5 alertas para Savinho não errar no Manchester City

6 minutos de leitura

Savinho está confirmado no Manchester City para a próxima temporada. A PL Brasil apurou que a jovem promessa brasileira foi comprada pelo time inglês, que pensou em emprestá-lo à princípio, mas mudou de ideia depois de ver a evolução do jogador com mais dribles certos no Campeonato Espanhol de 2023/24 — média de 2,8 por jogo (aproveitamento de 54%).

A joia de 20 anos revelada pelo Atlético-MG vem despontando na seleção brasileira. Deu uma assistência na vitória sobre o México, entrou bem nos empates com Estados Unidos e Costa Rica, marcou um gol e fez a jogada que resultou em um pênalti na goleada sobre o Paraguai.

O ponta é aguardado na turnê de pré-temporada do Manchester City nos Estados Unidos,  que contará com quatro amistosos em julho — contra Celtic, Milan, Barcelona e Chelsea.

O desempenho do ponta pelo Girona e pela seleção brasileira empolgam os torcedores do Manchester City. No entanto, Savinho tem características que precisam de atenção para ter oportunidade com o técnico Pep Guardiola, que não privilegia precisamente a jogada individual.

Pensando no que esperar de Savinho na Premier League, a PL Brasil separou 5 erros para a estrela brasileira evitar no Manchester City.

1. Excesso de dribles

Desde a base do Atlético-MG, Savinho se destaca pelo drible. A capacidade do brasileiro encontrar espaços no um contra um impressiona, mas não é exatamente esse tipo de jogador que tem se destacado no Manchester City. Riyad Mahrez, por exemplo, é um driblador extremamente habilidoso, mas passou a maior parte do tempo no banco de reservas em seus últimos anos na Inglaterra.

Guardiola, inclusive, chegou a dizer que a culpa pelos poucos minutos de Mahrez era do próprio treinador. O argelino acabou sendo vendido ao Al-Ahli, da Arábia Saudita, no meio do ano passado.

— Na Champions League não joguei nem a semifinal nem a final. Este último ano não posso dizer que correu mal, mas tenho um pouco desta sensação de assunto inacabado. Ofereceram-me quatro anos na Arábia Saudita, num país muçulmano onde posso definitivamente proteger a minha família — disse Mahrez ao “L’Équipe” em novembro de 2023.

guardiola mahrez
Guardiola conversa com Mahrez na lateral do campo (Foto: Icon Sport)

2. Ansiedade

Um dos maiores desafios de Savinho no Manchester City será controlar a ansiedade. A oportunidade de atuar em um dos maiores times do mundo, sob o comando de um dos maiores treinadores da história, é de empolgar. Mas o brasileiro precisa manter a cabeça no lugar.

A exemplo do empate com a Costa Rica, Savinho, como sempre, entrou com muita vontade de mostrar seu bom futebol, mas cometeu alguns equívocos. Em momentos que era para tocar, segurou a bola, e quando era para chutar, quis dar o passe.

Segurar a bola ou abdicar do poder de decisão na cara do gol podem ser atitudes fatais para um time tão encaixado e dominante como o Manchester City de Guardiola.

Savinho Brasil
Savinho comemorando gol pela seleção brasileira (Foto: Icon Sport)

3. “Jogador de uma nota só”

O lugar de Savinho no campo é nas pontas, principalmente pelo lado direito. Foi por ali que ele se destacou não apenas na seleção brasileira e no Girona, mas também nas poucas vezes que vestiu a camisa do Atlético-MG profissionalmente. Seu único gol pelo Galo na Copa Libertadores foi uma pintura, com o jogador partindo pelo lado direito, cortando para o meio e acertando um belo chute.

Entretanto, sob o comando de um treinador como Guardiola, é preciso saber desempenhar novas funções se quiser ser titular. A exemplo de Phil Foden, que começou como jogador de lado de campo e terminou a última temporada como craque da Premier League atuando pelo meio de campo.

Jerémy Doku, por sua vez, é um jogador extremamente habilidoso, que atua no lado esquerdo, mas é opção no banco de reservas.

Savinho Atlético
Savinho em ação pelo Atlético-MG na Libertadores (Foto: Pedro Souza/Atlético-MG)

4. Pecar na finalização

Se Savinho quiser estar entre as maiores estrelas do mundo como protagonista, precisa acertar o gol. Essa é a principal diferença que definiu os futuros de Foden e Raheem Sterling no Manchester City.

A joia formada no clube apareceu no momento certo, com um poder de decisão impressionante, enquanto o outro ficou marcado por perder muitos gols na cara e acabou perdendo espaço no time, a ponto de ser vendido ao Chelsea em julho de 2022.

5. Limitar a criatividade

Savinho Grupo City
Savinho em ação pelo Girona (Foto: Icon Sport)

Apesar de Guardiola montar um time que sobrepõe suas ideias de jogo a qualquer coisa, o Manchester City não é um time engessado. Há espaço para a criatividade do jogador aflorar e Savinho, com todo o seu potencial de buscar o drible como um legítimo atacante brasileiro, tem que deixar vivo o seu prazer de jogar e não se render ao pragmatismo pelo qual o futebol inglês ficou marcado.

Lucas Paquetá, que joga em outra posição no West Ham, consegue encontrar um equilíbrio perfeito entre os extremos que o fez ser o camisa 10 dos Hammers e alvo dos Citizens em duas janelas consecutivas.

Romulo Giacomin
Romulo Giacomin

Formado em Jornalismo na UFOP, passou por Mais Minas, Esporte News Mundo e Estado de Minas. Atualmente, escreve para a Premier League Brasil.