Canedo: a minha solução para salvar a Data Fifa

5 minutos de leitura

Mais uma Data Fifa. Sentei no sofá para assistir a um Brasil x Bolívia na estreia das Eliminatórias pelo dever e curiosidade na estreia de Fernando Diniz. Fiz o mesmo quatro dias depois para Peru x Brasil, um jogo que começou às 23h (de Brasília). No fundo, não fosse a obrigação profissional, eu provavelmente teria feito outra coisa. Invejo quem pôde fazer.

As Eliminatórias sul-americanas, definitivamente, não são a Premier League

Na verdade, o futebol de seleções como um todo está longe de gerar a mesma empolgação que tenho quando chega um sábado de manhã com Brighton e Newcastle em campo. E não tem nenhum personagem aqui, eu realmente acredito nisso  😂.

Já não era tão legal antes, mas hoje, com uma Copa do Mundo classificando 48 seleções, uma reforma se faz necessária. E me dói saber que houve essa oportunidade, especialmente na América do Sul, mas decidiram pela manutenção do formato.

Agora serão 6 de 10 participantes garantindo vaga direta. O sétimo vai para uma repescagem, o que abre caminho para 70% do continente estarem na Copa. Não precisamos ser gênios para perceber que, neste sistema de pontos corridos, com 18 rodadas, ida e volta, as eliminatórias serão um longo e modorrento inverno.

Talvez por isso, CBF e AFA tenham se posicionado favoráveis à mudança. As demais confederações pensaram no dinheiro da venda dos direitos (cada uma tem nove jogos em casa para negociar), votaram contra, e o resultado é esse aí. Vitórias e empates que não passarão de mera formalidade, com a classificação assegurada matematicamente já na virada do turno.

Para a Venezuela talvez seja emocionante, é claro.

Acho, também, que o problema é maior do que as eliminatórias. E sei que não estou sozinho: na bolha das redes sociais muitos celebraram o apito final de Peru x Brasil como o fim dessa Data Fifa.

Estamos acostumados com o calendário de clubes, a temporada europeia entregando entretenimento com a Liga dos Campeões batendo à porta, Copa do Brasil, Brasileiro e Libertadores nos seus momentos finais… Não é a mesma coisa que ver Espanha x Chipre ou Portugal x Luxemburgo, sabe? Até mesmo um amistoso Alemanha x França não empolga.

Mas qual seria a solução? Acredito que ela passe por diminuir a quantidade de jogos e também o número de pausas no calendário. Atualmente, excluindo as competições oficiais como Copa América, Eurocopa e Copa do Mundo, há cinco períodos de Data Fifa: março, junho, setembro, outubro e novembro.

Data Fifa dividida em duas grandes janelas

A Fifa já concordou em unir os períodos de outubro e novembro em um só a partir de 2026, mas ainda acho demais. Por isso minha sugestão seria concentrar as Datas Fifa em duas janelas (em março e outubro, talvez?) de 19 dias, podendo realizar até cinco jogos em cada.

As duas pausas em momentos distantes do ano ajudariam também a criar o senso de raridade. E se não é banal, como na atualidade, tende a ser mais especial.

Claro que seria preciso um acordo mundial entre Fifa, Uefa, Conmebol, CAF, Concacaf… As seleções jogarem menos significa menos dinheiro envolvido para elas – e mais para os clubes, parte interessada nessa história.

Tanta coisa que, conhecendo minimamente como funciona a política do jogo, não passaria de sonho.

Mas eu prefiro sonhar do que viver esse pesadelo (com permissão para o exagero).

Victor Canedo
Victor Canedo

Victor Canedo trabalhou por 12 anos como repórter de futebol internacional no Grupo Globo. E até hoje mantém o hábito de passar as manhãs e tardes dos fins de semana ouvindo a voz de Paulo Andrade. Para equilibrar a balança dos colunistas deste site, é torcedor do Arsenal desde Titi Henry.