Confira os 5 maiores argentinos na história da Premier League

Do pioneiro ao artilheiro, listamos os cincos maiores hermanos na liga inglesa

0
354
Manchester City x Tottenham: analisamos o confronto das quartas da Champions

O primeiro foi Ossie Ardilles. Junto dele chegou Ricardo Villa. O Tottenham foi o primeiro time inglês a contratar jogadores da Argentina. Os argentinos chegaram em 1978, quando o campeonato nem era Premier League ainda. Desde então, os argentinos já contribuíram muito para a construção do sucesso da Premier League. A PL Brasil lista os cinco maiores argentinos da Premier League.

Confira os 5 maiores argentinos na história da Premier League

Fabricio Coloccini

Começamos a lista dos maiores argentinos da era Premier League por Fabrizio Coloccini. Ele chegou ao St James' Park em 2008. O argentino veio do Espanyol por 10 milhões de euros.

Formando dupla com Sébastien Bassong, a primeira temporada foi boa individualmente. Desde sua estreia, o zagueiro atuou em quase todos os minutos. No entanto, o Newcastle acabou rebaixado.

No ano seguinte, Coloccini fez uma temporada fenomenal. Sendo campeão da Championship e eleito para o time do campeonato. Com sua técnica e seu cabelo, o argentino cada vez mais caía nas graças da torcida.

Em 2010-11, Fabricio manteve o nível. Na temporada de 2011-12 ganhou a faixa de capitão e foi eleito para a equipe do ano da PFA. Apesar do desempenho regular do time no geral, o zagueiro sempre mantinha um ótimo nível.

Leia mais: 10 jogadores que passaram pelo Wigan e você talvez nem saiba

Após uma grande atuação no Tyne-Wear Derby, Alan Pardew disse que assistir Coloccini era como ver Booby Moore jogando. No total, foram 211 jogos no Newcastle pela Premier League (248 no total) com quatro gols e 51 clean sheets.

Mas o dado que realmente impressiona e talvez seja a marca registrada do argentino é a qualidade no desarme. Nos 211 jogos foram 106 faltas apenas (0,5 por jogo), 403 tackles com 75% de sucesso. Para se ter uma noção, Virgil Van Dijk tem “só” 72% de sucesso nesse quesito.

Fabricio Coloccini marcou época no Newcastle e na Premier League. Foi o melhor zagueiro argentino que passou por lá e talvez sul-americano. Não poderia ficar fora da lista dos maiores argentinos da Premier League.

Durante sua estadia no St. James' Park, a saudade de casa bateu algumas vezes. Em 2013 ele quase saiu para jogar no San Lorenzo. De tanto ser convencido a ficar, ele rescindiu o contrato mutuamente em julho de 2016 e está até hoje no clube argentino.

Javier Mascherano

Foto: Premier League

El Jefe saiu campeão brasileiro do Corinthians e chegou ao West Ham em 2006. As contratações dele e de Tevez foram uma surpresa para o público. Ambos eram cobiçados por grandes da Inglaterra, mas os Hammers conseguiram as assinaturas.

A primeira temporada de Mascherano não foi boa. Só atuou em sete partidas. Podemos dizer que foi um pouco de dificuldade na adaptação, ou talvez as investigações sobre a transação feita. Masche ficou no clube apenas uma temporada e então partiu para Anfield.

Leia mais: Há 11 anos, West Ham dava chapéu nos concorrentes e anunciava Tevez e Mascherano

Chegando no Liverpool, logo na primeira entrevista cometeu uma gafe e chamou o clube de Red Devils. Mas isso foi sendo esquecido ao decorrer das atuações do argentino.

Masche ficou sem perder nas 15 primeiras partidas que fez. O recorde só seria batido por Alisson, recentemente. Na Premier League foram 94 jogos: 50 vitórias, 21 derrotas. 32 clean sheets e absurdos 78% de sucesso em desarmes. Mascherano foi um monstro defensivo pelos Reds

Em 2007, o Liverpool ficou com o vice-campeonato da Champions League. Um dia antes da final, em Atenas, os torcedores cantavam que tinham o “melhor meio-campo do mundo”

“Woah, woah, woah,
We've got the best midfield in the world,
Xabi Alonso, no more Sissoko, Gerrard and Mascherano... "

Em agosto de 2010, Pep Guardiola pediu e o Barcelona comprou Javier Mascherano por 22 milhões de euros.

Pablo Zabaleta

Foto: Premier League

Pablo Zabaleta chegou à Inglaterra no verão de 2008 e é certamente um dos maiores argentinos da era Premier League. O Manchester City pagou 8,7 milhões de euros ao Espanyol e trouxe o argentino. Na época, ele rejeitou a proposta da Juventus e disse que “uma proposta do Manchester City é impossível de recusar”.

Zabaleta chegou sem muitos holofotes. Alias, ele foi a última contratação antes do Abu Dhabi United Group começar a investir no clube. Mas mesmo com tanto dinheiro e craques milionários, o argentino continua com lugar cativo na história do clube e no coração dos torcedores.

Ao total foram 333 jogos pelo City. Foi 2x campeão da Premier League (2011-12 e 2013-14, 1 FA Cup (2010-11), 2 Copa da Liga (2013-14 e 2015-16). Além de ser escolhido para o time do ano na PL em 2012-2013.

Foram apenas 9 gols marcados, mas um deles vale por mil. O argentino foi quem abriu o placar contra o QPR no jogo do título de 2011-2012).

O carisma de Zaba

Zabaleta é absolutamente amado pelos fãs. A raça e o carisma conquistaram os ingleses. Ele ficou conhecido também pelo ótimo trato com os Citizens.

Quando a saída do lateral foi anunciada, o Manchester produziu um vídeo com torcedores agradecendo-o por tudo que foi feito. Ele também ganhou uma camiseta com o número 333 e acesso vitalício ao Etihad Stadium

O último a aparecer é Callum Haworth, chamado carinhosamente de Mini-Zaba. O garotinho conheceu seu ídolo quando estava internado no hospital. E desde então, idolatra com todo seu coração. A reação dele é emocionante. Prepare um lenço para assistir ao vídeo.

Zabaleta se transferiu para o West Ham em maio de 2017.

Carlos Tevez

Foto: Premier League

Carlos Tevez é um furacão. Durante sua carreira toda, por onde passou causou felicidades e confusões. Na Premier League não seria diferente.

O argentino chegou em 2006 ao West Ham, porém o começo foi ruim. Nas primeiras 17 partidas, apenas um gol. Os Hammers estavam praticamente selados ao rebaixamento. Tevez parecia que ia dar errado logo em sua temporada de estreia.

Mas Carlitos deu a volta por cima e carregou o West Ham nas últimas nove partidas rumo à permanência. Foram seis gols vitais nessa época. Inclusive marcou na vitória por 1 a 0 em Old Trafford, na última rodada. Partida que selou o não-rebaixamento.

Leia mais: As 10 maiores escapadas do rebaixamento na Premier League

Então, na temporada seguinte, o Manchester United observou bem e decidiu ir atrás do atacante. Tevez chegou com um contrato de empréstimo por dois anos.

Com a camisa vermelha, foi campeão da Premier League (2007-08 e 2008-09), Copa da Liga (2008-09), Supercopa da Inglaterra (2008), Champions League (2007-08) e Mundial de Clubes.

Apesar do trio letal com Rooney e Cristiano Ronaldo, Alex Ferguson não quis contar com Tevez na segunda temporada. Ferg, que tem certo histórico de confusões com astros, preteriu ele em relação ao recém-chegado Dimitar Berbatov. Sua última partida foi a final da Champions League 2008-09 contra o Barcelona.

Lado azul da força

Dispensado do lado vermelho, Carlitos foi jogar no lado azul. O City pagou 30 milhões de euros pelo atacante. Fez dupla com Robinho e mostrou ótimos números na temporada 2009-10. Foram 22 gols nas primeiras 30 partidas. E um total de 29 gols em 42 jogos.

Apesar do bom rendimento, o argentino começou a se desentender com Roberto Mancini. Isso aliado à saudade de casa, fato que sempre foi recorrente em sua carreira, fizeram minar cada vez mais sua estadia no Etihad.

Foram quatro temporadas no City. Fez parte da equipe campeã da Premier League em 2011-12, e da Copa da Inglaterra em 2010-11 (também foi artilheiro da PL nesse ano com 21 gols). Em 2013, já sem nenhum clima, foi negociado com a Juventus

São 202 partidas, 84 gols e 36 assistências na liga inglesa somando todas as suas passagens. Foram sete temporadas de gols, confusões e loucuras. Bem do jeito que é Carlos Alberto Tevez

Sergio Aguero

Foto: Premier League

Aquela história de que os jogadores não valem tudo aquilo que custam não se aplica a Kun Aguero. Quando o City foi busca-lo no Atlético de Madrid, a expectativa era alta. Afinal, se tratava da maior contratação da história dos citizens. Foram 45 milhões de euros.

Logo na primeira temporada, fez história. Sua estreia foi em 15 de agosto de 2011, contra o Swansea. Aguero veio do banco e, em cinco minutos, marcou o primeiro gol no novo clube. Mais tarde, assistiu David Silva. No final do jogo, recebeu na intermediária e fuzilou. O City venceu por 4 a 1.

Foram 23 gols em 34 jogos naquela temporada. A segunda foi mais discreta, 12 gols em 30 jogos. Mas a partir dali, já ambientado à Inglaterra, a carreira do baixinho centroavante decolou.

Kun foi quatro vezes campeão da Copa da Liga. Três vezes campeão da Premier League (2011-12, 2013-14, 2017-18) e artilheiro na temporada 2014-15. Já são mais de 160 gols na Premier League (330 jogos e 228 gols contando outras competições).

Um milagre aos 93'20”

Sem dúvidas, o êxtase máximo da carreira de Sergio Aguero aconteceu em 2012. Mais exatamente no Etihad Stadium no dia 13 de maio.

Eram 43 anos sem um título da liga inglesa para o Manchester City. Ele escapava até o minuto 93, quando Aguero busca a bola no meio, levanta a cabeça e tabela com Balotelli. Adentra a área e dispara o chute que entraria para a história.

“Você só precisa falar com qualquer fã da City e esse jogo é sempre o que eles querem conversar. O fato de que é em suas memórias para sempre significa que eu nunca vou esquecer isso também. ” – Aguero em entrevista para a SkySports

Foto: Premier League

Leia mais: Aguero monta seleção dos sonhos com dois brasileiros e rasga elogios ao Fenômeno

Atualmente, Sergio é o maior artilheiro da história do clube. Ultrapassou a marca de Eric Brook (176 gols) em 1º de novembro de 2017. Ele também é quem tem mais hat-tricks na Premier League, empatado com Alan Shearer (11).

Na lista dos maiores artilheiros da liga inglesa, Aguero aparece em 7º com 162 gols. O líder é Alan Shearer com 260. Em 3 ou 4 anos, mantenha o nível atual, é natural que ele se torne o homem com mais gols na PL.

Mais caro, maior artilheiro, e o messias. Sérgio Aguero, definitivamente, é marcante na história do Manchester City e da Premier League