Campeonato inglês feminino bate WNBA e alcança marca inédita em ranking de patrocínios

5 minutos de leitura

A Women's Super League, a “Premier League feminina”, tem ganhado cada vez mais visibilidade e crescido em audiência. Um exemplo recente é o novo recorde de público alcançado pelo Arsenal, que levou 60.160 torcedores para o Emirates Stadium no último domingo (18), para assistir à vitória por 3 a 1 sobre o Manchester United.

Esse crescimento se reflete também nas finanças e relações com marcas e empresas. Um novo relatório, produzido pela empresas de inteligências e dados “Sponsor United”, mostrou que a liga de futebol feminino inglês está no top-5 das que mais cresceram em acordos de patrocínio de 2022 para 2023.

WSL atinge marca inédita em ranking de patrocínios no futebol feminino

A empresa analisou os acordos de patrocínio de 19 ligas femininas de vários esportes, como futebol, rúgbi, críquete, basquete, golfe, entre outros, espalhadas pelo mundo. Ao comparar as que mais cresceram no último ano, a WSL ficou em quinto lugar, com 11% de taxa de crescimento em acordos de patrocínio.

A liga inglesa foi a única representante europeia a figurar entre as cinco primeiras do ranking.

Top-5 de ligas femininas que mais cresceram em acordos de patrocínio em 2023

  1. WTA/ITF – Associação feminina de tênis: 26%
  2. LGPA – Liga americana de golfe: 25,5%
  3. NWSL – Liga americana de futebol: 18%
  4. AFLW – Liga australiana de rúgbi: 13%
  5. WSL – Liga inglesa de futebol: 11%
  6. Média geral das 19 ligas: 10,5%

De forma geral, os esportes praticados por mulheres registraram um crescimento de mais de 22% em novos patrocínios, com destaque para a WTA e a LGPA, que se tornaram as primeiras entidades a ultrapassar a marca de mais de mil marcas patrocinadoras.

A análise do relatório “Women in Sports Marketing Partnerships 2023/24” é de que esse crescimento foi impulsionado pelo aumento da cobertura da mídia e da audiência.

— Este aumento significativo é em grande parte atribuído ao efeito ‘bola de neve' impulsionado por um aumento na cobertura midiática e na audiência dos esportes femininos: uma maior exposição midiática leva a um aumento de audiência, resultando numa maior sensibilização (das marcas) — diz um trecho do relatório.

Esta é a primeira vez que a WSL aparece nas primeiras posições do ranking, cuja primeira edição foi publicada em 2022.

A WSL ultrapassou campeonatos como a WNBA, a liga americana de basquete feminino, que figurou no top-5 na última edição.

Os números atingidos condizem com a análise da Sponsor United. Conforme divulgado pela empresa de estratégias em marketing “Global 13”, a temporada 2023/24 da WSL tem 31 acordos de transmissão em todo o mundo — incluindo o Brasil

Campeonato Inglês feminino cresce em público e arrecadação

No Reino Unido, a Sky Sports, emissora de TV paga, acordou a transmissão de até 44 partidas ao vivo por temporada, enquanto a BBC, a emissora pública, exibirá pelo menos 18 até o fim dela.

Os dados divulgados pela corporação mostram também que 15,3 milhões de pessoas assistiram à WSL em 2023, contra 14,6 milhões em 2022. Houve um aumento de 29% de espectadores com 35 anos ou menos.

Até o fim de 2023, mais horas de transmissão ao vivo da WSL foram assistidas na Sky Sports do que na temporada passada inteira (7,8 milhões versus 5,9 milhões). Na BBC1 a BBC 2, foram assistidas 15,1 milhões de horas nesta temporada.

Por fim, o tempo médio gasto por pessoa assistindo esportes femininos em emissoras de TV no Reino Unido cresceu 131% em 2022.

Maria Tereza Santos
Maria Tereza Santos

Me formei em Jornalismo pela PUC-SP em 2020. Antes de escrever para a PL Brasil, fui editora na ESPN e repórter na Veja Saúde, Folha de S.Paulo e Superesportes.