A pontaria de Haaland está três vezes pior. O que acontece com o camisa 9 do City?

5 minutos de leitura

Erling Haaland foi o artilheiro da Premier League na temporada passada, com direito a quebra de recorde histórico: 36 gols em 35 rodadas. A campanha foi avassaladora desde o começo, mas seu início em 2023/24, apesar de muito positivo, não chega perto do que viveu há um ano.

Um jogo ruim o camisa 9 do Manchester City pode significar duas coisas: jogos em que ele toca poucas vezes na bola e é criticado porque não se envolveu suficientemente; e vezes em que, apesar dos poucos toques, teve boas oportunidades, mas as desperdiçou.

Raras em sua primeira temporada na Inglaterra, as ocasiões que representam a segunda opção têm sido mais frequente na campanha atual.

Os números não mentem: Haaland “piorou”

Após os primeiros oito jogos da temporada passada na Premier League, Haaland marcou 12 gols, convertendo 60% de suas grandes chances, segundo dados da plataforma Opta.

No mesmo recorte desta temporada, ele marcou oito gols – não uma grande diferença, além do fato de que ainda é uma média de um gol por jogo – mas sua taxa de conversão de grandes chances caiu para 29%.

Erling Haaland Manchester City
(Foto Icon sport)

Os números representam um declínio de três vezes na precisão do camisa 9, e ele tinha acabado de desperdiçar nove grandes chances contra o Estrela Vermelha e o West Ham United em seus dois jogos anteriores.

O norueguês voltou a marcar contra o Nottingham Forest no dia seguinte, mas os números gerais deste ano não se comparam bem com os da temporada passada:

Após 11 jogos nesta temporada, ele tem oito gols (ainda é o artilheiro da Premier League), mas perdeu 14 de 20 grandes chances.

Nessa mesma época do ano passado, ele tinha 19 gols, convertendo 71%.

As análises de Guardiola

O técnico do Manchester City defendeu seu artilheiro. “Meu conselho é: não critiquem demais o Erling”, disse ele no mês passado. “Critiquem o lateral, o defensor central ou o treinador, mas nunca, jamais critiquem o atacante que marcou todos esses gols, porque ele vai marcar e vocês terão que pedir desculpas a ele.”

Evidentemente, ter poucos toques em um jogo é principalmente um reflexo do desempenho de sua equipe, em vez de culpa dele, mas essa nem sempre é a conclusão. No meio de outra resposta sobre Haaland durante a coletiva de imprensa antes do jogo contra o Forest, Guardiola frisou esse ponto:

— Ele teve muitas chances e isso significa que estamos jogando bem. Quando tenho a sensação de que a equipe está jogando bem, é por causa de quantas chances o Erling tem. Quando ele não tem muitas chances, algo está errado em nosso processo, em nossa dinâmica.

Foto: Icon Sport

Esse o caso contra Wolves e Arsenal. Apesar de seguir como uma máquina de fazer gols, é perceptível quando ele está tendo dificuldades, e não apenas porque ele quebrou tantos recordes e parecia tão impressionante na temporada passada.

Seu papel principal na equipe do City, de longe, é marcar gols, então quando ele não o faz, ou pelo menos não no nível da temporada passada, os efeitos são mais acentuados – ele parece muito pior porque não há muitas outras contribuições óbvias.

Ironicamente, o aviso de Guardiola também funciona ao contrário: um lateral esquerdo ou um treinador podem se sair mal, mas se Haaland não estiver fazendo seu trabalho, ele parece um jogador dispensável – o que não é verdade.

Guilherme Ramos
Guilherme Ramos

Jornalista pela UNESP. Escrevi um livro sobre tática no futebol e sou repórter da PL Brasil. Já passei por Total Football Analysis, Esporte News Mundo, Jumper Brasil e TechTudo.

Contato: [email protected]