Canedo: Jude Bellingham é a mais nova grande coisa do futebol mundial

5 minutos de leitura

Não acredito que levei tanto tempo para escrever sobre Jude Bellingham. Eu o vi jogar pela primeira vez em 2020, com 17 anos, no Borussia Dortmund, quando já acumulava alguns recordes por sua precocidade e uma camisa (22) aposentada no seu antigo clube (Birmingham).

Quando soube deste fato pensei logo que se tratava de um enorme exagero, mas a justificativa talvez explique o sucesso. O Birmingham quer que Jude seja eternamente lembrado não só por ter atuado no time profissional com 16 anos e 38 dias, como também pela sua força mental – para inspirar os que ainda virão.

E por tudo que li, vi e ouvi, acredito realmente estarmos diante de um jogador geracional, especial da cabeça aos pés.

Início promissor dava mostras do que Bellingham seria

Bellingham formou-se remotamente enquanto atuava no Borussia Dortmund. Seu mentor universitário o descreveu como alguém que “poderia ser advogado, professor ou repórter que ainda seria um dos melhores”. Na escola, Jude também se destacou em outros esportes, como corridas de longa e curta distância e críquete.

Thomas Delaney, companheiro no clube alemão, comparou sua personalidade com a de Erling Haaland, por ter “um fio solto que considero muito importante, a vontade de vencer nos treinos e em todas as áreas do jogo”.

O que estamos testemunhando no Real Madrid, portanto, não é surpresa para muita gente que já o acompanhava. E acreditem: os maiores clubes do mundo já sabiam disso há muito tempo.

Até mesmo na gestão da carreira Jude acertou. Provavelmente não há clube melhor no mundo para desenvolver grandes talentos quanto o Borussia Dortmund. É claro que ele ganharia um salário maior se optasse pelo salto à Premier League, mas havia um risco enorme de cair numa barca furada, como o Manchester United, por exemplo.

Foram três temporadas completas na Alemanha. Começou como volante e aos poucos foi subindo no campo, mas sem perder as características de um meio-campista completo. Tanto que na temporada 2022/23, a sua última, foi o 9º da Bundesliga em desarmes por jogo, enquanto contribuiu com 8 gols e 4 assistências lá na frente.

Real Madrid: o lucro absurdo do Borussia Dortmund com Jude Bellingham
Bellingham deixou o Borussia Dortmund rumo ao Real Madrid (Foto: Icon Sport)

Bellingham é ‘tudo' e só cresce

Há quem veja traços de Steven Gerrard por sua facilidade ir de uma área à outra, ou de Zinedine Zidane, pela capacidade de improvisação em espaços pequenos e passadas largas, bem como movimentos de Paul Gascoigne (um craque que o futebol inglês perdeu para as tentações da vida).

Ele não é o mais forte, rápido, habilidoso ou artilheiro. Mas reúne todas essas características. E parece saber exatamente o que fazer a ponto de já ter 11 gols e 3 assistências em 12 jogos pelo Real Madrid. Pisa na área quando precisa para não deixar de ser um elemento surpresa.

Sim, ele chegou ontem ao maior clube do mundo e lá parece estar há uma década. Encaixou no novo esquema de Carlo Ancelotti como talvez nenhuma outra peça seria capaz. Foram feitos um para o outro.

Além disso, outros aspectos extracampo são determinantes para Bellingham ser hoje um dos melhores jogadores do mundo. Ao site “The Athletic”, uma fonte do clube se disse impressionada com o quanto ele investiu em si mesmo para se tornar um jogador “360 graus”.

E nisso se enquadram comunicação com a imprensa (ele fala como um veterano), competitividade, liderança (foi o mais jovem capitão na história da Bundesliga aos 19 anos), o lado psicológico, a forma como se prepara para os jogos…

Se você nunca buscou olhar suas partidas com esse viés, talvez valha a pena. Afinal, estamos diante da nova grande coisa do futebol mundial.

Bellingham real madrid
Bellingham pelo Real Madrid (Foto: Icon Sport)
Victor Canedo
Victor Canedo

Victor Canedo trabalhou por 12 anos como repórter de futebol internacional no Grupo Globo. E até hoje mantém o hábito de passar as manhãs e tardes dos fins de semana ouvindo a voz de Paulo Andrade. Para equilibrar a balança dos colunistas deste site, é torcedor do Arsenal desde Titi Henry.