Arsenal Women e a conquista inédita da Champions League em 2007

Contamos a história do 1º título europeu de um time inglês no futebol feminino

Arsenal Women e a conquista inédita da Champions League em 2007
Ian Walton Collection Getty Images Sport

A temporada 2018/19 do Arsenal Women foi marcada pela conquista do título da Women's Super League, fazendo da equipe a maior vencedora da liga. Esse recorde reforça o trabalho que começou em 1987 e teve seu maior momento em 2007, quando as Gunners venceram a Uefa Women’s Cup.

O título europeu foi o primeiro e único conquistado por um clube inglês no futebol feminino. As comandadas de Vic Akers fizeram uma temporada irrepreensível e conseguiram bater na final uma das maiores campeãs do torneio, o Umeå IK da Suécia, que possuía em seu elenco a jogadora Marta – ganhadora do prêmio de The Best FIFA Women’s Player de 2006 e 2007.

Arsenal Women feminino Uefa Cup champions 2007 Ian Walton Collection Getty Images Sport 2
Ian Walton Collection Getty Images Sport

A classificação para a Uefa Women’s Cup

A Uefa Women’s Cup era o nome dado para a competição antes de ela adotar um formato semelhante ao da Uefa Champions League tradicional. Apenas os campeões nacionais se classificavam para o torneio, havendo mais uma vaga para o vencedor do título da temporada anterior. Na edição de 2006/07, foram 43 times de 42 nacionalidades diferentes.

O Arsenal conseguiu sua vaga devido ao título da FA Women’s Premier League na temporada finalizada em 2005/06, de forma invicta (16 vitórias e dois empates). As Gunners entraram na segunda fase da competição, enfrentado os seguintes clubes na fase de grupos: Brøndby (Dinamarca), Rossiyanka (Rússia) e Femina (Hungria).

Leia mais: O primeiro título de Copa da Inglaterra do Arsenal

O caminho do Arsenal Women na fase de grupos

A caminhada do Arsenal em direção ao título europeu começou na Rússia, mais especificamente no Krasnoarmeysk Stadium. As donas da casa reinauguravam seu estádio, depois de uma reforma de expansão para cinco mil lugares. A festa do Rossiyanka foi estragada pela vitória das Gunners por 5 a 4. A partida ainda teve o brilho de Julie Fleeting, que marcou cinco gols na oportunidade.

Somente dois dias após o primeiro triunfo na Uefa Women’s Cup, as Gunners voltaram a campo para enfrentar o Femina Budabest. A vitória veio mais tranquila contra as húngaras em placar de 6 a 0, com direito à expulsão da goleira Gabriella Kövesi, pênalti perdido pela gunner Lianne Sanderson e um doble da meio-campista Jayne Ludlow.

Contra o Brøndby veio o confronto mais complicado da chave. As dinamarquesas também haviam vencido suas duas partidas e precisavam vencer para garantir o 1º lugar do grupo. O sucesso veio aos 48 minutos, quando Sanderson marcou o único tento da partida. A atacante inglesa possuía na época 18 anos. Apesar da idade foi uma das destaques nos 100% adquiridos na fase de grupos.

Ian Walton Collection Getty Images Sport
Ian Walton Collection Getty Images Sport

O Arsenal Women das fases finais

Com a classificação em 1º do grupo, o Arsenal Women acabou por pegar nas quartas o Breiðablik. O time islandês foi vice-líder no grupo, que possuía o atual campeão da competição, o FFC Frankfurt. O confronto realizado em partidas de ida e volta teve um placar agregado de 9 a 0 para o Arsenal, com Kelly Smith e Fleeting marcando nos dois encontros.

Foi também nas quartas que dois dos favoritos ao título caíram. As alemãs do Turbine Potsdam, que foram campeãs europeias de 2004/05, perderam para o Brøndby. Já o Frankfurt foi eliminado no quesito gols fora de casa para as norueguesas do Kolbotn. Com a eliminação dos dois times da Alemanha, essa edição já possuía a marca de ser a 1ª sem uma representante do país na final.

Na semifinal da Uefa Women’s Cup, o Arsenal reencontrou o Brøndby e na primeira partida o equilíbrio dos times prevaleceu. Smith marcou duas vezes na ocasião e foi expulsa graças ao 2º amarelo faltando 12 minutos para o fim. As Gunners seguraram o bom empate, porém, para volta precisavam lidar com a perda de uma das maiores estrelas do time.

A volta na Inglaterra foi menos perigosa do que se imaginava. Sem Smith no time, houve espaço para outras estrelas brilharem. A atacante Rachel Yankey e a ponta Karen Carney marcaram para o Arsenal. Porém, o destaque ficou por conta de Fleeting. Ao encontrar as redes na semifinal acabou por se tornar a artilheira da UEFA Women’s Cup 2006/07 com nove gols.

Com o agregado de 5 a 2 e uma segunda partida definida como “performance clínica” pelo site da Uefa, o Arsenal Women iria pela primeira vez para a grande final. O duelo seria contra a última campeã do torneio ainda de pé: o Umeå IK.

A grande final da Uefa Women’s Cup

Ian Walton Collection Getty Images Sport
Ian Walton Collection Getty Images Sport

A decisão da competição europeia ainda era disputada em duas partidas. Um formato que proporcionava menos surpresas. Isso porquê o time mais qualificado teria uma segunda chance em caso de tropeço. O Umeå IK era a equipe favorita ao título e começava sua caminhada na final disputando o jogo em casa.

O jogo realizado na Suécia foi a maior surpresa das duas partidas. Foi nele que o Arsenal conseguiu sua vantagem para levantar o título europeu. Ganhando de 1 a 0 com gol de Alex Scott, as Gunners conseguiram frear bem o poderoso ataque comandado por Marta.

Na segunda partida, em Borehamwood (estádio do Arsenal Women), a pressão do Umeå continuou. Bombardeadas, as jogadoras do time de Londres tiveram de se esforçar para não deixar a vantagem cair por terra. Um único gol poderia fazer uma completa diferença.

Leia mais: Guia da WSL 2019-20 – Parte I: o futebol feminino na Inglaterra

A partida terminou sem gols, porém não sem festa. O Arsenal comemorava pela primeira vez um título internacional no feminino. Era também o primeiro fora da dobradinha Alemanha e Escandinávia. Ainda hoje a Uefa Women’s Cup 2006/07 é a única conquista inglesa na competição e em sua sucessora – a Women’s Champions League.

O Arsenal daquela época também se tornou emblemático por uma campanha irretocável na FA Women’s Premier League. Conseguiu 22 vitórias em 22 jogos na competição, alcançando 66 pontos, sendo eles 14 a mais que o segundo colocado. O time também seria um dos únicos da Europa a ganhar seis títulos em uma única temporada, contando Supercopa da Inglaterra e London Women’s Cup.

“É especialmente precioso vencer a Copa da Uefa nesta temporada. O Umeå é um ótimo time e tivemos que fazer um grande esforço” – Vic Ankers à BBC

Ian Walton Collection Getty Images Sport
Ian Walton Collection Getty Images Sport