Por que o Chelsea pode retirar dono do cargo

4 minutos de leitura

O empresário Todd Boehly está em um momento conturbado com o Chelsea. Dono dos Blues, o norte-americano é alvo de críticas dos torcedores e a imprensa inglesa aponta que o clube está planejando uma nova diretoria. O americano deve ser destituído da presidência dos Blues.

Desde que a BlueCo adquiriu as ações do Chelsea em maio de 2022, o time tem lutado para afastar a crise. Em 2022/2023 fez a pior campanha de sua história na Premier League, ficando apenas na 12ª colocação. A situação em 2023/2024 também é conturbada, ocupando o 11º lugar.

Boehly deve deixar comando do Chelsea

Boehly se tornou o rosto da nova direção dos Blues. O empresário frequentemente comparece aos jogos no Stamford Bridge e desempenha um papel mais prático que outros colegas investidores. Porém, o americano pode deixar o comando da equipe no final da temporada 2026/2027.

Segundo o jornal “The Mirror”, o Chelsea tem um acordo entre os proprietários no qual podem mudar de presidente a cada cinco anos. De acordo com informações do “Mail Sport”, a ideia é utilizar essa cláusula para destituir Boehly da presidência.

A Clearlake, dirigida por Behdad Eghbali e Jose Feliciano, detém 61,5% das ações do clube, enquanto os outros 38,5% pertencem ao Boehly, Hansjorg Wyss e Mark Walter.

Ainda segundo o “Mail Sport”, a Clearlake deseja uma mudança na direção. Nenhuma decisão de quem irá assumir a presidência dos Blues foi tomada, mas existe a possibilidade de ser distribuído internamente entre os acionistas ou contratando alguém para o cargo. Boehly pode retomar a posição em 2032.

Todd Boehly, proprietário do Chelsea - Icon Sport
Todd Boehly, proprietário do Chelsea (Foto: Icon Sport)

Boehly é alvo de críticas dos torcedores do Chelsea

A decisão da mudança de direção dos Blues ocorre dois anos após a saída de Abramovich. Com Boehly no comando, o clube foi adquirido por 2,5 bilhões de libras (R$15,7 bilhões na cotação da época).

O empresário americano supervisionou um gasto de 1 bilhão de libras (mais de R$6,3 bilhões) em contratações de jogadores, mas o time tem lutado para corresponder em campo. Mesmo com a nomeação de Pochettino como treinador, a equipe ocupa apenas a segunda metade da tabela de classificação da Premier League.

No dia 17 de março, na vitória dos Blues contra o Leicester pela FA Cup, torcedores presentes em Stamford Bridge vaiaram Sterling, que desperdiçou uma cobrança de pênalti, e o técnico Pochettino.

Na última terça-feira (26), o Chelsea Supporter's Trust (Confiança dos Torcedores do Chelsea, em tradução livre) divulgou uma carta afirmando que o clube estava se tornando “motivo de chacota”.

Gabriel Lemes
Gabriel Lemes

Me formei em Jornalismo pela Univap em 2019 e sou redator da PL Brasil. Já escrevi para o Quinto Quarto, Minha Torcida, Futebol na Veia e Portal Famosos.