Análise de Chelsea e Manchester City nas semifinais da Uefa Youth League

0
147
Análise de Chelsea e Manchester City nas semifinais da Uefa Youth League

A Uefa Youth League teve a sua primeira edição na temporada 2013/14 e tem se consolidado como um excelente torneio para as equipes europeias sub-19. Os jovens do velho continente têm a oportunidade de confrontarem com diversas culturas futebolísticas, o que tem como consequência natural a diversidade tática e técnica.

A competição segue os mesmos moldes da Champions League na fase de grupos, com os times sendo distribuídos da mesma forma.

Os primeiros colocados de cada grupo avançam para as oitavas-de-finais, e os times que terminaram a primeira fase na segunda posição disputam duas eliminatórias com os 32 campeões nacionais mais bem colocados no coeficiente da Uefa.

Decididas essas duas eliminatórias, temos 16 clubes que disputarão as oitavas-de-finais. A partir deste ponto, os confrontos são decididos em uma única partida, contrariando o regulamento da competição principal, onde as partidas são resolvidas no sistema de ida e volta.

A Inglaterra conta com o maior vencedor do torneio. O Chelsea faturou o bi-campeonato nas temporadas 2014/15 e 2015/16, batendo o Shakhtar Donetsk e Paris Saint-Germain, respectivamente. Na atual edição, os londrinos estão acompanhados pelo Manchester City nas semi-finais: algo inédito para os Citizens, que nunca tinham ficado entre os quatro melhores da Europa na categoria.

Considerada a melhor base da Inglaterra, o Chelsea chega forte em busca do tri-campeonato

Vencedor de vários torneios de base, o Chelsea é aclamado pela maioria da mídia inglesa como a melhor academia de jovens jogadores da Inglaterra. Vemos esta afirmação ganhar ainda maior força com o retrospecto dos Blues na Uefa Youth League.

Maior vencedor do torneio, o clube londrino também pode se orgulhar de ter hoje vários jogadores que foram campeões do torneio atuando com regularidade em competições de primeiro escalão.

No primeiro título conquistado, o zagueiro Christensen (hoje titular no time principal) e Musonda (recém-saído para o Celtic) foram titulares na final contra o Shakhtar; além de Loftus-Cheek e Solanke – no Crystal Palace e Liverpool, respectivamente. No segundo troféu, conquistado em cima do PSG, o atacante Abraham liderava o ataque – hoje titular no Swansea e até convocado para a seleção em 2017.

Na atual edição, o time não teve dificuldades para passar em primeiro lugar no grupo C, que contou com Atlético de Madrid, Roma e Qarabag. Foram quatro vitórias e um único revés: uma derrota para a Roma, na segunda rodada. Os garotos de Londres tiveram como trunfo a parte ofensiva, registrando o segundo melhor ataque da primeira fase com 17 gols (perdendo apenas para o Liverpool, com 18).

Nas fases de mata-mata o Chelsea impressionou ainda mais, goleando o Feyernood por 5 a 2 e vencendo confortavelmente o Real Madrid por 4 a 2, mesmo com um jogador expulso desde os 68 minutos de partida.

Agora os Blues terão pela frente o Porto, que somou os mesmos 15 pontos na primeira fase. Os portugueses bateram nas oitavas-de-finais o atual campeão do torneio Salzburg por 3 a 1 e eliminaram o também inglês e rival do Chelsea Tottenham nas quartas-de-finais, pelo placar de 2 a 0.

Leia mais: Arsenal Women e a conquista inédita da Champions League em 2007

Disposição tática de Real Madrid x Chelsea, pelas quartas-de-finais da UEFA Youth League. (Foto: Soccerway)

Apesar de já ter atuado com outras formações, os Blues tem como plataforma padrão o 3-6-1, que se transforma num 3-4-3 quando o time está atacando. Com alas muito qualificados no terço final do campo e meio-campistas habilidosos e que também sabem marcar gols, o Chelsea tem sido muito forte na competição.

O principal destaque do time no torneio europeu é o meio-campista McCormick, de 19 anos. O jovem inglês tem muita qualidade com a bola nos pés, e em seis jogos na UEFA Youth League acumula cinco gols e duas assistências. McCormick é um box-to-box muito promissor, que deve ganhar oportunidades no time principal em breve.

O centroavante Brown é outro destaque, com três tentos convertidos em três jogos. O Chelsea também conta com o promissor zagueiro galês Ampadu, que infelizmente desfalcará o time pelo restante da competição, por ter sofrido uma lesão no tornozelo contra o Real Madrid.

Callum Hudson-Odoi é a grande arma do Chelsea na UEFA Youth League. (Foto: Talk Chelsea)

E claro, não poderíamos esquecer de Callum Hudson-Odoi: simplesmente a joia a ser lapidada. Com apenas 17 anos, o meia ofensivo, que também atua pelos lados do campo, contabiliza números impressionantes. São 21 gols e 16 assistências nesta temporada, em jogos pelo Chelsea e pela seleção inglesa.

A jovem promessa londrina fez a sua estreia no time profissional dos Blues em Janeiro, na derrota por 3 a 0 para o Bornemouth. Na competição europeia, Hudson-Odoi tem um gol e colaborou com uma assistência.

Pela primeira vez entre os semifinalistas, Manchester City quer título inédito

O Manchester City também avançou em primeiro lugar em seu grupo (F), que tinha Feyernood, Shakhtar e Napoli. Com uma campanha consistente, os Citizens tiveram quatro vitórias, um empate e uma derrota, somando 13 pontos.

Na fase de mata-mata, o time precisou se superar por duas vezes. Nas oitavas-de-finais, enfrentou a Internazionale e empatou em 1 a 1 no tempo normal, tendo saído atrás do placar. Venceu por 3 a 2 nos pênaltis e avançou para a próxima fase.

Nas quartas-de-finais, a equipe teve um confronto inglês contra o Liverpool, de Steven Gerrard. Mais uma vez teve que correr atrás do marcador e conseguiu o empate em 1 a 1, levando de novo a disputa para os pênaltis. Nova vitória por 3 a 2 nas penalidades e avanço para as semi-finais da competição.

Leia mais: Série documental sobre lendas da Premier League está disponível na Netflix

O time inglês agora enfrentará o Barcelona, simplesmente a equipe com a melhor campanha da fase de grupos, tendo somado 16 pontos, e com a melhor defesa do torneio, sofrendo apenas um gol em sete jogos até aqui. Os Blaugranas eliminaram o PSG e o Atlético de Madrid antes de chegar às semi-finais.

Disposição tática de Manchester City x Liverpool, pelas quartas-de-finais da UEFA Youth League. (Foto: Soccerway)

O Manchester City tem como formações preferidas o 3-4-3 e o 4-3-3; modificando conforme o adversário e a circunstância de jogo. Mesmo com as variações, os Citizens não abrem mão da grande carga ofensiva, atuando com pontas que sempre buscam a profundidade e que quando possível também interiorizam as jogadas.

Com as constantes chamadas de Phil Foden para o elenco principal do time, a responsabilidade de orquestrar o meio-campo azul e branco ficou com o espanhol Brahim Diaz, de 18 anos. Ágil e de muita qualidade no drible, Diaz já marcou dois gols na competição e é considerado por muitos o jogador mais cerebral do time.

Outros destaques são o meio-campista Taylor Richards e o atacante Lukas Nmecha – este último sendo decisivo na segunda fase, marcando os tentos de empate contra Internazionale e Liverpool, respectivamente.

As melhores oportunidades do Manchester City sub-19 passam pelos pés de Brahim Diaz. (Foto: Getty Images)

Os confrontos das semifinais acontecerão na próxima sexta-feira (20/04). O Chelsea enfrenta o Porto às 8h (horário de Brasília) e ao meio-dia o Manchester City duela contra o Barcelona. Quem vencer disputará a grande final da competição, que acontecerá no domingo (22/04).