Conheça a vitoriosa história do novo treinador do Blackburn

Conheça a vitoriosa história do novo treinador do Blackburn
Jon Dahl Tomasson pelo Feyenoord | Foto: Twitter/UEFA

Primeiramente, o ex-atacante Jon Dahl Tomasson é o novo treinador do Blackburn Rovers. O dinamarquês foi anunciado nesta terça-feira (14), e assinou um contrato até junho de 2025.

Além disso, o treinador estava sem equipe desde que saiu do Malmö, em 30 de dezembro de 2021. Contudo, realizou um trabalho convincente na equipe sueca. Assim, dando-lhe a oportunidade de encarar a nova aventura na Inglaterra com o Blackburn.

Agora, de volta à terra da rainha com o Blackburn, dessa vez como treinador, Tomasson terá a missão de levar a equipe de Ewood Park de volta à Premier League. Para contexto, os Rovers não disputam a competição desde a temporada 11/12.

História do novo técnico do Blackburn como jogador 

De antemão, o dinamarquês de 45 anos foi um ótimo centroavante em seus tempos de jogador, passando por vários clubes e sendo bastante vitorioso. Nesse sentido, Jon Dahl Tomasson iniciou sua carreira em 1992 no Köge BK, onde também participou das categorias de base. 

Heerenveen (94/95 a 96-97)

Em seguida, na temporada 94/95 assinou a custo zero com o Heerenveen, da Holanda. Para contexto, o jovem anotou 41 gols e 13 assistências em 88 jogos pela equipe, números que lhe garantiram a atenção do Newcastle, rival do Blackburn. Assim, na temporada 97/98 o clube desembolsou 3,90 milhões de euros para levar o dinamarquês para St. James’s Park.

Newcastle (97-98)

Entretanto, a vida na Inglaterra não foi fácil para Tomasson, que apesar de atuar em 35 oportunidades, só conseguiu marcar 4 gols e prover 3 assistências jogando pelos Magpies

Assim, em uma temporada decepcionante do clube, o Newcastle só conseguiu assegurar a 13ª colocação, um forte contraste com os dois vices conseguidos nas temporadas anteriores.

Feyenoord (98/99 a 01-02)

Em seguida, logo ao fim da temporada, o jogador retornou à Holanda, vendido pelo clube inglês ao Feyenoord, por 3,20 milhões de euros. Para contexto, o clube do povo, como é conhecido, havia terminado em 3º lugar na temporada anterior. Dessa forma, viam em Tomasson a possibilidade de ajudá-los a voltar a conquistar a Eredivisie, após 5 temporadas de seca.

Imediatamente, o centroavante voltou a apresentar o futebol que o fez ser reconhecido antes de ir para a Inglaterra. Assim, encerrou uma ótima temporada em 98/99 com 16 gols e 10 assistências nas 39 partidas disputadas. Vale ressaltar que além dos bons números, Tomasson ajudou o Feyenoord a por fim na espera e voltar a reinar na Holanda, conquistando o título nacional.

Em suma, o dinamarquês encerrou sua passagem no clube na temporada 02/03, quando rumou a custo zero ao Milan, para se juntar à constelação de craques da equipe rossonera. Desse modo, Tomasson saiu da Holanda como uma figura importante. Suas conquistas foram: 1 Eredivisie, 1 Supertaça da Holanda e 1 Copa da UEFA, atualmente conhecida como Liga Europa. Além disso, nas 163 partidas que disputou, anotou 70 gols e 19 assistências.

Milan (02/03 a 04-05)

Agora, fazendo parte de um elenco recheado com craques como: Dida, Nesta, Maldini, Pirlo, Seedorf, Gattuso, Rivaldo, Shevchenko e outras estrelas, o atacante estava em seu auge e rumava à glória. 

Entretanto, como era de se imaginar, Tomasson precisaria lutar para garantir seus minutos em um elenco tão competitivo, o que foi uma dificuldade para o dinamarquês. Para contexto, a estrela ex-Feyenoord terminou a temporada com 11 gols e 1 assistência, nas 36 partidas que disputou. De longe um resultado modesto, dado o seu retrospecto. Porém, terminaram a temporada campeões da UEFA Champions League e da Copa da Itália, nada mal para seu primeiro ano.

Por fim, nas 3 temporadas que esteve em Milão, é possível dizer que Tomasson teve uma passagem relativamente tímida no gigante italiano. Ainda mais porque, apesar das 113 partidas, conseguiu contribuir com 33 gols e 4 assistências. Decerto, um resultado pouco convincente para um atacante de seu nível.

Por outro lado, quanto aos títulos, o dinamarquês teve seu período mais vencedor da carreira. Tomasson fez parte de conquistas como: 1 Supercopa da UEFA,  1 Supertaça da Itália, 1 Campeonato italiano e os títulos da primeira temporada, citados anteriormente.

Jon Dahl Tomasson pelo Milan | Foto: Reprodução/Transfermarkt

Stuttgart (05/06 a 06-07)

Agora, já com 28 anos e multicampeão, Tomasson vai à Alemanha buscando mais oportunidades e voltar a ser destaque como fora na Holanda. Dessa forma, em agosto de 2005 o Stuttgart pagou ao Milan a quantia de 7,5 milhões de euros para assinar com o jogador.

Contudo, a realidade da equipe alemã era diferente das suas últimas experiências. Para contexto, o time de Baden-Württemberg havia terminado a última temporada da Bundesliga, na 5ª colocação.

Assim, ao fim da temporada 05-06, na qual os vermelhos terminaram na 9ª colocação. Inclusive, o dinamarquês se viu sendo pouco impactante nos resultados da equipe, sofrendo muito com lesões. Nesse sentido, apesar de atuar em 37 partidas, só conseguiu comemorar 11 gols e 3 assistências.

Por fim, tendo sido uma contratação marcante para a equipe, o dinamarquês se igualou a Fernando Meira como jogador mais caro da equipe. Porém, não conseguindo impactar como esperado, o jogador foi emprestado ao Villareal no meio da temporada seguinte. Inclusive, nos primeiros 6 meses de 06/07, Tomasson atuou em apenas 6 partidas, anotando 1 gol.

Villareal (06/07 a 07/08)

Agora na Espanha, o atacante tinha a oportunidade de se provar ainda ser capaz de grandes feitos. Em especial numa equipe que jogadores como: Marcos Senna, Robert Pirès, Diego Forlán e Juan Román Riquelme.

Em suma, essa foi a sua temporada mais frustrante. Afinal, o atacante atuou apenas 11 vezes pelos submarinos amarelos, conseguindo ir às redes em 4 ocasiões, tendo sido novamente assombrado por lesões. Assim, unindo ao seu montante da primeira metade da temporada, Tomasson atuou 17 vezes, deixando sua marca 5 vezes.

Nesse meio tempo ainda, viu seus companheiros em Stuttgart levantarem a tão sonhada salva de prata, se tornando campeão novamente após 15 anos. Inclusive, por fazer parte do elenco na primeira metade, também é considerado campeão. Apesar de não ter participado da outra parte da disputa.

Eventualmente, com o fim do seu empréstimo de apenas 6 meses, Tomasson deveria retornar ao Stuttgart como previsto. Entretanto, o Villareal acreditou no atacante e pagou 500 mil euros para tornar sua estadia permanente.

Dessa forma, concluiu sua passagem pela Alemanha com 43 partidas disputadas e apenas 12 gols e 3 assistências sob seu nome.

Definitivamente, o atacante já não possuía mais o mesmo faro de gol apresentado no início da carreira. Assim, com o fim da temporada 07/08, o atacante se viu com outra conclusão decepcionante. Dessa vez, foram 37 partidas disputadas e apenas 8 gols feitos.

Feyenoord (08/09 a 09/10)

Agora com 31 anos, após temporadas decepcionantes, Tomasson decidiu por retornar ao lugar onde fez de casa, foi feliz e se consagrou. Assim, retornou ao Feyenoord julho de 2008 a custo zero e com a esperança de voltar a fazer história na equipe holandesa.

Contudo, o jogador percebeu que de fato já não era mais aquele jovem que a alguns anos havia feito a torcida vibrar com seus gols e títulos. Afinal, Tomasson conseguiu atuar em apenas 16 partidas, tendo, novamente, perdido a luta contra as lesões.

Entretanto, mostrou que ali se sentia em casa. O atacante conseguiu voltar a ter o faro de outros tempos, anotando 10 gols e 2 assistências nas vezes que atuou.

Por fim, em 09/10, Jon Dahl Tomasson fez sua última temporada como jogador. Assim, entrou em campo pelo Feyenoord em 28 oportunidades, contribuindo com 12 gols e 3 assistências para uma equipe que tentava voltar a incomodar os rivais na tabela. 

Seleção da Dinamarca (97 a 10)

Contudo, é impossível falar do atacante sem falar de sua história na seleção dinamarquesa. Para contexto, Tomasson está empatado como maior artilheiro do país com 52 gols, ao lado de Poul Nielsen. O jogador é uma lenda que atuou no início do século XX e anotou incríveis 52 gols em 38 jogos pela seleção.

Inclusive, apesar de não ter ganho nenhum título pelo país, Tomasson tem seu nome cravado na história com seus gols e liderança. Tendo, inclusive, participado de 2 copas do mundo. Além disso, o jogador foi eleito 2 vezes o futebolista dinamarquês do ano, em 2002 e 2004.

Feitos e títulos do novo técnico do Blackburn

Dessa forma, o atacante cravou seu nome na história da equipe holandesa, sendo atualmente o 4º maior artilheiro do clube com 92 gols. Além , em sua carreira o dinamarquês atuou em 535 partidas, anotando 196 gols e distribuindo 50 assistências.

Além disso, o novo técnico do Blackburn é um multicampeão, tendo vencido: 1 Eredivisie, 1 Supertaça da Holanda, 1 Copa da UEFA, 1 UEFA Champions League, 1 Copa da Itália, 1 Supercopa da UEFA,  1 Supertaça da Itália e 1 Campeonato italiano. O que vem pela frente no Blackburn?