Champions League: As maiores zebras da história

10 minutos de leitura

Assim como já aconteceram em edições anteriores, a decisão da Champions League, entre Manchester City e Inter de Milão, tem um favorito. Os Citizens conquistaram a terceira Premier League consecutiva, a Copa da Inglaterra e conta com um elenco recheado de craques, o artilheiro da competição, Erling Haaland, e um dos melhores treinadores da história do futebol Pep Guardiola. Já os Nerazzurri terminaram o Campeonato Italiano apenas na terceira posição e conta com um elenco menos estrelado, além de um técnico que ainda não foi campeão da Serie A.

Mesmo assim, a Champions League é imprevisível. O favorito pode deixar o título escapar por um vacilo, como aconteceu com o próprio Manchester City de Guardiola em 2020-21, quando perdeu para o Chelsea, que tinha trocado de treinador há pouco tempo e um elenco majoritariamente jovem e que nunca havia passado por uma final de Liga dos Campeões. Pensando nisso, a PL Brasil decidiu elencar as maiores zebras da maior competição de clubes do mundo. Confira:

1. Estrela Vermelha 0x0 Olympique de Marselha – 1990-91

Na última edição da Champions League sem fase de grupos, o Estrela Vermelha surgiu como zebra. O time chegou à principal competição de clubes do mundo em 1990-91 como campeão da Iuguslávia e contava com destaques em seu plantel, como Darko Pancev, Sinisa Mihaljovic e Robert Prosinecki.

Na campanha até a final, o Estrela Vermelha derrotou, respectivamente, Grasshopper, Rangers, Dínamo Dresden e Bayern de Munique. Na decisão, contra o Olympique de Marselha, que contava com um ataque liderado por Abedi Pelé e Jean-Pierre Papin, o jogo terminou empatado em 0 a 0 e o time iugoslavo se sagrou campeão derrotando os franceses nos pênaltis.

2. Steaua Bucareste 0x0 Barcelona – 1985-1986

Na final da Champions League de 1985/1986, o Barcelona teve a oportunidade de conquistar sua primeira orelhuda jogando na Espanha. Porém, na final, disputada no Estádio Ramón Sánchez Pizjuán, em Sevilha, o Barça perdeu para o Steaua Bucareste, da Romênia. Depois de um empate sem gols no tempo normal e na prorrogação, o Steaua conquistou o título nos pênaltis.

3. Aston Villa 1×0 Bayern de Munique – 1981-82

Após quebrar um jejum de 71 anos sem títulos nacionais em 1980-81, o Aston Villa, campeão inglês, foi tentar um passo maior na Champions League. Em 1981-82, os Villans fizeram uma grande campanha na Liga dos Campeões, sofrendo apenas dois gols em nove jogos na competição. Porém, até a final, o time de Bimingham não havia enfrentado nenhum clube grande da Europa. Na decisão, encontrou com o Bayern de Munique, que já havia sido campeão europeu três vezes até então.

O Bayern de Munique contava com grandes craques, como Karl-Heinz Rummenigge e Paul Breitner, mas o Aston Villa conseguiu o grande feito de vencê-lo pelo placar mínimo na final disputada na Holanda. Os Bávaros tiveram inúmeras chances, mas pararam na melhor defesa da competição. Uma curiosidade da decisão é que com apenas nove minutos, o goleiro titular dos Villans machucou e o substituto, Nigel Spink, que fazia apenas o seu segundo jogo com a camisa da equipe inglesa fez defesas incríveis. O atacante Peter Withe marcou o gol da vitória inglesa.

4. Dínamo de Kiev 2×0 Real Madrid – 1998-99

Em 1998-99, o Dínamo de Kiev surpreendeu a todos, chegando às semifinais da Champions League. O time ucraniano desbancou o então campeão inglês, Arsenal, na fase de grupos e, no mata-mata, passou pelo Real Madrid nas quartas de final. No jogo de ida, a equipe comandada por Andriy Shevchenko empatou com o clube merengue em 1 a 1, no Santiago Bernabéu. No duelo da volta, na Ucrânia, o Dínamo venceu por 2 a 0. Todos os gols ucranianos foram marcados por Shevchenko.

5. Chelsea 2×2 Barcelona – 2011-12

Chelsea e Barcelona pela Champions League
Foto: Icon Sport

Em 2011-12, o Chelsea tinha um bom elenco, que contava com Didier Drogba, Frank Lampard e Juan Mata, mas não era uma unanimidade continental. Além disso, em março de 2012, após perder o jogo de ida das oitavas de final da Champions League para o Napoli, por 3 a 1, o técnico André Villas-Boas foi demitido. Com o interino Roberto Di Matteo no comando, os Blues conseguiram não apenas reverter o resultado contra os italianos como vencer dois jogos contra o Benfica nas quartas de final e bater o histórico Barcelona de Lionel Messi, Xavi Hernández, Andrés Iniesta e Pep Guardiola.

O Barcelona defendia o título europeu conquistado na temporada anterior, mas acabaram perdendo para o surpreendente Chelsea pelo placar agregado de 3 a 2. No jogo de ida, em Stamford Bridge, os Blues venceram pelo placar mínimo, com gol de Drogba. Na volta, no Camp Nou, Sergio Busquets e Iniesta abriram o placar para o Barça, mas os Blues conseguiram empatar com o brasileiro Ramires e Fernando Torres. O segundo duelo ainda contou com um pênalti perdido de Messi, que acertou a trave.

Na final, o Chelsea encarou o poderoso Bayern de Munique, que na época contava com astros como Arjen Robben, Bastian Schweinsteiger, Franck Ribéry e Manuel Neuer. Thomas Müller abriu o placar para os Bávaros aos 38 minutos do segundo tempo e Drogba empatou aos 43 da etapa complementar. Com o empate, a decisão seguiu para prorrogação e pênaltis. Nas penalidades, o time inglês chegou a perder a primeira cobrança, mas conseguiu reverter a situação e se sagrou campeão.

6. Apoel 1×0 Lyon – 2011-12

Na mesma edição do Chelsea campeão , o Apoel, recheado de brasileiros, fez sua melhor campanha na história da competição. Num grupo com Porto, Shakhtar Donestk e Zenit, o time do cipriota se classificou em primeiro lugar, com nove pontos. nas oitavas de final, enfrentou o gigante francês Lyon, que venceu na França pelo placar mínimo no jogo de ida, com gol de Alexandre Lacazette. Na volta, a equipe do Chipre devolveu o mesmo placar, com gol do brasileiro Gustavo Manduca (ex-Grêmio). Nos pênaltis, Michel Bastos errou e o Apoel se classificou para as quartas.

No entanto, o sarrafo aumentou demais na fase seguinte. Diante do gigante Real Madrid de Cristiano Ronaldo, o Apoel acabou ficando pelo caminho, perdendo pelo placar agregado de 8 a 2.

7. Real Madrid 1 x 2 Sheriff Tiraspol – 2020/2021

Para muitos, essa foi a maior zebra da história da Champions League. Em 28 de setembro de 2021, o Shreiff Tiraspol, da Moldávia, estreante na fase de grupos da Liga dos Campeões, venceu o Real Madrid no Santiago Bernabéu, por 2 a 1. Jasurbek Yakhshiboev abriu o placar para o time visitante, Karim Benzema empatou e Sebastien Thill desempatou o duelo.

O Real Madrid foi batido pelo Chelsea nas semifinais naquela edição da Champions League. Os Blues acabaram a competições campeões europeus, batendo o Manchester City na final.

8. Real Madrid 0x3 CSKA – 2018-19

Fyodor Chalov, Georgiy Schennikov e Arnór Sigurðsson marcaram os gols do CSKA sobre o Real Madrid, no Santiago Bernabéu em dezembro de 2018. O time merengue já estava classificado para as oitavas de final e poupou seus titulares na rodada final da fase de grupos. Vinicius Junior foi titular e a imprensa espanhola avaliou a partida do brasileiro como a melhor desde que chegou ao clube espanhol até aquele momento. A equipe madrilenha foi eliminada nas oitavas de final da competição, perdendo para o Ajax.

9. Bate Borisov 3×1 Bayern de Munique – 2013

Depois de vencer seus primeiros nove jogos na temporada, o Bayern de Munique perdeu por 3 a 1 para o Bate Borisov, da Bielorrússia, pela fase de grupos da Champions League de 2013. Povlov, Rodionov e o brasileiro naturalizado bielorruso Renan Bressan marcaram para o time da casa e Franck Ribéry descontou para os Bávaros.

O Bayern de Munique, porém, terminou campeão da Champions League naquela edição, vencendo o rival Borussia Dortmund na final por 2 a 1.

10. Barcelona 1×2 Rubin Kazan – 2009-10

Em 2009-10, o Barcelona era o atual campeão europeu, com um time recheado de craques, entre eles Messi, Xavi, Iniesta e Zlatan Ibrahimović, além de ter Guardiola no banco de reservas. O poderoso time catalão, no entanto, perdeu em casa para o modesto Rubin Kazan por 2 a 1 na fase de grupos da Champions League. Ryazantsev abriu o placar logo aos dois minutos de jogo, com um golaço de fora da área. Ibra empatou no começo do segundo tempo, mas Karadeniz desempatou o jogo para a equipe visitante.

O Rubin Kazan foi uma verdadeira pedra no sapato do Barcelona naquela edição. Na Rússia, o Barça ficou só no empate em 1 a 1, com gols de Noboa (Rubin Kazan) e David Villa (Barcelona).

O Barcelona caiu para a Inter de Milão nas semifinais naquela edição da Champions League. Os Nerazzurri terminaram campeões europeus, vencendo o Bayern de Munique na final.

11. Milan 1×2 Rosenborg – 1996-97

O então campeão italiano, Milan, havia conquistado a Champions League em 1993-94. O time rossoneri era recheado de craques, como Baresi, Maldini, Ambrosini e Roberto Baggio. Mas acabou perdendo para o modesto Rosenborg, da Noruega, em casa, na fase de grupos da Liga dos Campeões de 1996-97.

Brattbakk abriu o placar para o time norueguês, Dugarry empatou e Heggem desempatou a partida. O Milan acabou sua participação na Champions League na fase de grupos, enquanto o Rosenborg caiu nas quartas de final para a Juventus.

12. Helsingborg 1×0 Inter de Milão – 2000-01

Nos playoffs da Champions League 2000/01, a Inter de Milão, de Pirlo, Seedorf e Ronaldo Fenômeno, foi eliminada pelo Helsingborg, da Suécia, que acabou ficando no último lugar do grupo F, que contava com Bayern de Munique, Paris Saint-Germain e Rosenborg.

13. Real Madrid 2×3 Shakhtar Donetsk – 2020-21

Real Madrid e Shakhtar Donetsk pela Champions League
Foto: Icon Sport

Na fase de grupos da Champions League de 2020-21, o Real Madrid perdeu em casa para o Shakhtar Donetsk por 3 a 2. Ao fim do primeiro tempo, o time merengue perdia por 3 a 0, com gols do brasileiro Tetê, Raphaël Varane (contra) e Manor Salomon. Luka Modrić e Vinicius Junior diminuíram o placar na segunda etapa.

O Real Madrid terminou a competição nas semifinais, sendo eliminado pelo Chelsea por um placar agregado de 3 a 1. Os Blues, inclusive, chegaram ao título da Champions League na ocasião. Já o Shakhtar Donetsk não conseguiu avançar para as oitavas de final.

14. Celtic 2×1 Barcelona – 2012-13

O poderoso Barcelona de Messi, Guardiola e companhia, mais uma vez sofreu um revés contra um adversário bem inferior na Champions League em 2012-13. Na fase de grupos, o Barça foi até Glasgow enfrentar o Celtic. Apesar de ter mostrado sua superioridade, com 89% de posse de bola e 23 finalizações, sendo 14 no alvo, o time catalão acabou perdendo para os escoceses por 2 a 1.

Wanyama e Watt fizeram 2 a 0 e Messi diminuiu, de pênalti, nos acréscimos do segundo tempo. O Barcelona não perdia fora de casa na fase de grupos da Champions League desde 2006. O Barça chegou até as semifinais, perdendo para o Bayern de Munique por 7 a 0 no placar agregado. Os Bávaros acabaram levando a orelhuda, batendo o rival Borussia Dortmund na final. Já a equipe escocesa foi eliminada pela Juventus nas oitavas, por um somatório de resultados de 5 a 0.

15. Ajax 1×2 Auxerre – 1996-97

Na fase de grupos da Champions League 1996/97, o estreante francês e Auxerre visitou o então vice-campeão europeu Ajax e venceu por 2 a 1 em Amsterdã. Bernard Diomède abriu o placar para o time visitante, Tijjani Babangida empatou e Steve Marlet decidiu a partida para os franceses.

O Auxerre se classificou como líder do grupo, seguido do Ajax. Mas nas quartas de final, o time francês foi eliminado pelo Borussia Dortmund, que se tornou campeão europeu na ocasião. A equipe holandesa, por sua vez, foi eliminada pela Juventus nas semifinais.

16. Porto 2×3 Artmedia Bratislava – 2005-06

Duas temporadas depois de ser campeão, o Porto foi derrotado em casa pelo Artmedia Bratislava, da Eslováquia, na fase de grupos da Champions League de 2005/06. Lucho González e o brasileiro Diego fizeram 2 a 0 para o time português, mas Peter Petrás, Ján Kozák e Balázs Borbély viraram a partida no segundo tempo. Entretanto, nenhuma das duas equipes conseguiu a classificação para a fase mata-mata.

Romulo Giacomin
Romulo Giacomin

Formado em Jornalismo na UFOP, passou por Mais Minas, Esporte News Mundo e Estado de Minas. Atualmente, escreve para a Premier League Brasil.