Sem paz e amor: A história do reggae do Chelsea banido em estádios por associação ao hooliganismo

6 minutos de leitura

Já são mais de 50 anos que o Chelsea entra em campo no Stamford Bridge ao som de reggae. A música em questão é a “The Liquidator”, do grupo jamaicano Harry J. All Stars, lançada em 1969.

Nas transmissões pela TV, é possível ouvi-la em alguns jogos — lembra muito uma marchinha. O que talvez não fique perceptível para quem não está no estádio é que a torcida do Chelsea canta, no ritmo da música, que “odeia o Tottenham”.

Não importa o jogo ou o adversário, os torcedores dos Blues sempre vão ecoar os gritos de “We hate Tottenham! Chelsea!” (Nós odiamos o Tottenham! Chelsea!) enquanto os jogadores vão perfilando no gramado do Stamford Bridge.

O Chelsea proclama ter sido o primeiro clube do Reino Unido a usar essa música em seus jogos, ainda na versão “limpa”, sem os gritos contra o rival depois incorporados pela torcida:

“Em 1969, os torcedores do Chelsea FC reverenciavam jogadores como Bonetti, Osgood e Hollins. Eles se apresentaram sob o olhar atento do empresário Dave Sexton ao som do sucesso de vendas ‘Liquidator’, de Harry J & All Stars. Se a música ajudou o time em sua bem-sucedida campanha na FA Cup de 1970 e na vitória na Taça das Taças, nunca saberemos. Mas uma coisa é certa: o tema dessas vitórias foi, sem dúvida, ‘The Liquidator’, com suas notas musicais embalando o canto de ‘Chelsea!’.”

Trecho de comunicado do Chelsea publicado na mídia inglesa na época
“Liquidator”, de Harry J & All Stars
“Liquidator”, de Harry J & All Stars. Foto – Divulgação

Ainda em 1970, o hit se tornou uma música oficial do Chelsea, quando o clube distribuiu algumas cópias da canção junto com os famosos matchday programmes — a revista entregue nos estádios antes das partidas com as informações sobre o jogo.

No entanto, o Chelsea não foi o único clube do Reino Unido a usar essa trilha sonora. Wycombe Wanderers, Northampton Town, Wolverhampton, West Bromwich, Yeovil Town e St. Johnstone também já o fizeram e todos afirmam que são pioneiros, não só os Blues.

Trilha sonora da rivalidade Wolves x West Bromwich

Em 2002, os Wolves receberam um pedido de polícia local para parar de tocar a música no Molineaux, por conta da apologia ao hooliganismo. O problema não era a música em si, já que é instrumental e não tem letra, mas sim os gritos ecoados pela torcida para o principal rival do clube, o West Bromwich: “F*ck off West Brom!” (Vai se f*der, West Brom!, em tradução livre).

Os torcedores do West Bromwich, por sua vez, também usavam a música para retribuir os gritos na mesma moeda: “F*ck off Wanderers!” (Vai se f*der, Wanderers!). Os gritos obscenos geraram incômodo em parte da própria torcida do West Bromwich, que reclamou ao clube. Em 2019, a canção acabou banida do estádio The Hawthorns.

No Stamford Bridge, a canção nunca foi banida e essa decisão depende do entendimento dos comandantes da polícia. Em 2002, o superintendente chefe da polícia local de West Midlands (região onde fica Wolverhampton), John Colston, enviou um comunicado para o então presidente dos Wolves, Sir Jack Hayward.

A canção de reggae havia sido banida e acabou voltando quando a superintendência da polícia estava nas mãos de outro profissional. John Colston, então, decidiu bani-la mais uma vez. Confira um trecho da carta:

“Estou ciente de que o meu antecessor — o superintendente-chefe Roger Alien — discordou do papel de ‘The Liquidator’. Lamento que a música tenha sido ressuscitada, assim como a linguagem obscena que lhe está associada. Certamente não sou um puritano, mas existem pessoas criticando os milhares de torcedores gritando “F*ck off West Brom” a plenos pulmões. Nesta época assistimos à chegada de torcedores particularmente desagradáveis, chamados de ‘Young Wolves’. É por isso que temos de policiar todos os jogos. Mesmo depois da vitória contra o Coventry City, eles voltaram ao City Centre e causaram confusão”.

Até 2024, a música nunca mais foi tocada no Molineux. Com relação aos jogos do West Bromwich, entre idas e vindas, a música foi cantada pela torcida no derby em janeiro deste ano pela FA Cup, quando o time da casa perdeu para os Wolves, por 2 a 0, com gols de Pedro Neto e Matheus Cunha.

Gol de Matheus Cunha gera confusão em jogo do Wolverhampton (Foto: Icon Sport)
Gol de Matheus Cunha gerou confusão em jogo do Wolverhampton (Foto: Icon Sport)
Rodolfo Morsoletto
Rodolfo Morsoletto

Jornalista nascido e formado no interior de São Paulo, com passagens por Terra e OneFootball. Foi repórter de rádio, setorista do XV de Piracicaba e cobria jogos do Campeonato Paulista da Série A3. Morou por um tempo na Itália antes de desembarcar em Londres, onde está desde 2018. Atualmente é correspondente da PL Brasil em território inglês e já esbarrou com José Mourinho andando sozinho pelas ruas da capital britânica.

Instagram: @morsoletto
X: @r_morsoletto