Alexis Sánchez: o que aconteceu com o futebol do chileno?

Chileno já foi um dos principais jogadores da PL. Já foi...

0
350
Alexis_Sánchez_Manchester_United
Foto/Reprodução: GOAL.

Voltemos a 2014. Alexis Sánchez foi um dos destaques da seleção chilena que, por muito pouco, não eliminou o Brasil nas oitavas da Copa do Mundo, no Mineirão. Antes disso, uma vitória histórica contra a Espanha no Maracanã já confirmava a força de “La Roja”.

Logo após a Copa, Alexis mudaria de casa. De Barcelona, onde fez parte da lendária equipe treinada por Pep Guardiola, mudou-se para Londres.

O chileno chegaria valorizado após o bom desempenho no Mundial disputado no Brasil e com status de craque para vestir a camisa 7.

O interessante é que Alexis chegava ao Arsenal após ter a sua melhor temporada com a camisa do Barcelona, pelo menos no que se refere a gols marcados na liga espanhola: 19 gols em 34 jogos.

Em sua primeira temporada nos Gunners, marcou 25 gols em 52 jogos, contribuindo diretamente com o título da Copa da Inglaterra e com o 3º lugar na Premier League 2014/15, além de ter o terceiro melhor ataque da temporada.

Mas foi na temporada 2016/17 que Alexis teve a sua grande temporada da carreira, marcando 24 gols e 11 assistências em 38 jogos somente na Premier League, desempenho que foi somado com mais um título da Copa da Inglaterra, conquistado de forma saborosa contra o rival Chelsea.

Leia mais: Eric Cantona: o bad boy que virou rei de Old Trafford

Foto/Divulgação: GOAL.

Mas as duas goleadas sofridas para o Bayern de Munique nas oitavas da Champions machucaram bastante o que parecia promissor.

O quinto lugar na PL de um time que decepcionava nos jogos contra os principais adversários desencadeou uma vontade do chileno de deixar Londres.

Manchester, no norte do país, parecia ser mais agradável e com mais ambição por títulos. Seja na parte azul onde poderia reencontrar o ex-treinador Guardiola, seja na parte vermelha onde José Mourinho, um dos técnicos mais vencedores da Premier League, parecia montar um projeto interessante para fazer com que os Red Devils voltassem ao caminho dos títulos e do protagonismo após a saída de Sir Alex.

Com Wenger questionado, o Arsenal desprestigiado e fora da UCL após duas décadas, as especulações eram incessantes e o ambiente dentro do Emirates Stadium estava longe de ser saudável.

Com isso, sua saída foi inevitável para Old Trafford no meio da temporada 2017/18, onde vestiu a lendária camisa 7 e chegou novamente com muita expectativa para, junto com Pogba e Ibrahimovic, levar o United a um grande título.

Leia mais: Por que um bombardeio em Manchester fez com que United e City dividissem o mesmo estádio?

Foto/Reprodução: INews.

O projeto era realmente ambicioso com a cara de Mourinho para formar times vencedores. Mas, com um Manchester City que parecia impecável a ponto de conquistar o título de forma avassaladora, a campanha de 81 pontos não recebeu o devido destaque graças a uma impotência para competir com o rival local.

Se a busca era por títulos, Alexis se viu perder o título da Copa da Inglaterra com a derrota do Manchester United para o Chelsea e, na UEFA Champions League, foi eliminado de forma surpreendente para o Sevilla em pleno Old Trafford.

Foi uma temporada que terminou de forma frustrante mesmo com o rápido entrosamento com Romelu Lukaku.

Mas a verdade é que Alexis ainda não justificou o investimento feito pelo Manchester United em seu futebol, principalmente pela cobrança que há por bom desempenho individual e de títulos, de uma torcida que se acostumou a comemorar taças de forma quase incessante com o seu lendário comandante escocês. Por incrível que pareça, o chileno só tem dois gols marcados até aqui.

Leia mais Quem é Kepa Arrizabalaga, o espanhol que peitou Maurizio Sarri

Com Mourinho havia até mesmo rumores de decepção, com Alexis sendo preterido diversas vezes até mesmo do banco de reservas. Solskjaer recuperou a auto-estima dos jogadores para renderem em bom nível e subirem na tabela. Porém, a equipe subiu de produção, mas Alexis não. Continuou bem sumido em um elenco que chegara como protagonista.

Taticamente, Sánchez atuava com bastante liberdade no lado esquerdo do ataque dos Gunners, vivendo bons momentos atuando também como falso nove.

Drible, velocidade e bom posicionamento para atuar nas entrelinhas fazem dele um jogador de extrema qualidade nas desmarcações.

Foto/Reprodução: SportsKeeda.

Já no United de Mourinho era mais fixo na ponta esquerda, formando o trio com Lukaku como centroavante e Rashford ou Lingard como ponta direita. Mesmo com o rápido entendimento com o centroavante belga, Alexis não conseguia manter uma regularidade de boas atuações.

Além disso, não conseguiu ser bem sucedido em seus característicos dribles curtos em velocidade.

Na atual temporada, houve rumores sobre uma saída devido a uma possível insatisfação com a vida em Manchester.

Leia mais Por que a melhor torcida da Inglaterra é a visitante?

O que chama a atenção é como o péssimo início de temporada do time tem interferência direta com o fato do chileno ser ainda mais contestado, principalmente se lembrarmos que teve ótimos momentos com a camisa do Arsenal mesmo em anos difíceis.

Mesmo quando a equipe atua em um estilo propostivo, o chileno busca sempre deslocar-se em direção ao gol, seja dando amplitude pelos flancos ou mais fechado na área, sendo sempre muito bem nos deslocamentos para a desmarcação.

O que chama a atenção é como as suas características não tem sido aproveitadas pelo United, tanto por Mourinho ou por Solskjaer. Contra o Burnley, Matic carrega a bola como organizador na base da jogada, enquanto Aléxis já se desmarca para finalizar.

De um jogador world-class para um atacante talentoso, mas sem nenhuma confiança para repetir as boas atuações. Todos sabemos que Alexis é um jogador diferenciado, mas que infelizmente não consegue emplacar uma sequência satisfatória, principalmente por não conseguir encaixar o seu jogo.

Hoje, quem acompanhou sua trajetória por Barcelona e Arsenal, sabe que ele está rendendo muito abaixo.

Leia mais: Blackpool: da elite ao calvário dos problemas judiciais e a queda para a 4ª