Chelsea tem brasileiro como peça central para contratações de jovens na América do Sul

5 minutos de leitura

Quem pensou que o Chelsea diminuiria seu investimento em jovens após o acerto com Estevão Willian se enganou. A equipe planeja seguir cada vez mais agressiva nas buscas por talentos promissores em prol de um projeto ambicioso liderado pela BlueCo.

O bilionário russo Roman Abramovich acostumou o mundo com contratações de astros já consagrados para os londrinos. A história em Stamford Bridge agora é outra e tem o futuro no horizonte, como explicou o site “The Athletic”.

Chelsea manterá investimento em jovens

A intenção dos Blues agora é reunir os melhores jovens possíveis. Não necessariamente o time fará contratações tão caras como a de Estevão, que custará cerca de 65 milhões de euros (R$ 448 milhões). Contudo, a busca por adolescentes segue e a prova está sempre no próximo momento do time.

O Chelsea agora negocia com Aaron Anselmino, uma joia do Boca Juniors. O jovem tem apenas 19 anos, é zagueiro e pode custar 20 milhões de dólares (R$ 108,4 milhões).

A atual gestão está gastando seis vezes mais que Roman Abramovich gastava com contratações de jovens. Desde que assumiu o controle do clube, em 2022, a direção contratou oficial 17 jogadores com menos de 23 anos para o time sub-23.

  • Kendry Paez
  • Deivid Washigton
  • Ângelo
  • Andrey Santos
  • Diego Moreira
  • Roméo Lavia
  • Lesley Ugochukwu
  • Malo Gusto
  • Moisés Caicedo
  • Cole Palmer
  • Nicolas Jackson
  • Djordje Petrovic
  • Enzo Fernández
  • Mykhailo Mudryk
  • Benoit Badiashilie
  • Noni Madueke
  • David Datro Fofana

Todo esse investimento não vem do nada. Durante a “era Abramovich”, a folha salarial da equipe era altíssima. Agora, esse custo despencou e tem sido, em partes, utilizados na contratação de jovens. Essa filosofia não agrada aos torcedores que se acostumaram a ver o Chelsea disputando títulos, mas Todd Boehly acredita que esse é o caminho certo para o sucesso a longo prazo.

Cole Palmer cobra pênalti contr o Manchester United durante Premier League
Cole Palmer cobra pênalti contr o Manchester United durante Premier League (Foto: Icon Sport)

Além dos reforços: Chelsea quer montar rede de observação mundial e mira o Brasil

Mas não basta contratar jovens. É preciso montar toda uma estrutura para comportar esse estilo de gestão. Além de jogadores, os Blues têm investido muito na contratação de profissionais da área.

Em julho de 2023, o clube fechou a contratação de Alyssion Marins, ex-olheiro-chefe do Corinthians. Marins tem papel central no recrutamento do clube.

O Chelsea tem empenhado recursos significativos para a construção de uma ampla rede de monitoramento por todo o mundo. A América do Sul é um ponto central desse plano, o que fica claro através das contratações.

Os diretores esportivos Laurence Stewart e Paul Winstanley receberam a missão de chefiar esse projeto. Esses foram capacitados para realizarem a sucessão no elenco principal da melhor forma. Por exemplo, Estevão e Kendry Páez atuam na mesma faixa do campo de Cole Palmer e Noni Madueke, mas são cinco anos mais novos. E por aí vai.

Estevão Willian trocará Palmeiras pelo Chelsea
Estevão Willian pelo Palmeiras (Foto: Icon Sport)

E a base, como fica?

A categoria de base pode ficar desamparada nesse processo. E, de fato, ficou. Com tantas contratações, o Chelsea liberou nomes como Lewis Hall (Newcastle), Ian Maatsen (Borussia Dortmund/Aston Villa) e Omari Hutchinson (Ipswich) por falta de espaço. Apesar disso, o clube planeja olhar com carinho para sua formação.

Os Blues querem ter pelo menos 10 jogadores das categorias de base no elenco principal na próxima temporada. Mas a régua é alta e eles terão de lutar com os contratados. Uma das disputas nesse sentido seria entre a revelação Josh Acheampong e o brasileiro Pedro Lima, que optou pelo Wolverhampton.

O Strasbourg, já experimentado por Andrey e Ângelo nessa temporada, será um caminho ainda mais recorrente para os jovens que não tenham experiência para jogar no Chelsea.

O caminho está exposto e será percorrido pelos Blues pelos próximos anos. Há convicção que a busca por jovens deva nortear o time daqui para frente.

Lucas Barbosa
Lucas Barbosa

Redator da PL Brasil. Foi por meio da Premier League, na tela do antigo Esporte Interativo, em 2007, que o Jornalismo entrou na minha vida. Duas paixões que abriram portas e me fazem realizar sonhos todos os dias. Passei pelos portais Mais Minas e Esporte News Mundo.