Querem a demissão do Pochettino no Chelsea? Esses são os 5 melhores técnicos livres no mercado

7 minutos de leitura

Não, eu não acho que os primeiros seis meses de trabalho de Mauricio Pochettino são um sucesso. Ainda existe muito a melhorar. Um time irregular, capaz de fazer grandes partidas contra o Arsenal e Manchester City (dois empates, mas com apresentações muito convincentes) e jogos horríveis como na derrota de 4 a 1 para o Newcastle, menos de dois meses atrás.

E não, eu não acho que o treinador argentino deveria ser demitido. Muito pelo contrário.

Ele recebeu um elenco completamente diferente. Ninguém sequer se conhecia. Equipe mais jovem de toda a Premier League.

Falta atacante de qualidade (Nkunku, o único centroavante que parece realmente bom, vive no departamento médico) e o número de lesões impressiona. Costumo acreditar no projeto a longo prazo, em dar o tempo necessário para que um técnico consiga colocar em prática tudo o que tem em mente.

Mas, claro, estamos falando do Chelsea. Mesmo com três vitorias seguidas na Premier League, e com o time subindo na tabela (já ultrapassou o Newcastle e está um ponto atrás do Manchester United), a torcida pede a cabeça do comandante semana sim, semana também.

Parecem ignorar o fato de que o clube está correndo sério risco de ser punido pelas novas regras de sustentabilidade financeira da Premier League. Regras essas que impedem o Chelsea de realizar grandes investimentos.

Mauricio Pochettino comanda o Chelsea na Premier League (Foto: Icon sport)

Ou seja, pagar 21 milhões de libras para tirar Graham Potter do Brighton é coisa do passado. Dificilmente um treinador da primeira prateleira, que esteja hoje empregado, irá para os Blues. Até porque, ao que tudo indica, essa será a segunda temporada seguida sem classificação para a Champions League.

Então, para esses torcedores impacientes, lançamos a lista dos cinco melhores treinadores livres no mercado. Importante dizer que os nomes de Antonio Conte, Jose Mourinho, Frank Lampard e Graham Potter não estão presentes. Já passaram pelo clube, e não vejo clima nenhum para uma possível volta. Sem mais delongas, vamos lá! Vale a pena mandar Pochettino embora?

5 –  Oliver Glasner

Oliver Glasner é treinador do Frankfurt e cogitado por Real Madrid e Tottenham – Foto: Twitter @eintracht

Vem de um trabalho muito bom no Eintracht Frankfurt. Levou o time alemão ao título da Europa League, primeira conquista europeia do clube em mais de 40 anos. Na temporada passada, chegou nas oitavas de final da Champions League, sendo eliminado pelo Napoli, campeão italiano e na época a grande sensação do futebol europeu. Disputou ainda a final da Copa da Alemanha, com derrota por 2 a 0 para o RB Leipzig.

O Frankfurt terminou o primeiro turno na segunda posição da Bundesliga. Mas, de repente, tudo desandou. O time acabou na sétima posição. A diretoria informou que o técnico austríaco não continuaria no cargo antes mesmo do fim da temporada, depois de uma derrota para o Hoffenheim em que o treinador foi expulso no primeiro tempo e ainda discutiu com um repórter.

Antes, Glasner teve boa passagem pelo LASK, da Áustria. Conquistou vaga para a terceira fase eliminatória da Liga Europa de 2018/19, a primeira participação do clube em competições continentais desde 2000. Na temporada seguinte, o LASK participou da mesma fase na Champions League.

Hoje, aos 49 anos, foi procurado por alguns clubes, mas espera uma grande oportunidade na carreira.

4 – Julen Lopetegui

(Foto: Icon Sport)

Está no mercado desde agosto, após deixar o Wolverhampton. Saiu em comum acordo com o clube, apenas DOIS dias antes de começar a atual temporada. O motivo? Divergência entre ele e a diretoria, principalmente em relação às poucas contratações.

Aliás, no clube merengue ficou menos de três meses. Mas, fiascos à parte, teve bom trabalho no Sevilla, onde conquistou a Liga Europa de 2019/20. Lá no inicio da carreira, ganhou títulos europeus nos sub-19 e sub-21 com a Espanha.

Em conversa recente que tive com Casemiro, ele disse que Lopetegui foi importantíssimo na sua carreira. Os dois trabalharam juntos no Porto, e o volante brasileiro afirmou que foi com ele que aprendeu como se posicionar, onde e quando correr, qual a postura ideal para dar certo no futebol europeu.

Ponto positivo é que já tem experiência na Premier League. Nos Wolves, o principal objetivo era evitar o rebaixamento. Terminou a temporada passada no 13º lugar, apenas três pontos atrás do Chelsea.

3 – Hansi Flick

Hans Flick foi demitido do comando da seleção da Alemanha (Foto: Icon sport)

Em dois anos no Bayern de Munique, ganhou tudo. Na temporada 2019/20, levou o clube a apenas a segunda tríplice coroa de sua história (Copa da Alemanha, Bundesliga e Champions League). Primeiro time a ganhar a Liga dos Campeões vencendo todos os jogos.

No ano seguinte, ainda venceu mais uma vez o Campeonato Alemão. Mas, passou a ter graves problemas de relacionamento com a cúpula do clube bávaro, e antes mesmo da temporada acabar, informou não continuaria no cargo.

Não demorou para Hansi Flick ser anunciado pela seleção alemã. Assinou contrato de três anos, mas durou apenas dois. Foi um verdadeiro fiasco.

Foi o primeiro treinador da historia da seleção alemã a ser demitido.

Segunda pior média de pontos por partida (1.72) dentre todos que já ocuparam o cargo. Foram 25 jogos, com 12 vitórias, sete empates e seis derrotas. Saiu depois de perder um amistoso para o Japão por 4 a 1. Era o terceiro revés seguidos dos alemães.

Dentre os argumentos para a saída de Pochettino, um dos mais fortes é de que ele só fez um grande trabalho na carreira. No Tottenham, e mesmo assim, sem nenhum título. Bom, dá para dizer que Flick não é muito diferente.

2 – Joachim Löw

Outro alemão. E aquele que antecedeu Hansi Flick. Joachim Low ficou impressionantes 17 anos no comando da seleção tetracampeã mundial. Foi eleito o técnico do ano da Fifa em 2014, depois de conquistar a Copa do Mundo no Brasil. Como não lembrar do fatídico 7 a 1?

Teve boa campanha também na Euro 2016, quando a Alemanha foi eliminada pela anfitriã França já nas semifinais. Em 2017, título da Copa das Confederações. Depois disso, dá para dizer que foi uma sequência de fracassos.

Alemanha eliminada na fase de grupos da Copa de 2018, depois de perder para a Coreia do Sul. Na Nations League de 2020, derrota por 6 a 0 para a Espanha e eliminação também na fase de grupos. Na Euro 2020, perdeu para a Inglaterra na fase dos 16 melhores. No ano seguinte, Löw deixou o comando da seleção, e nunca mais trabalhou como treinador.

Hoje com 63 anos, dirigiu um clube pela última vez em 2004. Mas vale lembrar que teve boa passagem pelo Stuttgart, onde ganhou a Copa da Alemanha em 1996/97, e pelo Tirol Innsbruck, time que levou à conquista do Campeonato Austríaco em 2001/02.

1 – Zinedine Zidane

Zidane está sem clube (Foto: Icon Sport)

No Real Madrid, Zinedine Zidane ganhou dois campeonatos espanhóis e incríveis três Champions League seguidas. No total, foram 11 taças nas duas passagens pelo clube.

Mas, foram apenas cinco anos exercendo a função de treinador. Deixou o Real Madrid em 2021, depois de passar uma temporada sem títulos. Dede então, é sempre lembrado. Recebeu propostas de clubes e seleções. Fala-se em França, Estados Unidos e Paris Saint-German. Por enquanto, nada.

O sucesso no Real Madrid é inquestionável. Lá, dirigiu jogadores como Cristiano Ronaldo, Benzema, Modric, Kross, Sergio Ramos e Marcelo. Seria ele capaz de levantar taças com o jovem elenco do Chelsea, sem nenhuma grande estrela?

Renato Senise
Renato Senise

Renato Senise é correspondente em Londres desde 2016. São mais de cinco temporadas cobrindo Premier League e Champions League. No currículo, duas Copas do Mundo “in loco”, além de entrevistas com nomes como Pep Guardiola, José Mourinho, Juergen Klopp, Marcelo Bielsa, Neymar, Kevin De Bruyne e Harry Kane.