Defender é preciso: defesa do Chelsea precisa melhorar para time subir de patamar

Blues levaram dez gols em escanteios, a segunda pior marca da Premier League

defesa chelsea
Ian MacNicol/Getty Images

A defesa do Chelsea precisa evoluir significativamente caso o clube almeje disputar os principais títulos. Na temporada 2019/2020 a equipe conseguiu a classificação para a Champions League. O resultado foi satisfatório para um time jovem que não pode fazer contratações. Mas a diretoria já deu pistas de que espera mais para as próximas temporadas.

O técnico Frank Lampard conseguiu instituir no Chelsea um estilo de jogo bem definido em seu primeiro ano no comando. A equipe troca passes com paciência e se movimenta bastante em busca do melhor momento e espaço para acelerar o jogo ofensivamente. Parece correto investir na continuidade desse sistema.

Porém, se os Blues pretendem se aproximar do nível de Liverpool e Manchester City, Lampard terá que lidar com o ponto fraco do time na última temporada: sua defesa. A diretoria do clube promete dar ao treinador novos atletas para auxiliá-lo nesse desafio.

Números não mentem: a defesa do Chelsea foi mal

Os números da defesa do Chelsea na temporada 2019/2020 da Premier League deixam claro o problema do time. Sofreu 54 gols. Disparada a pior marca entre os dez primeiros colocados. Vinte e um gols a mais do que o campeão Liverpool.

Um dos pontos que mais chamaram atenção durante a temporada foi a dificuldade em jogadas aéreas e bolas paradas. Isso é bem ilustrado pelas estatísticas de desempenho defensivo em escanteios.

O Chelsea levou dez gols em escanteios (segunda pior marca da Premier League, junto com Aston Villa). No entanto, o time foi o segundo que menos cedeu escanteios (131). Isso significa uma média baixíssima de 13,1 escanteios cedidos para cada gol sofrido nesse tipo de jogada (a pior da Premier League).

Outro ponto fraco da defesa dos Blues foram contra-ataques. A equipe costuma manter a posse de bola e avançar suas linhas defensivas para ter superioridade numérica no setor ofensivo. Quando perde a bola, tem dificuldade para recuperá-la rapidamente ou matar a jogada antes que se torne perigosa.

Quando os adversários avançam em seu campo defensivo o time apresenta muitos espaços entre seus atletas. A dificuldade para se recompor defensivamente é ainda maior quando as jogadas acontecem em velocidade.

Tudo isso é trabalho para Frank Lampard e sua comissão técnica. Cabe a eles organizar melhor a equipe para que haja um equilíbrio maior entre seu jogo ofensivo e defensivo. Mas há também uma questão de elenco. O Chelsea precisa de novos atletas para sua defesa.

defesa chelsea
Ian MacNicol/Getty Images

Reformulação

Uma punição da Fifa proibiu o Chelsea de fazer contratações para a temporada 2019/2020. Isso fez com que o time dependesse bastante de jogadores jovens em todos os setores do campo.

Sua defesa sofreu muito com isso, pois, além da impossibilidade de contratar, o clube ainda viu a saída de dois zagueiros experientes: Gary Cahill e David Luiz.

Os principais defensores disponíveis para os Blues durante a temporada foram Antonio Rüdiger, Kurt Zouma, Andreas Christensen, César Azpilicueta e Marcos Alonso, junto com várias jovens promessas.

Azpilicueta e Alonso foram importantes em vários momentos da temporada, mas fica claro que já não apresentam a mesma vitalidade de anos anteriores.

Rüdiger e Zouma demonstraram que têm valor para fazer parte da equipe. Um zagueiro de experiência internacional e vencedora seria de fundamental importância para ajudá-los a se firmarem ainda mais.

Antes mesmo de terminar a Premier League a diretoria do Chelsea demonstrou que investiria pesado para encorpar o elenco. Os atacantes Hakim Ziyech, vindo do Ajax, e Timo Werner, do RB Leipzig, já foram confirmados.

Leia mais: 6 jogadores ingleses que trocaram a Premier League por La Liga

Apesar dessas contratações serem muito boas, há pressão, tanto de torcida quanto de imprensa esportiva inglesa, para que o Chelsea foque em reforçar a defesa, seu principal ponto fraco.

A primeira resposta nesse sentido foi a contratação do lateral-esquerdo Ben Chilwell, vindo do Leicester. Foi a primeira contratação de peso do clube para o setor defensivo. Chilwell tem 23 anos e era jogador fundamental no esquema dos Foxes.

Outro sinal de que o Chelsea vai, sim, investir para dar a Frank Lampard ótimos jogadores para que ele tenha uma defesa forte é a contratação do zagueiro Thiago Silva.

O experiente brasileiro não renovou com o PSG ao fim de seu contrato. Vai ser um pilar na zaga dos Blues, podendo ajudar a crescer os potenciais de Rüdiger e Zouma.

E no gol?

O goleiro seria parte do problema da defesa do Chelsea nessa última temporada? O jovem Kepa Arrizabalaga chegou ao clube na temporada 2018/2019 como o mais caro do mundo em sua posição (80 milhões de euros, segundo Transfermarkt). Porém, tem falhado em justificar o investimento.

Kepa apresentou, várias vezes, talento e agilidade. Tem grandes defesas em seu currículo. Mas tem se mostrado inseguro em momentos importantes e sofrendo muitos gols “defensáveis”.

A Sky Sports, da Inglaterra, tem uma estatística chamada “Expected Goals” (gols esperados, em tradução livre). O veículo, através dela, se propõe a analisar quantos gols “defensáveis” cada goleiro da Premier League sofre. Também avalia quantos “gols esperados” os arqueiros conseguem evitar.

De acordo com essa avaliação, Kepa sofreu cerca de 13 gols que poderia ter evitado. Disparado o pior número entre os dez primeiros colocados do Campeonato Inglês.

Não se trata de uma estatística exata (há muita subjetividade na avaliação de o que seria um “gol defensável”), mas ela mostra, no mínimo, que há uma insegurança com relação ao desempenho de Kepa.

Para a mesma Sky Sports, Jamie Carragher, ex-zagueiro do Liverpool e atual comentarista, afirmou que “o Chelsea não vai progredir se não trocar de goleiro”.

Leia mais: 7 jogadores da La Liga que caberiam na Premier League

A diretoria do clube não fala abertamente se pretende investir em um novo goleiro. Porém, informações de bastidores dão conta de que ela está avaliando possibilidades nesse sentido.

O principal “sonho” do clube seria Jan Oblak, do Atlético de Madrid. Mas é muito difícil que essa contratação aconteça, pois o clube espanhol pede mais de 100 milhões de libras para iniciar uma negociação.

A Sky Sports apura que há possibilidade de os Blues fazerem uma investida por Nick Pope, destaque do Burnley. Se não conseguir contratar um grande goleiro para ser titular, é provável que o Chelsea invista em um bom atleta para, inicialmente, ser um reserva que coloque mais pressão sobre Kepa.

Nesse caso, o clube avalia opções como Mike Maignan, do Lille, e Sergio Romero, reserva do Manchester United, entre outros nomes.

Fato é que Frank Lampard terá em suas mãos um elenco mais forte do que o da última temporada. E será esperado dele que consiga fazer o time evoluir, inclusive em sua defesa, para disputar os principais títulos.