Chelsea Women na Champions League: a busca pelo primeiro título

As Blues podem conquistar feito inédito em sua história

0
232
John Walton

Após bater na trave duas vezes, o Chelsea Women finalmente chegou à final da UEFA Women’s Champions League após grande temporada da equipe sob comando da técnica Emma Hayes.

A equipe londrina conta com grandes estrelas essa temporada. O primeiro destaque é Pernille Harder, melhor jogadora europeia da temporada passada. Além dela, Samantha Kerr e Francesca Kirby formam o trio de ataque responsável por mais de 45 gols. Já Ann-Katrin Berger é um dos maiores destaques após defender cobranças de pênalti e grandes finalizações durante a competição.

Chelsea Women na Champions League

Chelsea 8×0 Benfica (agregado)

A estreia na competição europeia foi em uma goleada por 5 a 0 no Benfica. Assim, a partida teve início precoce aos dois minutos com um gol de Fran Kirby e, durante o primeiro tempo, foram mais três gols – Millie Bright, Kirby e Harder. No segundo tempo, Bethany England finalizou a partida com o último gol; Guro Reiten foi o nome do jogo ao dar quatro assistências.

Na partida de volta, com time misto, as Blues fizeram 3 a 0 no Benfica, com dois gols de Sam Kerr e um de England, além de mais duas assistências de Reiten. Logo, foi um confronto muito tranquilo, principalmente devido à qualidade técnica da equipe benfiquista.

Andy Rowland Imago

Chelsea 3×1 Atlético de Madrid (agregado)

Entre todas as opções de adversários nas oitavas de final, o Atlético de Madrid era a equipe mais competitiva e que poderia dar trabalho à equipe londrina. Mesmo assim, Hayes estruturou muito bem a sua equipe para conseguir a vantagem. Na partida de ida, Sophie Ingle foi expulsa aos 13 minutos do primeiro tempo, causando uma mudança na estrutura do Chelsea logo no início. Depois, Berger defendeu pênalti de Deyna Castellanos.

No segundo tempo, Maren Mjelde marcou de pênalti e, minutos depois, Kirby marcou o segundo. No final da etapa, outro pênalti para o Atlético de Madrid e a equipe mudou a cobradora, com Merel van Dongen também perdendo o pênalti para Berger.

Na partida de volta, o Atleti deu mais perigo à equipe inglesa. O técnico José Luís Sánchez segurou bem a sua estrutura e o Chelsea só foi marcar aos 32 minutos do segundo tempo com Mjelde de pênalti. Antes, Toni Duggan também perdeu pênalti, ao acertar a bola na trave. Nos acréscimos, Emelyne Laurent fez o gol de honra para as espanholas.

Chelsea 5×1 Wolfsburg (agregado)

Em um dos confrontos mais esperados para a prova de fogo da equipe azul, Hayes conseguiu ser vitoriosa. Na primeira partida, o 0 a 0 permaneceu presente durante os primeiros 45 minutos. Aos 10 minutos da segunda etapa, Kerr abriu o placar para o Chelsea e aos 21 minutos, a australiana assistiu à “lei do ex” Harder, que ampliou para as Blues. Quatro minutos depois, Dominique Janssen diminuiu para as alemãs.

No jogo de volta, o Chelsea se mostrou dominante e conseguiu anular a equipe alemã. Aos 27 minutos, Harder marcou de pênalti e em seguida Kerr ampliou o placar. No final da segunda etapa, Kirby marcou o terceiro para consolidar a vaga nas semifinais da competição.

Leia mais: 22ª rodada da WSL 2020/2021: resumo dos (últimos) jogos da Women’s Super League

Chelsea 5×3 Bayern

Se a partida contra o Wolfsburg era a mais esperada, o confronto contra o Bayern foi o mais difícil. Dessa maneira, a partida de ida foi a única derrota de Hayes na competição, em um 2 a 1 com Hanna Glas dando um show em cima das Blues. Aos 12 minutos, Glas encontrou Sydney Lohmann bem na área para abrir o placar para as bávaras e 10 minutos depois, a lei do ex funcionou com Melanie Leupolz. No início do segundo tempo, Glas marcou o gol do desempate.

Na partida de volta, Hayes retribuiu o nó tático para Jens Scheuer. Aos 10 minutos, Kirby abriu o placar e aos 29 minutos, Sarah Zadrazil empatou para o Bayern. No final do primeiro tempo, Ji So Yun colocou o Chelsea na frente novamente. Nos minutos finais da segunda etapa, Harder e Kirby fizeram suas partes e levaram o placar a uma goleada das Blues, encaminhando a classificação e o sucesso do Chelsea Women na Champions League.

Leia mais: Lewes FC, o clube que promove igualdade salarial de gênero

Final da Champions

Para a partida da final, é esperado um grande show das duas equipes estreantes, que podem levar um título inédito para casa. Logo, tanto Chelsea como Barcelona possuem um trio de ataque com bastante qualidade, com as catalãs contando com um meio de campo bem forte fisicamente e as inglesas um meio-campo habilidoso.

Na zaga, o Barcelona não contará com Andrea Pereira, suspensa por cartões amarelos, e terá que improvisar alguma de suas volantes de marcação – tudo indica que seja Patricia Guijarro.

Ademais, possui também algumas falhas nas laterais. Em contrapartida, do lado das Blues, Hayes terá duas jogadoras jovens e que evoluíram bastante nos extremos – Jess Carter e Niahm Charles – além de Magda Eriksson e Millie Bright na zaga, seguras em defesas e inseguras em saída de bola.

A final da Champions será amanhã às 16h no estádio Gamla Ullevi, em Gothemburgo, na Suécia, com transmissão da ESPN.