Senise: Libertem a Palestina… e o West Ham!

3 minutos de leitura

Moro a menos de cinco quilômetros do London Stadium.

Quase que diariamente, passo pelo canal que leva até a “nova” casa do West Ham. Sempre dou risada ao ler esta frase aleatória, visivelmente escrita por duas pessoas diferentes, em uma ponte: “Libertem a Palestina… e o West Ham”.

renato senise coluna 1
Mensagem escrita a duas mãos (Foto: Renato Senise)

E este é o sentimento dos torcedores dos Hammers.

O clube não levantava uma taça há 43 anos. A última conquista tinha sido a Copa da Inglaterra de 1979/80.

Os fanáticos do West Ham (que não são poucos), queriam (ou ainda querem?) se ver livres de gente como David Sullivan e Daniel Kretinsky, acionistas majoritários do clube, que não se resolvem sobre quem realmente manda, toma as decisões. 

Queriam (ou ainda querem?) se ver livres de David Moyes, técnico que para muitos leva a campo um time extremamente defensivo, que não explora as qualidades dos jogadores que tem em mãos.

Com certeza, ainda querem se ver livres de anos e anos em que a única ambição é conseguir se manter na Premier League.

E o que às vezes passa meio que despercebido no Brasil, é o tamanho do West Ham. Sem dúvida, um dos clubes mais tradicionais na Inglaterra.

Foi fundado em 1985 por trabalhadores da Thames Ironworks and Shipbuilding Company Ltd, então um estaleiro no Rio Tâmisa. Tem, desde a origem, a história ligada à classe operária.

E está localizado em uma região de gente trabalhadora mesmo. East End, o leste de Londres. Aliás, uma área que está sendo revitalizada e que hoje tem um cenário alternativo muito legal, com pubs “old scholl” e uma cena cultural bem diversa e interessante.

estadio west ham e rio tamisa
O rio Tâmisa e ao fundo, o London Stadium, onde joga o West Ham. Est End, Londres. (Foto: Renato Senise)

A região vem ganhando ares de modernidade principalmente depois da Olimpíadas de Londres de 2012. Evento que trouxe uma mudança drástica para o clube e seus torcedores.

Desde 2016, o West Ham passou a jogar no London Stadium. Construído para os jogos olímpicos, é hoje o estádio da Inglaterra onde a torcida fica mais longe do campo. Disparado.

Até por isso, dez em cada dez torcedores raízes, daqueles que vão em todos os jogos, dizem sentir saudades do Boleyn Ground, o famoso Upton Park. A energia dentro do estádio nunca mais foi a mesma.

Acompanhando a trabalho dezenas e dezenas de jogos nos últimos anos, percebi uma torcida inquieta. Sem confiança. Que, por razões completamente compreensíveis, sente muito o golpe a cada gol tomado, a cada falha capital, a cada resultado ruim. 

Talvez as coisas comecem a mudar depois do título da Conference League. Tem até parada dos campeões! Torcedores celebrando com seus heróis, em um trajeto que sai pertinho do antigo estádio, na Green Street, até as proximidades da nova arena, em Stratford.

Uma geração inteira se reunindo pela primeira vez para gritar “é campeão”.

Fiorentina
07/06/23 - 16:00

Finalizado

1

-

2

West Ham

Fiorentina - West Ham

UEFA Liga Conferência - Eden Arena

1° Turno

É claro que a alegria não poderia vir sem uma dose de sofrimento: Declan Rice, ídolo do clube, maior símbolo da conquista, está de malas prontas. O próprio presidente do West Ham, David Sullivan, confirmou que o jogador não quis renovar e já decidiu que vai sair nessa janela de transferências.

Mas… deixemos isso pra lá. É hora de comemorar. O West Ham pode, finalmente, ter sido libertado nesta quarta-feira.

Renato Senise
Renato Senise

Renato Senise é correspondente em Londres desde 2016. São mais de cinco temporadas cobrindo Premier League e Champions League. No currículo, duas Copas do Mundo “in loco”, além de entrevistas com nomes como Pep Guardiola, José Mourinho, Juergen Klopp, Marcelo Bielsa, Neymar, Kevin De Bruyne e Harry Kane.