia de abertura. O primeiro jogo foi um amistoso entre Everton e Bolton Wanderers 

Curiosidades sobre o Goodison Park 

  • Foi o primeiro campo na Inglaterra a ter abrigos depois que o clube copiou uma ideia do Aberdeen, que eles visitaram para um amistoso de pré-temporada na década de 1930.
  • Com a conclusão da Gwladys Street Stand em 1938, Goodison foi o único campo de futebol britânico a ter arquibancadas de dois andares em todos os lados.  
  • O estádio já recebeu mais jogos da primeira divisão do que qualquer outro da Inglaterra.  
  • O recorde de público foi em 18 de setembro de 1948, em um Merseyside Derby. Foram ao todo, 78.299 pessoas no estádio.
  • Goodison é o único campo da liga no país a sediar uma semifinal da Copa do Mundo (em 1966). 
  • A primeira derrota da Inglaterra em casa, quando a República da Irlanda venceu por 2 a 0 em setembro de 1949.  
  • É o único local do mundo a ter uma igreja (São Lucas Evangelista) em um canto do estádio. 
Goodison Park, a casa dos Toffees. Foto: Divulgação/Everton FC
Goodison Park, a casa dos Toffees. Foto: Divulgação/Everton FC

Mercado de transferências do Everton

Mesmo sem grandes conquistas nos últimos anos, o Everton é um dos clubes que mais investiram em contratações nas temporadas recentes. Assim, separamos cinco nomes que chegaram aos Toffees, e contribuíram na história do time.

Andy Gray do Wolverhampton por 250 mil libras

No meio da temporada 1983/84, o treinador Howard Kendall, contratou do Wolverhampton o atacante escocês Andy Gray, por 250 mil libras. Por outro lado, o jogador chegou sobre contestações da imprensa e torcida devido ao seu deficit técnico e físico.

Porém, a chegada de Gray motivou o elenco. Desse modo, a equipe voltou a jogar bem, e mesmo com problemas nos joelhos, o jogador contribuía com gols de cabeça e nos chutes. Ao lado de Graeme Sharp, os Toffees venceram a Copa da Inglaterra de 1984, por 2 x 0, contra o Watford, com um gol de cada.

Andy Gray com a camisa do Everto. Foto: Divulgação/Getty Images
Andy Gray com a camisa do Everto. Foto: Divulgação/Getty Images

Na temporada seguinte, Gray sofreu outra lesão, o que fez com que ele perdesse alguns jogos da liga. Em seu retorno, ficou na reserva de Adrian Heath. Assim, depois que recuperou sua forma física, ajudou o clube a vencer mais um título de Campeonato Inglês.

Ao final da competição, o técnico Kendall decidiu renovar o sistema ofensivo do Everton. Desse modo, Gary Lineker foi contratado. Essa decisão resultou na saída de Andy Gray para o Aston Villa. Portanto, ao todo, foram 22 gols em 61 jogos com a camisa dos Blues.

Gary Lineker do Leicester City por 925 mil euros em 1984/85

Lineker sem dúvidas foi um dos maiores jogadores britânicos da história, o “Cavalheiro da bola” como ficou conhecido, se profissionalizou no Leicester City, em 1978. Foi contratado pelo Everton, então campeão nacional, no final da temporada 1984/85 após ser o artilheiro do Campeonato Inglês, com 24 gols.

Gary Lineker com a camisa dos Blues. Foto: Divulgação/Everton
Gary Lineker com a camisa dos Blues. Foto: Divulgação/Everton

Nos Blues, o atacante se tornou o principal atleta da posição no país. Na temporada seguinte, foi novamente o maior goleador do campeonato nacional, com 30 gols. Por outro lado, ele acabou não conquistando nenhum título. Pois, o Everton foi vice-campeão do Campeonato Inglês e da F.A Cup. Em ambas competições, o vencedor foi o arqui-rival Liverpool.

Por fim, Lineker ficou apenas uma temporada na equipe. Logo após disputar a Copa do Mundo de 1986, o jogador foi contratado pelo Barcelona por 3,2 milhões de euros.

Alan Ball do Blackpool por 112 mil libras

O meio-campista Alan Ball, foi contratado pelo Everton após se destacar no Blackpool, e por lá ter sido campeão mundial com a Inglaterra em 1966. Na época, foi a transferência mais cara do futebol inglês.

Em  campo, Ball foi fundamental no título do Campeonato Inglês de 1969/70. Além disso, venceu a Supercopa da Inglaterra meses depois. Ao todo, foram 251 aparições com a camisa dos azuis e 79 gols marcados. 56 foram anotados apenas nas três primeiras temporadas. Ainda fez parte da “Santíssima Trindade”, trio que marcou o futebol mundial na época. E, possui uma estátua na frente do Goodison Park.

Alan Ball fez parte da "Santíssima Trindade". Foto: Divulgação/Everton
Alan Ball fez parte da “Santíssima Trindade”. Foto: Divulgação/Everton

Howard Kendall do Preston North End por 80 mil libras

Chegou do Preston North End em 1967, por 80 mil libras. O jogador quase foi para o Liverpool, porém, o técnico Harry Catterick o convenceu a seguir para o Everton. Ao lado de Alan Ball e Colin Harvey, formou a “Santíssima Trindade”. Era um meio-campista que se destacava tanto na parte ofensiva quanto na defensiva.

Nos Toffes foi campeão do Campeonato Inglês em 1969/70. Além de ter vencido a Supercopa da Inglaterra meses depois. Ao todo, foram 272 jogos e 29 gols marcados. Kendall possui uma estátua na frente do Goodison Park.

Kendall brilhou como jogador e treinador no clube. Foto: Divulgação/Everton
Kendall brilhou como jogador e treinador no clube. Foto: Divulgação/Everton

Anos depois, o agora treinador, retornou ao Everton para exercer a função. E, novamente fez história. Fora das quatro linhas, venceu duas edições do Campeonato Inglês, uma da Recopa Europeia e da Copa da Inglaterra, além de ter conquistado quatro taças da Supercopa.

Dixie Dean do Tranmere Rovers por 3 mil libras

Sem duvidas é o maior jogador da história do Everton. Foi contratado em 1925, do Tranmere Rovers, com 18 anos de idade. Em 12 anos no clube, o atacante disputou 431 partidas e marcou 383 gols.

Sendo assim, é o maior artilheiro dos Toffees de todos os tempos, e também do futebol inglês. Ao todo, Dean conquistou dois campeonatos ingleses, uma Segunda Divisão, uma Copa da Inglaterra e duas Supercopas.

Além disso, na temporada 1927/28, Dean realizou uma marca difícil de ser superada: 60 gols em apenas um único torneio, o que rendeu aos Blues o título do campeonato inglês. O lendário jogador possui uma estátua na frente do Goodison Park.

Dixie Dean, o maior ídolo da história do time. Foto: Divulgação/Everton
Dixie Dean, o maior ídolo da história do time. Foto: Divulgação/Everton

Foto destaque: Divulgação/Pinterest

Artigo anteriorVarane fecha acordo com Manchester United, diz jornal francês
Próximo artigoVinícius Júnior é oferecido ao United, segundo jornal
Estudante de jornalismo que sonha em trabalhar nos maiores eventos esportivos do mundo. E, assim, ser referência na área. Meu principal objetivo é ser correspondente internacional em Londres. Sou fascinado por futebol, e como o esporte influencia às pessoas, e o mundo. Não me limito apenas a assistir, mas a consumir em sua totalidade, estudando e entendendo regras, conceitos, histórias e tudo que envolve o mundo das quatro linhas. No entanto, gosto de acompanhar outras modalidades, como: Basquete, Surf, Futebol Americano, Hóquei, Tênis, dentre tantas outras. Junto isso, tenho o amor pela leitura e a escrita como minhas aliadas na hora de passar para os meus textos, todas as sensações e emoções que estou sentindo, ao lado de informações relevantes com apuração precisa. Seja bem-vindo (a)!

Não há posts para exibir