Liquidação? ‘Desesperado’, Chelsea abaixa preço para liberar jogador antes do fim da janela

4 minutos de leitura

A pouco mais de 24 horas do fim da janela de transferências do meio da temporada europeia, o Chelsea decidiu diminuir o valor de um de seus atacantes para conseguir negociá-lo no mercado da bola.

De acordo com o jornal inglês “The Sun”, “desesperados”, os Blues cortaram em 20% o valor inicialmente pedido pela venda de Armando Broja.

Chelsea corta preço de atacante para concluir venda antes do fim da janela

A situação de Armando Broja em Stamford Bridge é uma das que devem ser encerradas ainda nesta janela. O Chelsea já havia concordado em liberar o albanês, contanto que a equipe interessada pagasse a quantia de 50 milhões de libras (R$ 313,8 milhões). Quem surgiu como maior interessado foi o Wolverhampton. No entanto, os Lobos tiveram uma oferta por empréstimo rejeitada nesta terça-feira (30), conforme revelado pelo “The Athletic”.

O Fulham também surgiu como pretendente de Broja, já que a contratação de um centroavante é prioridade para Marco Silva. Além deles, West Ham e Aston Villa correm por fora.

Só que o Chelsea agora corre contra o tempo, pois ainda deseja comprar outro atacante sem infringir as regras de fairplay financeiro da Premier League. Por isso, segundo o “Sun”, a equipe de Mauricio Pochettino decidiu cortar o valor pedido para 40 milhões de libras (R$ 251 milhões).

— A redução de 20% é uma espécie de compromisso e mostra que o Chelsea espera livrar-se do seu ex-jogador da base nas próximas 36 horas — relatou o “The Sun”.

Broja foi promovido à equipe principal de Stamford Bridge em 2022, mas não conseguiu se firmar no time devido à problemas com lesões. Ele iniciou a atual temporada apenas em setembro, depois de ficar nove meses afastado por ter rompido o ligamento.

Armando Broja em 2023/24

  • 19 jogos (8 como titular)
  • 2 gols
  • 2 assistências
Maria Tereza Santos
Maria Tereza Santos

Jornalista pela PUC-SP. Na PL Brasil, escrevo sobre futebol inglês masculino E feminino, filmes, saúde e outras aleatoriedades. Também gravo vídeos pras redes e escolhi o lado azul de Merseyside. Antes, fui editora na ESPN e repórter na Veja Saúde, Folha de S.Paulo e Superesportes.