Espanha x Zâmbia: uma goleada que vai muito além do futebol na Copa do Mundo Feminina

8 minutos de leitura

A Espanha goleou a Zâmbia por 5 a 0, nesta quarta-feira (26), pela segunda rodada da fase de grupos da Copa do Mundo Feminina 2023. Assim como na estreia contra a Costa Rica, La Roja garantiu a vitória em um ritmo frenético. Teresa Abelleira, Jennifer Hermoso (2) e Redondo (2) foram as responsáveis pela vitória da Espanha no Eden Park, em Auckland, na Nova Zelândia.

Espanha (F)
26/07/23 - 04:30

Finalizado

5

-

0

Zâmbia (F)

Espanha (F) - Zâmbia (F)

Women's Copa do Mundo - Eden Park

2° Turno

Início elétrico da Espanha

Mais uma vez, La Roja mandou a bola para o fundo das redes em um curto intervalo de tempo. Com nove minutos de jogo, Olga e Jenni Hermoso fizeram uma bela troca de passes. A bola chegou em Teresa Abelleira, do Real Madrid, fora da grande área e a meio-campista abriu o placar com um golaço.

Quatro minutos depois, Alexia Putellas, do Barcelona, recebeu a bola no fundo do campo e cruzou para Hermoso fazer o segundo de cabeça.

Goleada com decisões bizarras do VAR

Depois do início frenético, a Espanha perdeu a intensidade. Com falhas na defesa espanhola, a Zâmbia até conseguiu chegar na área algumas vezes, mas não foi suficiente para marcar seu primeiro gol em Copas.

La Roja voltou do intervalo finalizando bastante, mas sem sucesso. Porém, na metade seguinte da segunda etapa, o frenesi espanhol retornou. Aos 24 minutos, Alba Redondo, do Levante, invadiu a área e marcou o terceiro gol.

Apenas um minuto depois, em mais uma jogada de ataque espanhol, Guerrero finalizou na trave. Jenni Hermoso, meio-campista do Pachuca e ex-Barcelona, aproveitou o rebote e marcou seu 50º gol pela seleção.

No entanto, o gol foi revisado pelo VAR após a bandeirinha marcar um impedimento. Então, a árbitra Oh-Hyeon Jeong protagonizou uma das cenas mais bizarras da Copa até agora. Ao anunciar a decisão pelo microfone, a sul-coreana se embolou e não foi possível entender de primeira se ela havia marcado impedimento ou validado o gol. A própria Hermoso demorou a compreender que o gol era legal antes de sair para comemorar.

O encerramento da goleada veio três minutos depois. Alba Redondo recebeu a bola de Eva Navarro e invadiu a área para marcar o quinto gol das espanholas. Entretanto, mais uma vez a bandeirinha marcou impedimento e o VAR entrou em cena. Visivelmente nervosa, a árbitra demorou um pouco para anunciar a decisão e enfim validou o gol que deu à Espanha a liderança temporária do grupo C.

Espanha x Zâmbia: muito além do futebol

Além de a classificação para as oitavas de final estar em jogo, a partida entre as espanholas e zambianas representou o confronto entre duas seleções que vivem um embate com as federações de futebol de seus países.

Do lado europeu, há um reivindicação por melhorias nas condições de trabalho e mudanças no comando técnico. Tudo começou após a Eurocopa de 2022, na qual a Espanha foi eliminada nas quartas de final para a campeã Inglaterra. Em setembro do ano passado, 15 atletas mandaram um email à Federação Espanhola de Futebol, dizendo que estavam se afastando da equipe até que uma série de mudanças acontecessem. Entre as reclamações, estavam a falta de profissionalismo da equipe técnica, pouca preparação antes de jogos decisivos e até mesmo o uso de ônibus em viagens que poderiam ser feitas de avião, conforme revelou o site inglês “The Athletic”.

Depois de discussões que se arrastaram por meses, a federação se comprometeu a realizar algumas melhorias, mas manteve o técnico Jorge Vilda e sua comissão no comando da seleção. Com o tempo, Aitana Bonmatí, Ona Battlle, Mariona Caldentey e Irene Paredes anunciaram seu retorno e foram convocadas para a Copa do Mundo. Por outro lado, atletas importantes, como Mapi León, Patri Gujarro e Claudia Pina se mantiveram ausentes, sem abrir mão de suas reivindicações.

Já na seleção africana, o técnico Bruce Mwape viajou para a Oceania com a equipe em meio a uma investigação por suspeita de assédio sexual contra as jogadoras da Zâmbia. Uma matéria do jornal britânico “The Guardian” trouxe o caso à tona dias antes da seleção fazer sua estreia em uma Copa do Mundo. Porém, o treinador vem sendo investigado pela Associação de Futebol da Zâmbia desde setembro de 2022.

Mwape é acusado de privilegiar atletas em campo em troca de aceitarem se relacionar sexualmente com ele. O comandante sempre se declara como inocente e a associação decidiu não retirá-lo do cargo enquanto a apuração do suposto crime não for concluída. Um dos assessores da Fifa, presentes nas entrevistas coletivas concedidas durante o torneio, chegou a interromper a última da Zâmbia devido às perguntas relacionadas ao caso feitas pelos jornalistas.

Havia muitas dúvidas sobre como ambas as seleções iriam se comportar em campo na competição. A Espanha se saiu bem jogando com seleções mais fracas, mas nas duas partidas, demonstrou falhas na defesa e falta de eficiência em um ataque muito finalizador. Para cravar La Roja como uma das favoritas ao título, ainda é preciso ver como ela se sairá contra seleções do primeiro escalão.

A Zâmbia, por sua vez, dá adeus ao torneio sem nenhum gol marcado. Ainda assim, o país africano tem uma geração talentosa e promissora de atletas que certamente podem jogar melhor em edições futuras, caso a federação do país promova uma ambiente mais salubre nas próximas.

Próximos jogos do Grupo C na Copa do Mundo

Mais cedo, o Japão venceu a Costa Rica por 2 a 0, eliminando a seleção da América Central. A última rodada da fase de grupos irá definir quem ficará com o primeiro lugar no grupo A da Copa do Mundo.

A última rodada tem os dois jogos simultâneos. Na próxima segunda-feira (31), às 4h, teremos: Japão x Espanha e Costa Rica x Zâmbia.

Tabela do Grupo C

Veja como está a tabela de classificação do Grupo C:

  1. Espanha – 6 pontos – 2 partidas – Saldo de gol (8)
  2.  Japão – 6 pontos – 2 partidas – Saldo de gol (7)
  3. Costa Rica – 0 ponto – 2 partidas – Saldo de gol (-5)
  4. Zâmbia – 0 ponto – 2 partidas – Saldo de gol (-9)
Maria Tereza Santos
Maria Tereza Santos

Jornalista pela PUC-SP. Na PL Brasil, escrevo sobre futebol inglês masculino E feminino, filmes, saúde e outras aleatoriedades. Também gravo vídeos pras redes e escolhi o lado azul de Merseyside. Antes, fui editora na ESPN e repórter na Veja Saúde, Folha de S.Paulo e Superesportes.