Clubes ameaçam boicote que pode chacoalhar futebol inglês após mudança polêmica

6 minutos de leitura

A FA Cup, também conhecida como Copa da Inglaterra, oficializou mudanças nas regras do torneio para a próxima temporada. A partir edição de 2024/2025, os replays não serão mais realizados em caso de empate. A decisão enfureceu clubes de divisões inferiores, que ameaçam boicotar a copa.

No atual regulamento, até as oitavas de final, em caso de empate, as equipes se enfrentam novamente em mando de campo invertido. É o chamado replay. No entanto, a mudança prevê que, a partir da próxima temporada, todos os confrontos serão em jogo único e, em caso de igualdade no placar, será realizada prorrogação e, se necessário, pênaltis.

Clubes ameaçam boicote à FA Cup

A retirada dos replays podem favorecer os times da Premier League, visto que serão realizados menos jogos e irá diminuir os compromissos no calendário. No entanto, os clubes da EFL (English Football League, ou Liga de Futebol Inglesa na tradução livre e órgão responsável pelas equipes da segunda, terceira e quarta divisões) discordaram das decisões da FA Cup.

Os jogos do replay são considerados uma ótima oportunidade para times menores conseguirem uma grande fonte de renda. As receitas de público são divididas entre os clubes, além das transmissões, que geram de 40 mil a 55 mil libras (de R$ 252 mil a R$ 346 mil) para cada.

O anúncio foi feito pela federação inglesa na quinta-feira (18) e, desde então, clubes emitiram declarações condenando as mudanças da federação. O presidente do Accrington Stanley, Andy Holt, fez apelo que os times se unissem em um boicote.

— Eu apoiaria um boicote se um número suficiente de clubes sentisse o mesmo.

Nesta sexta-feira (19), equipes como Walsall, Rotherham, Middlesbrough, Portsmouth, Plymouth, Newport e Wigan divulgaram notas criticando as mudanças na FA Cup.

Em comunicado ao jornal “Telegraph”, o presidente do Tranmere Rovers, Mark Palios, demonstrou apoio à decisão de boicote dos clubes e afirmou que os representantes precisam discutir sobre o assunto antes de realizar as mudanças na competição.

— É preciso haver mais debate. Mas se essa fosse a situação que a maioria dos clubes sentia, eu apoiaria.

Governo emite nota contra FA Cup

Copa da Inglaterra
(Foto: Icon Sport)

As mudanças da FA Cup não irritaram apenas os clubes. O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, também demonstrou insatisfação com o novo regulamento da Copa da Inglaterra.

Em nota, Sunak defendeu a realização dos replays e a oportunidade para os clubes conseguirem levantar fundos para a temporada, principalmente nos confrontos entre times menores contra equipes da Premier League.

— Os jogos de Davi e Golias fazem parte da magia da Copa. Sabemos que os replays têm sido uma fonte de renda bem-vinda para clubes menores ao longo dos anos. Estas são, no entanto, decisões que cabem às autoridades do futebol. Mas claramente cabe à FA e à Premier League explicar esta decisão e porque é do interesse dos torcedores.

Federação culpa Premier League e EFL

Em nota divulgada nesta sexta-feira (19), a Federação Inglesa afirma que a Premier League e EFL estavam cientes de todas as mudanças que seriam realizadas na Copa da Inglaterra, visto que participaram das reuniões. Ela também alega que as discussões sobre os calendários estão ocorrendo há mais de um ano.

Steve Kavanagh, executivo do Millwall e membro do conselho da EFL, concedeu entrevista ao “Telegraph” e criticou a nota da federação. Ele afirma que a organização culpa a EFL pelas decisões sobre a Copa da Inglaterra.

— Estou incrédulo. Para a FA não assumir a responsabilidade pelas suas próprias ações, pelos seus próprios acordos, é uma covardia. Na verdade, sou vice-presidente do comitê da FA Cup. Eu nem recebi uma notificação naquele comitê. Nenhuma conversa real ocorreu naquele comitê sobre isso.

Segundo o “Telegraph”, os replays foram vendidos e a final da Copa da Inglaterra será realizada durante o penúltimo final de semana da temporada da Premier League. A organização da primeira divisão inglesa pagou 55 milhões de libras (R$ 352 milhões) por ano para realizar as mudanças.

Gabriel Lemes
Gabriel Lemes

Me formei em Jornalismo pela Univap em 2019 e sou redator da PL Brasil. Já escrevi para o Quinto Quarto, Minha Torcida, Futebol na Veia e Portal Famosos.