‘Antony é um erro de 85 milhões de libras’, diz jornal, que compara brasileiro a destaque do City

5 minutos de leitura

Antony não vive boa fase no Manchester United. Depois de fazer uma primeira temporada mediana, o atacante ainda não marcou nenhum gol pelos Diabos Vermelhos em 2023/24 — além de ter passado um período afastado pela direção do clube, devido à uma investigação por suposta agressão contra uma ex-namorada.

Em meio à má fase, Antony tem sido alvo de fortes críticas pela imprensa inglesa. O jornal “The Telegraph” publicou um texto neste domingo (5), pontuando que a contratação do brasileiro é reflexo da “política de transferência do United”.

The Telegraph: “Antony é um erro de 85 milhões de libras”

A análise do colunista Jim White cita boas atuações individuais na vitória por 1 a 0 contra o Fulham, neste sábado (4), no Craven Cottage. Harry Maguire é chamado de “recuperado”, enquanto Onana teve suas “excelentes defesas” elogiadas. Mas o meio-campo e o ataque foram bastante criticados.

White pontua que pela terceira vez nesta temporada o United precisou contar com um chute de Bruno Fernandes para garantir a vitória nesta temporada. Por isso, ele questionou a contratação dos atacantes Rasmus Hojlund e Antony. O clube gastou mais de 150 milhões de libras na dupla, no total, mas nenhum dos dois já marcou nessa edição da Premier League até a 11ª rodada.

Antony, no entanto, já está há mais de uma temporada nos Red Devils — e há mais de duas sob o comando de Erik Ten Hag, já que o holandês foi seu treinador no Ajax –, e por isso, “não há desculpas” para ele, na visão do jornalista.

Observando-o de perto no sábado, é difícil ver o que fez Ten Hag desembolsar mais de 85 milhões de libras para garantir seus serviços. A coisa mais chamativa que ele fez foi antes do pontapé inicial, quando se ajoelhou no círculo central. Não para fazer um gesto contra a intolerância racial, mas para rezar.

Jim White, colunista do jornal “The Telegraph”

O jornalista cita o fato de que o brasileiro pouco fez na partida além de passar uma bola para Aaron Wan-Bissaka em um momento do jogo. De acordo com o “Sofascore”, Antony venceu quatro de 11 duelos, acertou 79% dos passes, realizou um corte, um desarme e uma interceptação, perdeu a bola dez vezes e não tentou nenhuma finalização durante os 63 minutos que esteve em campo.

— Você deve se perguntar, caso Antony não fosse brasileiro e, portanto, presuma ter algo maravilhoso escondido em suas chuteiras, se sua falha em fornecer algo que se aproxime de uma ameaça de ataque continuaria a ser tolerada.

“Doku custou a metade de Antony”

O texto terminar fazendo uma comparação entre Doku, do Manchester City, e Antony. Isso porque ele tem exercido melhor a função de transição em campo, como é o desejo de Ten Hag para o United.

— Doku começou a correr, Antony parece avesso à própria ideia de correr. Doku cruza para zonas de perigo, Antony passa para trás. Doku marca, enquanto Antony fica de mau humor.

Apesar de Antony ser criticado no texto, o alvo real é a forma com a qual o Manchester United tem contratado. Mesmo Doku desempenhando melhor o papel de um atacante, sua compra custou metade do valor gasto em Antony. Essa diferença é tratada como uma “lacuna entre os departamentos de recrutamento dos dois clubes”.

Torcedores do Manchester United estendem faixa com mensagem direcionada aos jogadores: “Joguem como se vocês se importassem!!” (Foto: Icon sport)

No Craven Cottage, era possível ver uma faixa estendida na torcida do United que dizia, traduzido para o português, “Joguem como se vocês se importassem”, em uma clara mensagem para o jogo apático e bagunçado que o time tem apresentado. White finaliza o texto com uma referência a este cartaz:

— Na verdade, se aqueles que estavam segurando (o cartaz) quisessem oferecer uma mensagem mais pertinente sobre o atual mal-estar do United, o que realmente deveria estar escrito naquele banner era: “Comprem como se vocês se importassem”.

Maria Tereza Santos
Maria Tereza Santos

Me formei em Jornalismo pela PUC-SP em 2020. Antes de escrever para a PL Brasil, fui editora na ESPN e repórter na Veja Saúde, Folha de S.Paulo e Superesportes.