Copa do Mundo 2022: Conheça a Seleção Galesa

7 minutos de leitura

Certamente, uma das histórias mais incríveis no futebol atual é a da Seleção Galesa. Após polêmicas, crises internas e fracassos abundantes, finalmente o País de Gales será representado em uma Copa do Mundo 2022 novamente – a última participação foi há mais de 60 anos.

Enquanto isso, alguns dos maiores craques de todos os tempos vestiram a camisa dos Dragões. Então, confira aqui mais sobre esta seleção que, se não é uma das mais bem-sucedidas da história do esporte bretão, ainda tem uma trajetória que certamente vale a pena ser contada.

Histórico da Seleção Galesa

Inicialmente, nos primórdios do futebol, quando a bola ainda rolava por campos irregulares de Rugby na Inglaterra, surgiram as primeiras seleções nacionais.

Primeiramente, a Inglesa apareceu em 1863. Posteriormente, mais precisamente dez anos depois, foi a vez da Escócia lançar um time para representar o país. E então, em 1876 foi criada a Seleção Galesa de Futebol, a terceira mais antiga de toda a história.

Os primeiros anos dos Dragões foram de puro amadorismo. Aliás, a primeira partida disputada pelos galeses resultou em uma amarga derrota para a Seleção Escocesa por 4 x 0.

Contudo, ainda assim o País de Gales foi uma das quatro associações presentes na lendária International Football Conference. O encontro realizado juntamente com representantes da Irlanda do Norte, Inglaterra e Escócia em 1882 regulamentou uma série de regras fundamentais no futebol, que ainda era um esporte muito novo.

Então, em 1910 a Seleção Galesa se tornou membro da FIFA, o maior órgão do futebol mundial. Contudo, após uma série de divergências relacionadas ao pagamento de jogadores amadores, todas as seleções britânicas optaram por sair da organização. Consequentemente, o País de Gales deixou de disputar as três primeiras Copas do Mundo.

Paralelamente, as quatro seleções do Reino Unido realizavam anualmente uma competição que ficou conhecida como British International Championship.

Resumidamente, era um torneio surgido em 1883 que promovia embates entre todas as nações participantes, de modo que haviam medalhas de ouro, prata e bronze.

A saber, a Seleção Galesa conseguiu 12 medalhas de ouro, sendo assim a terceira que foi mais vezes campeã, ficando a frente apenas da Irlanda. Por fim, a última edição do torneio regional foi em 1983.

Após a 2ª Guerra Mundial, as Home Nations, como ficaram conhecidas as seleções do Reino Unido, decidiram voltar à FIFA. Desta forma, o País de Gales tentou se classificar para as copas de 1950, realizada no Brasil, e a de 1954, falhando em ambas.

No entanto, na década de 50 a Seleção Galesa viveu seus anos dourados. Assim, havia vários jogadores galeses notáveis como o capitão Cliff Jones, o lendário goleiro do Arsenal Jack Kelsey e John Charles, craque da Juventus e considerado por muitos da época como o jogador mais versátil da história.

Sendo assim, tal conjunto de bons atletas renderam ao País de Gales uma classificação para a Copa do Mundo de 1958.

Aliás, País de Gales merece o seu destaque na Copa do Mundo de 1958. Em suma, em sua primeira participação, a seleção conseguiu o 2º lugar do seu grupo e foi eliminada apenas nas quartas de final pelo Brasil por 1 x 0, partida que ficou marcada pelo primeiro gol de Pelé na história da competição.

Assim, as décadas seguintes foram pouco significantes para o futebol do time nacional galês. Ademais, a seleção bateu na trave durante várias eliminatórias para Copas do Mundo.

Então, foi apenas na segunda década do novo milênio que a Seleção Galesa voltou a ganhar algum destaque no cenário futebolístico mundial. Porém, antes disso, o país passou por severos dias de luto após o atual treinador da seleção nacional, Gary Speed, ter sido encontrado enforcado em sua garagem em Chester, Inglaterra.

Além disso, nunca se soube o real motivo do suicídio, mas há relatos de que o treinador passava por uma depressão profunda.

Para o seu lugar entrou Chris Coleman, galês que treinou a seleção de seu país de 2012 a 2017. Neste período, o País de Gales agitou consideravelmente o mundo do futebol ao ter se classificado para a Euro 2016 e ter avançado até a semifinal da competição.

Após ter sido eliminada, o grupo de jogadores foi recebido com uma enorme festa no país natal.

Enfim, em 2021, Ryan Giggs, até então técnico da Seleção Galesa, subitamente foi levado à delegacia sob as acusações de violência contra duas mulheres, sendo que uma delas era a sua namorada.

Após a polêmica com o ídolo do Manchester United, a Associação de Futebol do País de Gales decidiu por afastar o ex-jogador do cargo, elegendo Robert Page, interino, como o treinador principal. Atualmente, o galês ainda é o comandante do time nacional.

País de Gales até a Copa do Catar

Quando as eliminatórias da Copa de 2022 começaram na Europa e os grupos foram definidos, poucas pessoas apostaram numa passagem do País de Gales em um grupo com Bélgica e República Tcheca, países com mais experiência no futebol.

Contudo, a Seleção Galesa conseguiu quatro pontos contra a Seleção Tcheca e ainda segurou um empate no jogo contra os belgas. Além disso, os galeses foram muito bem em jogos contra Estônia e Belarus, que renderam pontos importantes para que terminassem na 2ª colocação do grupo.

Após a fase de grupos, a Seleção Galesa teve pela frente a Áustria, pela semifinal da repescagem. No confronto, 2 x 1 para os galeses e a vaga na final garantida. Detalhe, Gareth Bale, craque do time e ídolo da torcida, marcou ambos os gols.

Então, País de Gales teve a Ucrânia pela frente na fase final e uma vitória magra de 1 x 0 bastou paras os Dragões garantirem sua vaga para a Copa do Mundo do Catar.

Momento atual do País de Gales

Certamente, o Grupo B não será fácil para os galeses. A frente, a forte rival e vizinha Inglaterra; os Estados Unidos, com bons jovens jogadores, e o Irã, que corre por fora.

No entanto, a classificação para a próxima fase é possível, pois a Seleção Galesa conta com nomes como Harry Wilson, Neco Williams, Joe Allen e, principalmente, Gareth Bale.

Apesar disso, passar além das oitavas parece uma missão de superação. Será que os galeses vão surpreender novamente?

História de País de Gales em Copas

A princípio, a única participação da Seleção Galesa em Copas do Mundo foi na edição de 1958, quando foi eliminada nas quartas de final pela Seleção Brasileira. Ademais, os Dragões estiveram no Grupo 3 com Hungria, vice-campeã da Copa de 1954, Suécia, o país sede, e a Seleção Mexicana.

Dessa forma, País de Gales jogou quatro partidas nesta fase, sendo que duas foram contra os húngaros, tendo vencido uma vez e empatado outra, uma contra o México, um empate de 1 x 1, e outra contra os suecos num jogo sem gols. Então, a participação galesa na Copa de 1958 terminou contra o Brasil, que venceu os Dragões nas quartas de final por 1 x 0.

Por fim, a Seleção Galesa foi eliminada tendo jogado cinco jogos ao todo, perdido uma partida, vencido uma e empatado três. Além disso, os galeses marcaram e sofreram quatro gols, sendo que Ivor Allchurch foi o artilheiro, com dois tentos anotados.

Grupo do País de Gales na Copa do Mundo 2022

Grupo da Seleção Dinamarquesa na Copa do Mundo 2022
Grupo da Seleção Dinamarquesa na Copa do Mundo 2022

Top 5 maiores ídolos da Seleção Galesa

Cetramente, a Seleção Galesa teve vários jogadores notáveis em sua história. Apesar de não terem conquistado títulos de expressão pelo time nacional, eles se tornaram ídolos e fazem parte da história do esporte bretão. Assim, confira agora alguns dos maiores nomes.

John Charles

Um dos únicos casos de jogadores de alto nível que conseguiam jogar tanto como zagueiro, quanto como atacante e meio-campista é o de John Charles. Ademais, o galês, nascido em Swansea, começou sua carreira no Leeds United.

Nota-se que ali o atleta jogou por 297 vezes e marcou 157 gols, mantendo uma ótima média. Depois, foi para a Juventus onde melhorou a taxa de gols por partida, já que o jogador fez 108 tentos em 155 participações.

Além disso, pela Seleção Galesa, John Charles atuou por 15 anos, fez 38 partidas e marcou 15 gols. Aliás, o jogador foi um dos que marcaram na Copa do Mundo de 1958. Por fim, a última partida do galês foi em 1965.

Ivor Allchurch

Apelidado de “Menino Dourado” pela imprensa da época, Allchurch foi um dos maiores jogadores britânicos da história. Em suma o galês passou pelos dois maiores clubes do país, Swansea e Cardiff, e ainda jogou por quatro anos no Newcastle, na vizinha Inglaterra.

Pela Seleção Galesa, Allchurch fez 68 jogos e marcou 21 gols, sendo que dois deles lhe garantiram a posição de galês que mais marcou gols em Copas do Mundo. Ademais, jogador atuou por 20 anos no futebol profissional e encerrou a carreira no Swansea, time em que mais jogos fez na carreira, em 1968.

Ian Rush

Quem acompanhou o futebol inglês durante a era de ouro dos anos 80 e 90 com certeza não se esquece de um certo jogador alto, bigodudo, aparentemente desengonçado, mas com um faro de artilheiro de poucos. Assim, Ian Rush fez história com a camisa do Liverpool durante as duas últimas décadas do milênio passado.

Resumidamente, pelo clube de Merseyside foram mais de 15 títulos conquistados, dentre eles duas Champions e seis Campeonatos Inglês. Além disso, o centroavante é, até hoje, o maior artilheiro do time com 346 gols marcados em 664 jogos.

Aliás, pela Seleção Galesa, Ian Rush também não fez feio. Em suma, são 28 gols em 73 jogos, o que confere a ele a vice-artilharia na história dos Dragoês.

Por fim, um episódio marcante do centroavante pelo time nacional foi o seu tento anotado em um amistoso contra a Itália, em Brescia. Isso porque na época o jogador era bastante criticado pelo seu desempenho na Juventus, time italiano.

Ryan Giggs

Se tem um jogador que é quase uma imagem que representa um clube em certa época é o Ryan Giggs no Manchester United dos anos 90 e 00. Aliás, o jogador é um dos maiores da história do lado vermelho de Manchester, onde fez incríveis 963 jogos, em mais de 24 anos nos Red Devils, e anotou 168 gols.

Na seleção do País de Gales, Giggs também tem números expressivos. Em suma, são 64 jogos e 12 gols feitos pelo galês. Contudo, a recente polêmica de violência doméstica e o consequente afastamente do jogador do cargo de técnico do time nacional certamente deixa uma mancha nesta história.

Gareth Bale

A princípio, se tem algum nome que representa a classificação da Seleção Galesa na Copa do Mundo do Catar, este é o do ex-Real Madrid Gareth Bale. Ademais, o jogador, que começou como letaral-esquerdo no Southamptom, rapidamente ganhou destaque pelas suas habilidades ofensivas.

Deste modo, em 2010 Bale já era a principal estrela do Tottenham e uma das maiores revelações da Premier League. Então, em 2013 Bale se tornou o jogador mais caro da história do futebol na época ao ser vendido do Spurs para o time merengue por 101 milhões de euros.

Além disso, por País de Gales Bale já fez 39 gols em 106 jogos, sendo o maior artilheiro da história da seleção. Aliás, foram deles todos os gols que o time nacional fez nas duas fases da repescagem das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022.

Maiores artilheiros da Seleção Galesa

  • 39 gols – Bale
  • 28 gols – Ian Rush
  • 22 gols – Trevor Ford
  • 22 gols – Dean Saunders
  • 21 gols – Ivor Allchurch

Jogadores com mais jogos pela Seleção Galesa

  • Chris Gunter – 108 jogos
  • Gareth Bale– 106 jogos
  • Wayne Hennessey – 103 jogos
  • Neville Southall – 92 jogos
  • Gary Speed – 87 jogos

Títulos da Seleção Galesa

  • British Home Championship – 12x (1906/07, 1919/20, 1923/24, 1927/28, 1932/33, 1933/34, 1936/37, 1938/39, 1951/52, 1955/56, 1959/60, 1969/70).

Confira os convocados da Seleção Galesa

Goleiros

  • Adam Davies (Sheffield United)
  • Wayne Hennessey (Nottingham Forest)
  • Danny Ward (Leicester)

Defensores

  • Ben Davies (Tottenham Hotspur)
  • Ben Cabango (Swansea City)
  • Tom Lockyer (Luton Town)
  • Joe Rodon (Rennes)
  • Chris Mepham (AFC Bournemouth)
  • Ethan Ampadu (Spezia)
  • Chris Gunter (AFC Wimbledon)
  • Neco Williams (Nottingham Forest)
  • Connor Roberts (Burnley)

Meio-campistas

  • Sorba Thomas (Huddersfield Town)
  • Joe Allen (Swansea City)
  • Matt Smith (MK Dons)
  • Dylan Levitt (Dundee United)
  • Harry Wilson (Fulham)
  • Joe Morrell (Portsmouth)
  • Jonny Williams (Swindon Town)
  • Aaron Ramsey (Nice)
  • Rubin Colwill (Cardiff City)

Atacantes

  • Gareth Bale (Los Angeles FC)
  • Kieffer Moore (AFC Bournemouth)
  • Mark Harris (Cardiff City)
  • Brennan Johnson (Nottingham Forest)
  • Dan James (Fulham)
João Victor Santos
João Victor Santos

Sou João, brasileiro, um jovem sonhador de 24 anos e amante de futebol desde que me lembro. Tudo que eu sofro com o São Paulo, o Liverpool me recompensa (quase tudo).