5 clubes que ficaram sem título após abrirem largas vantagens

Eles começaram muito bem o torneio, mas deixaram a desejar na reta final

0
347
clubes que ficaram sem título - gerrard slip

A era Premier League teve início na temporada de 1992/93 e desde então, apenas 6 clubes conseguiram o título da competição. São eles: Manchester United, Chelsea, Arsenal, Manchester City, Blackburn e Leicester.

Em algumas dessas ocasiões, o clube que conquistou o título inglês não era exatamente o grande favorito e teve que reverter uma boa vantagem de pontos sobre um rival.

Separamos 5 exemplos de clubes que tinham tudo para se tornar campeões, mas que desperdiçaram grandes vantagens ao término da temporada.

Confira 5 clubes que ficaram sem título após abrir largas vantagens

5- Liverpool (2013-14)

Escorregão de Steven Gerrard foi fundamental para a perda do título do Liverpool. (Foto: Getty)

Essa não foi uma das maiores vantagens na liderança desperdiçadas por um clube, mas sem dúvida foi uma das mais chocantes, além de ser o exemplo mais recente para quem acompanha o futebol inglês há pouco tempo.

A equipe comandada por Brendan Rodgers estava a poucos jogos de vencer o campeonato após 24 anos e conquistar a primeira Premier League de toda a sua história.

Com três jogos restantes, o Liverpool estava com uma vantagem de 3 pontos sobre o Manchester City.

Para isso, os Reds contavam com um ataque avassalador formado por Luis Suarez e Daniel Sturridge, que tiveram participação extraordinária para o time marcar 101 gols em toda a temporada.

A temporada também ficou marcada pelas 13 assistências de Steven Gerrard, que estava atuando em altíssimo nível. No entanto, o que se lembrará de Gerrard naquela temporada é de um erro crucial.

Leia mais Quiz: Que treinador da Premier League você é?

Em uma partida contra o Chelsea, já no final da temporada, o lendário meia inglês tinha a posse da bola no campo de defesa, mas acabou escorregando no gramado do Anfield, deixando a bola de presente para Demba Ba marcar um dos gols da vitória de 2 a 0 dos Blues.

O golpe final veio na rodada seguinte. O Liverpool abriu 3 a 0 sobre o Crystal Palace no Selhurst Park, mas acabou cedendo o empate para a equipe de Londres.

Na ocasião, o artilheiro Luis Suarez deixou o campo aos prantos, já que faltava apenas uma rodada e o Liverpool não dependia só de si.

Na última rodada, o Liverpool até fez a sua parte e derrotou o Newcastle por 2 a 1, mas o Manchester City venceu o West Ham por 2 a 0 e confirmou o título.

Luis Suarez deixa o campo chorando após o Liverpool ceder o empate contra o Crystal Palace. (Foto: Getty)

4- Arsenal (2007-08)

Apesar de uma boa campanha que acabou com um término frustrante para o torcedor do Arsenal, essa acabou sendo uma das temporadas mais polêmicas do clube com relação a algumas negociações.

Dois ídolos do clube que foram peças fundamentais dos “The Invencibles” acabaram sendo negociados. Thierry Henry foi vendido para o Barcelona e Freddie Ljungberg foi para o West Ham.

Além deles, o espanhol José Antônio Reyes, que por muito tempo foi considerado um talismã de Arsene Wenger no clube, acabou sendo negociado para o Atlético de Madrid.

Temporada ficou marcada pela despedida do ídolo Thierry Henry, que foi vendido para o Barcelona (Foto: Arquivo/FC Barcelona)

A reposição para Henry acabou sendo muito polêmica e contestável. O clube havia acertado a contratação do brasileiro naturalizado croata, Eduardo da Silva, junto ao Dínamo Zagreb.

Apesar da polêmica, Eduardo conseguiu bons números para alguém que estava vindo de um futebol mais alternativo. Foram 31 jogos com 12 gols marcados e uma grave contusão que ameaçou a sua carreira.

Em uma partida contra o Birmingham pela Premier League, Eduardo teve a perna esquerda fraturada em uma dividida com o zagueiro Martin Taylor, que acabou sendo expulso no lance. Com isso, ele perderia o restante da temporada.

Contratado para substituir Thierry Henry, Eduardo da Silva sofreu uma grave lesão em jogo contra o Birmingham (Foto: Getty)

A partir daí, o clube caiu bastante de rendimento. Com apenas uma vitória em 8 jogos realizados entre fevereiro e abril, os Gunners viram o Chelsea e o Manchester United ultrapassarem o clube na tabela, fazendo a equipe de Arsene Wenger terminar na 3ª colocação.

Leia mais Paul Gascoigne: as loucuras e vícios de um craque inigualável

3- Arsenal (2002-03)

Apesar de não conquistar o título da temporada de 2002-03, essa acabou sendo uma temporada fundamental para o Arsenal em termos de construção da equipe que seria uma das mais vitoriosas da história do clube.

Para aquela temporada, o clube não contaria com o lendário e atual capitão do elenco Tony Adams, que acabou se aposentando. Para o seu lugar, o meia francês Patrick Vieira foi nomeado capitão.

Este ano também ficou marcado pelo início da trajetória de Gilberto Silva no clube. Recém-campeão mundial com a seleção brasileira, o jovem mineiro de Lagoa da Prata foi contratado junto ao Atlético-MG e iniciou uma linda trajetória com a camisa dos Gunners.

Recém-campeão mundial com a seleção brasileira, Gilberto Silva chegava ao Arsenal junto ao Atlético-MG (Foto: Shaun Botterill/Getty)

Em março de 2003, o Arsenal conseguiu uma vantagem de 8 pontos sobre o Manchester United, o que encaminhava o título para a equipe de Arsene Wenger.

No entanto, uma série de empates no mês de abril, seguida de uma frustrante derrota de 3 a 2 para o Leeds dentro do Highbury complicou a vida do Arsenal.

A equipe viu a sua vantagem despencar e o Manchester United tomar a ponta de vez.

Foram 15 vitórias nos últimos 18 jogos da Premier League conquistados pela equipe de Sir Alex Ferguson. A equipe levou o título com 5 pontos de vantagem sobre os Gunners, que viriam a vencer a FA Cup naquela mesma temporada mais tarde.

Temporada ficou marcada por uma frustrante derrota para o Leeds United em pleno Highbury. (Foto: Divulgação/Premier League)

Leia mais Como um cachorro salvou o Manchester United da falência

2- Manchester United (1997-98)

Um jovem David Beckham comemora um gol contra o Chelsea ao lado de nomes como Ole Gunnar Solksjaer, Teddy Sheringham e Andy Cole (Foto: Getty)

O Manchester United vinha de um grande problema decorrente da temporada anterior.

Em uma partida contra o Crystal Palace, o lendário atacante francês Eric Cantona agrediu um torcedor do time adversário com vários socos e pontapés, o que decorreu em sua suspensão imediata do futebol, além de diversas multas para o seu bolso.

O francês Eric Cantona, não participou daquela temporada do clube após agredir um hooligan da torcida do Crystal Palace e ser punido pela FIFA. (Foto: RexMailPix)

Com isso, os Red Devils não contavam com sua grande estrela para a próxima temporada, tendo que buscar alguém para comandar o ataque. A solução foi buscar um jogador que atuava na Inglaterra, por um preço não tão salgado e que acabou dando muito certo.

Tratava-se do atacante inglês Teddy Sheringham, que foi contratado junto ao Tottenham por 3,5 milhões de libras. Com isso, Roy Keane passava a ser o capitão da equipe.

Com uma vantagem de 11 pontos sobre o Arsenal faltando 9 rodadas para o término da Premier League, o título parecia encaminhado para o Manchester United, mas a equipe de Alex Ferguson acabou decepcionando.

No confronto direto entre Red Devils e Gunners no Old Trafford, que ocorreu em março de 1998, o Arsenal acabou vencendo por 1 a 0 com gol de Marc Overmars e colocou pressão no Manchester United.

No final da temporada, o título foi para os comandados de Arsene Wenger, que ficaram apenas 1 ponto na frente (78 a 77) e conquistaram o seu 11º troféu.

1- Newcastle United (1995-96)

O lendário Kevin Keegan comandou a equipe do Newcastle em uma temporada que os Magpies ganharam o carinho de todo o Reino Unido. (Foto: Getty)

Na temporada de 1995/96, o Newcastle ganhou o carisma de todo o Reino Unido, quando a equipe comandada por Kevin Keegan disputou o título de campeão da Premier League até acabar perdendo a força.

O clube investiu bastante em reforços e trouxe nomes famosos como Warren Barton, Les Ferdinand e Faustino Asprilla.

Após o término do primeiro turno, a vantagem sobre o rival mais próximo, o Manchester United, era de 12 pontos.

Apesar disso, as coisas não ocorreram da forma como os Magpies planejavam.

Após fazer 21 gols nos primeiros 24 jogos, o desempenho do artilheiro Les Ferdinand acabou caindo junto com o time. O inglês anotou apenas 4 gols nos últimos 17 jogos. Além disso, o Newcastle somou 17 pontos dos últimos 30 possíveis.

Com isso, a equipe comandada por Alex Ferguson ultrapassou o Newcastle e foi campeão somando 82 pontos contra 78 do time do nordeste inglês.

O clube viria a ser vice-campeão de novo na temporada seguinte em uma disputa direta contra o mesmo Manchester United. Os Red Devils levaram a melhor novamente após terminar a competição com 75 pontos contra 68 dos Magpies.

Acompanhe a PL Brasil no Youtube