Analisando o impacto relâmpago de Bruno Fernandes em Manchester

Meia português se adaptou rapidamente ao futebol inglês e elevou nível dos Red Devils

0
753
Analisando o impacto relâmpago de Bruno Fernandes em Manchester
Alex Livesey/Getty Images para a Premier League

Paul Pogba, Angel Di Maria, Radamel Falcao… Nomes de peso não faltam no histórico recente de contratações do Manchester United. Apesar de grandes nomes, a resposta dentro de campo não teve a mesma proporção. Jogadores em grande fase que não encontravam seu futebol por questão de adaptação, entrosamento, ou até mesmo falta de sorte. Faltava um meio-campo para elevar o patamar do time. Pois bem, chegou Bruno Fernandes para reforçar o Manchester United.

Ao vivo: como o coronavírus afeta o futebol inglês; acompanhe 
Paul Ellis AFP via Getty Images
Paul Ellis AFP via Getty Images
Leia mais: Saiba mais sobre quem é Bruno Fernandes, reforço do Manchester United

Adaptação rápida à Premier League

A partir da contratação, surgiu o repentino questionamento em relação a um jogador que vem de fora da Premier League. Por ser uma liga de nível mais elevado, a adaptação costuma ser mais demorada. Caso não se adapte rápido, pode perder seu espaço num piscar de olhos.

O debate nesse caso é pertinente, afinal, Bruno veio da Liga NOS (Portugal), cujo nível é bem abaixo da inglesa. Muitas vezes o jogador pode funcionar bem, mas o rendimento não é o mesmo. Porém, em pouco tempo, Bruno Fernandes quebrou paradigmas e mostrou certezas em campo que nem o torcedor mais otimista do Manchester United poderia esperar.

A euforia por parte da torcida em busca de algo positivo para se sustentar era grande. A contratação de peso tem esse papel também fora de campo. O objetivo é sempre bons resultados nas quatro linhas, mas agradar e andar junto ao torcedor é fundamental. Não só acabou com a euforia, mas deu motivos de sobra para uma fase feliz em Manchester.

É raro ver um jogador ter rápido impacto e relevante no futebol inglês sem nunca ter jogado por lá. O caso mais recente que vem a memória é de Mohamed Salah, quando chegou ao Liverpool de maneira dominante há duas temporadas. Nos seus cinco primeiros jogos, o egípcio teve três gols e uma assistência, vencendo duas partidas, empatado outras duas e perdendo a outra.

Nos cinco primeiros de Bruno na Premier League, são dois gols e três assistências. Desde a estreia, o time ainda não perdeu, sendo o segundo time que mais somou pontos (11) no período, ficando apenas atrás do Liverpool (12). O bom desempenho faz com que já seja líder em estatísticas do time no período de sua chegada. Desde chances criadas (11), até o número de chutes tentados (14), sendo sete na meta adversária.

Leia mais: ePremier League de FIFA 20: tudo o que você precisa saber sobre a competição 
Laurence Griffiths/Getty Images

As boas atuações lhe renderam o prêmio de Jogador do Mês de fevereiro na Votação Popular da PFA. Ainda concorre – e deve ganhar – outro prêmio de fevereiro, que é o Jogador do Mês da Premier League. Solskjaer também concorre no prêmio de treinador.

Se pararmos para pensar qual foi o último jogador que teve tanto impacto rápido em Manchester, teríamos que fazer uma pesquisa bem aprofundada. Nem mesmo seu contemporâneo, Cristiano Ronaldo, mesmo mais novo, não brilhou tão rápido.

O português não só trouxe estabilidade e qualidade, mas também um leque de opções que caem como uma luva. Jogando à frente de meio-campistas que conseguem roubar a bola, mas não a passa em diante, o meia tem total liberdade para recebê-la e fazer o que bem entende. Daí a construção de jogadas parte do seu diferencial, que é o toque de genialidade.

O gol contra o Everton em um chute despretensioso, a assistência no Derby… Provas concretas de que o jogador tem o toque surpresa que faltou em muitos jogos do United. Momentos fora da curva que o time precisa para superar adversidades.

Leia mais: As contratações mais caras da história de cada clube da Premier League 

Uma estatística bastante utilizada na Inglaterra é a contagem de passes em direção ao final third, que em português seriam os passes em direção ao terço final do campo, ou seja, o ataque. Bruno já soma 43 desses passes, além de ter 48 passes direcionados para a grande área adversária.

Tais números mostram que o jogador não precisa apenas ter qualidade para fazer a bola chegar aos atacantes, mas também ter, acima de tudo, coragem. Acaba sendo uma cadeia no futebol, visto que o jogador que peca em qualidade, não irá fazer passes do tipo que, ao invés de ajudar, prejudicariam o time. Há um exemplo no próprio Manchester United: Jesse Lingard.

Lingard, por pecar em qualidade, evita maiores riscos, comprometendo diretamente a criação do time. Outros jogadores com qualidade inferior em relação a Bruno, como Juan Mata e Andreas Pereira, perdem cada vez mais seu espaço, tendo suas fragilidades expostas quando comparadas ao português.

Aos olhos de Bruno Fernandes, o Manchester United ainda é um dos melhores times do mundo. Apesar da realidade não condizer, o português coloca em prática sua crença, e, em momentos de tantas decepções para os Diabos Vermelhos, mostra que nem tudo está perdido. Que voos maiores não estão tão distantes.

Quais são os salários mais altos da Premier League?