Craque do Arsenal, Martinelli desabafa sobre episódio difícil no início de carreira: ‘Sofri bastante’

4 minutos de leitura

Gabriel Martinelli é um dos mais importantes jogadores do Arsenal do técnico Mikel Arteta, estando ranqueado entre os líderes das principais estatísticas do ataque dos Gunners nesta temporada. Antes de chegar ao Emirates Stadium em 2019, assim como vários outros brasileiros da Premier League, o atacante jogou pouco tempo no seu país natal, tendo uma passagem pelo Ituano de pouco mais de um ano.

Mas, mesmo antes de se tornar um atleta profissional, o atacante atuou nas categorias de base do Corinthians, seu time do coração, em outra modalidade esportiva. Em entrevista aos canais oficiais da Premier League, Martinelli contou sobre um episódio difícil que viveu nesse início de carreira no Timão.

“Sofri bastante”: Martinelli revela momento difícil no início de carreira

Martinelli passou pelas quadras antes de ir para os gramados. O jogador chegou ao Parque São Jorge com seis anos para jogar futsal, levado pelo pai, que sonhava em ver o filho atuando com a camisa alvinegra.

— Meu pai sempre teve o sonho de ter um filho jogador. Ele tentou ser jogador, mas não deu certo. Jogou futebol amador. Ele tinha em mente que quando eu fizesse seis anos, ele me levaria para o Corinthians. Ele me levou e lembro até hoje.

Mesmo não jogando no campo de primeira, Martinelli disse que não sentiu diferença. O jogador abriu o coração e disse que foi muito sofrido deixar o local sete anos depois.

— Na quadra do Parque São Jorge, com seis anos, parecia um campo. Passei no teste, era o Célio, um cara incrível. Me aprovou e depois segui meu caminho. Sofri muito por que cheguei lá com seis anos e saí com 13. Foi um momento muito duro. Tenho até hoje na memória.

— Nós tínhamos ganhado um título no final do ano e eu falei para o treinador que iria sair. Ele não acreditou. Chorei muito, minha mãe chorou. Sair de um lugar que conhecia todo mundo, era minha casa, eu sofri bastante. Mas tive que entender que era uma decisão dos meus pais.

Maria Tereza Santos
Maria Tereza Santos

Me formei em Jornalismo pela PUC-SP em 2020. Antes de escrever para a PL Brasil, fui editora na ESPN e repórter na Veja Saúde, Folha de S.Paulo e Superesportes.