4ª rodada da Premier League: confira o resumo dos jogos

Veja tudo que rolou nos 10 jogos deste fim de semana

0
371
4ª rodada da Premier League: confira o resumo dos jogos

A 4ª rodada da Premier League foi marcada pelo grande clássico entre Arsenal e Tottenham, por novas vitórias tranquilas de Manchester City e Liverpool, além de novos tropeços de Chelsea e Manchester United.

Southampton 1×1 Manchester United

Vários cenários de dominância caracterizaram o jogo no St. Mary's Stadium, no sul da Inglaterra. Primeiramente, o Southampton, que mudou para um 4-4-2 tradicional, adiantou as linhas de marcação e dificultou muito a saída de bola dos visitantes.

Entretanto, numa saída certa e rápida do United, Daniel James recebeu no um contra um, cortou para dentro e acertou um belo chute no ângulo do goleiro Angus Gunn. A partir do gol, o cenário mudou a favor dos Red Devils.

O time soube controlar o jogo até o fim do primeiro tempo, apesar de sofrer alguns sustos. David De Gea não chegou a trabalhar, mas Danny Ings e Sofiane Boufal levaram perigo em finalizações de longe.

No segundo tempo, mais uma mudança de cenário. Os Saints melhoraram e, novamente, anularam a saída de bola do Manchester. A pressão deu resultados e, aos 58 miunutos, Jan Vestergaard igualou o marcador.

No começo da jogada, De Gea fez milagre e o rebote sobrou para Kevin Danso colocar na cabeça do zagueiro dinamarquês. Outra mudança de domínio aconteceu e se intensificou ainda mais com a expulsão de Danso.

Com um a mais, o United teve a bola e criou chances seguidas com James, Young e Greenwood. Esta última contou com defesa importante de Gunn. Contudo, o placar não foi alterado e Ole Solskjaer agora soma três jogos sem vitória no campeonato.

Ficha técnica:

Southampton: Gunn, Cedric, Bednarek, Vestergaard, Danso; Romeu, Hojbjerg, Ward-Prowse, Boufal (Armstrong); Adams (Long) e Ings (Yoshida). Técnico: Ralph Hasenhüttl.

Manchester United: De Gea, Wan-Bissaka, Lindelöf, Maguire, Young; McTominay (Greenwood), Pogba, Pereira (Matic), Mata (Lingard), James; Rashford. Técnico: Ole Gunnar Solskjaer.

Chelsea 2×2 Sheffield United

O Sheffield United jogou contra o Chelsea, em Stamford Bridge, e continuou a impressionar aqueles que acharam que era o time mais frágil dos que conseguiram o acesso à Premier League. Fora de casa, os Blades conseguiram arrancar um empate em 2 a 2 depois de estarem perdendo por 2 a 0.

Antes da primeira metade da etapa inicial, o Chelsea havia aberto o placar em um lance de oportunidade. Tammy Abraham surgiu na pequena área para aproveitar o rebote do goleiro e marcou para deixar os Blues à frente. Aos 43 minutos, o jovem inglês desfrutou de erro da defesa para fazer o 2º na partida e seu 4º na competição.

O camisa 9 se destacou novamente com a camisa do Chelsea e contra os times que subiram da Championship conseguiu bons momentos. Tem dado motivos para deixar Olivier Giroud no banco em um primeiro instante, além de funcionar muito bem ao lado de Mount e Pulisic.

Leia mais: 5 joias da base do Arsenal que já estão fazendo sucesso no time de cima

A segunda etapa mostrou um Sheffield mais incisivo e querendo buscar melhor o ataque. Se antes defender-se e sair em lances oportunos era o objetivo, os 45 minutos finais deveriam ser diferentes. Logo nos primeiros 60 segundos após o apito final, Stevens fez belo lance individual pela direita da defesa do Chelsea e cruzou para Robinson diminuir.

O Chelsea teve diversas oportunidades para matar a partida, totalizando ao fim 13 chutes a gol. Mas, nenhum desses lances que vieram no segundo tempo causaram real perigo aos Blades.

Foi então que, aos 88, Robinson recebeu pela esquerda de seu ataque e cruzou para o meio da área. Zouma na disputa da bola acabou empurrando para as próprias redes: 2 a 2.

Frank Lampard, técnico do Chelsea, ficou visivelmente irritado após o empate. Havia tirado Barkley do meio-campo para colocar Willian justamente para dar mais efetividade ao ataque.

Porém, isso não aconteceu e seu time cedeu à briga adversária. Com o empate, o clube londrino fica com cinco pontos e empatado neste quesito com o Sheffield. Os Blues perdem o duelo no saldo de gols (0 contra -3).

Ficha técnica:

Chelsea: Kepa; Azpilicueta, Tomori, Zouma, Emerson; Barkley (William), Jorginho, Kovacic (Batshuayi); Pulisic, Abraham (Gilmour), Mount. Técnico: Frank Lampard

Sheffield United: Henderson; Basham (Osborn), Egan, O’Conell; Baldock, Lundstram, Norwood, Freeman (Mousset), Stevens; Robinson, McBurnie (McGoldrick). Técnico: Chris Wilder

Manchester City 4×0 Brighton

Atual campeão, o Manchester City segue com tudo atrás do tricampeonato consecutivo sob o comando de Pep Guardiola. Nesta rodada, a equipe enfrentou o Brighton no Etihad Stadium e ganhou sem grandes dificuldades.

Em busca da artilharia da Premier League, Kun Agüero foi o grande nome da partida. Com dois gols e uma assistência, o argentino doutrinou o sistema defensivo adversário e levou a equipe dos Citizens a mais uma vitória.

Apesar do domínio de Agüero, o primeiro gol da partida foi marcado por De Bruyne, que infiltrou entre os zagueiros dentro da área e balançou as redes no começo do primeiro tempo. Minutos depois, após boa troca de passes com Mahrez, o meia belga encontrou o camisa 10 da equipe, que se livrou da marcação com facilidade para marcar o segundo do confronto.

Sem tomar grandes pressões na defesa, Zinchenko encontrou David Silva, que passou facilmente para Aguero na entrada da área. Como característica, o atacante finalizou no ângulo do goleiro Matthew Ryan para marcar o terceiro do Manchester City no duelo. 

Para finalizar a goleada do Manchester City, Bernardo Silva entrou no lugar de David Silva e também balançou as redes para a equipe de Guardiola. Com a vitória, o atual bicampeão segue invicto, mas com dois pontos a menos que o líder Liverpool na tabela de classificação da Premier League.

Ficha técnica:

Manchester City: Ederson; Walker, Otamendi, Laporte (Fernandinho), Zinchenko; Rodri, De Bruyne (Gundogan), David Silva (Bernardo Silva); Sterling, Mahrez e Aguero. Treinador: Pep Guardiola. 

Brighton: Ryan; Dunk, Webster, Burn; Montoya, Stephens, Propper, Bernardo (Murray); March, Trossard (Gross), Maupay (Connolly). Treinador: Graham Potter. 

Crystal Palace 1×0 Aston Villa

Muita vontade e pouca inspiração. Assim podemos definir o jogo no Selhurst Park. Embalado pela vitória surpreendente contra o Manchester United no Old Trafford, o Crystal Palace recebeu o Aston Villa visando a segunda vitória no campeonato. Do outro lado, o Villa também queria manter o embalo após a vitória diante do Everton.

Quando a bola rolou, no entanto, sobrou vontade e faltou inspiração. Com um primeiro tempo muito truncado e disputado, as equipes praticamente não criaram chances claras de gol. Na melhor delas, Zaha interceptou a saída de bola dos Villans e cruzou para McArthur, na marca do pênalti, finalizar por cima do gol de Heaton.

Na segunda etapa, os visitantes se complicaram aos 10 minutos, quando Trezeguet cometeu uma falta em Zaha e recebeu o segundo cartão amarelo, sendo expulso e deixando o Villa com um jogador a menos. A partir daí, o Palace cresceu na partida.

Milivojevic, aos 13 minutos, recebeu na entrada área e disparou um belo chute no ângulo, mas Heaton estava bem posicionado e fez grande defesa. Aos 26, Ayew fez boa jogada individual e arriscou de longe. A bola passou a centímetros da barra.

Aos 28, no entanto, não teve jeito. Ayew foi acionado, passou no meio de dois zagueiros do Villa e bateu sem chances para Heaton, abrindo o placar para o Palace. O relógio passava dos 50 minutos quando Grealish fez boa jogada e rolou para Lansbury empatar. No entanto, o VAR anulou o gol.

Ficha técnica:

Crystal Palace: Guaita; Ward, Kelly (Sakho), Cahill, van Aanholt; McArthur, Milivojevic, Kouyate; Zaha, Ayew (Benteke) e Schlupp (Townsend). Técnico: Roy Hodgson

Aston Villa: Heaton; Guilbert, Engels, Mings, Taylor; McGinn, Douglas (Hourihane), Grealish; Trezeguet, Wesley (Lansbury) e Jota (Davis). Técnico: Dean Smith

Leicester City 3×1 Bournemouth

View this post on Instagram

Straight ???? #LeiBou • #lcfc

A post shared by Leicester City (@lcfc) on

Em confronto de dois dos times mais simpáticos da Liga, o Leicester City derrotou a equipe do Bournemouth por 3 a 1, no King Power Stadium, com gols Jamie Vardy (2) e Tielemans para os donos da casa, e Callum Wilson para os visitantes.

O primeiro tempo foi agitado, principalmente os quinze minutos iniciais. Aos 12, Chilwell fez grande lançamento para Vardy marcar um golaço de cobertura sobre o goleiro Ramsdale. Mas a resposta dos Cherries veio rapidamente: Ryan Fraser achou Wilson dentro da área, que bateu na saída de Schmeichel e empatou.

Vardy voltaria a aparecer de forma importante no final da primeira etapa. O camisa 9 avançou pela direita, entrou na área e achou Tielemans em ótima posição para recolocar os donos da casa na frente do placar.

A vitória foi definida com o segundo gol de Vardy no duelo. Aos 28, Tielemans retribuiu a assistência e serviu o companheiro, que deu números finais a partida.

Ficha técnica:

Leicester City: Schmeichel; Pereira, Evans, Soyuncu, Chilwell; Ndidi, Tielemans, Maddison (Fuchs), Albrighton (Gray), Barnes (Choudhoury); Vardy. Técnico: Brendan Rodgers.

Bournemouth: Ramsdale; Smith (Ibe), Mepham, Cook, Aké; Lerma, Billing, Wilson (Solanke), Fraser; Wilson, King (Surman). Técnico: Eddie Howe. 

West Ham 2×0 Norwich

Jogando no London Stadium, o West Ham não encontrou dificuldades em superar o Norwich e conquistar sua segunda vitória na Premier League. Os mandantes criaram as principais chances na partida, abrindo o placar aos 24 minutos com Sébastien Haller, que chegou a três gols em três partidas pelos Hammers na liga.

Após o gol sofrido, a equipe visitante manteve maior posse de bola, sem no entanto levar perigo à meta de Fabianski. A melhor chance dos Canários veio com Todd Cantwell, que embaixo da meta, cabeceou por cima aquela que foi a maior oportunidade da equipe em toda a partida.

View this post on Instagram

Baller. It is what it is.

A post shared by West Ham United (@westham) on

No segundo tempo, a superioridade dos Hammers aumentou, exigindo boas intervenções por parte do goleiro Tim Krul. De tanto pressionar, a equipe da casa ampliou o placar aos 56 minutos de jogo com o ucraniano Andriy Yarmolenko, que aproveitou a bola mal afastada pela zaga adversária.

O gol pôs fim a uma marca negativa para o jogador já ele não marcava um gol há 349 dias. O West Ham seguiu pressionando para ampliar ainda mais o placar, mas todas as tentativas foram neutralizadas com as boas defesas de Krul. A vitória levou os londrinos para a parte de cima da tabela enquanto o Norwich fica estacionado na zona de rebaixamento.

Ficha técnica:

West Ham: Fabianski, Fredericks, Diop, Ogbonna, Masuaku, Rice, Noble (Sánchez), Lanzini, Yarmolenko (Snodgrass), Felipe Anderson (Fornals), Haller. Técnico: Manuel Pellegrini

Norwich: Krul, Aarons, Zimmerman (Amadou), Godfrey, Lewis, Trybull, Leitner, Buendía, Stiepermann (Drmic), Cantwell (McLean), Pukki. Técnico: Daniel Farke

Newcastle 1×1 Watford

Em um confronto entre equipes que estão lutando na parte de baixo da tabela, Newcastle e Watford se enfrentaram em St James' Park e acabaram dividindo os pontos após um empate por 1 a 1. Com o resultado, os Hornets somaram o seu primeiro ponto na competição, enquanto os Magpies chegaram a quatro pontos.

Com a bola rolando, os comandados de Javi Gracia abriram o marcador logo aos dois minutos de jogo. O meia Tom Cleverley teve espaço para avançar e arriscou o chute, a bola bateu em dois marcadores do Newcastle e sobrou limpa para o meia Will Hughes tocar na saída de Dubravka e abrir o placar.

View this post on Instagram

Pinpoint accuracy ???? #NEWWAT #PL

A post shared by Premier League (@premierleague) on

O empate do Newcastle veio ainda no primeiro tempo. Após o cruzamento de Emil Krafth, o volante Isaac Hayden disputou com a zaga do Watford e sua cabeçada encontrou o zagueiro Fabian Schar, que livre, conseguiu chutar de pé esquerdo e vencer o goleiro Ben Foster.

No segundo tempo, os donos da casa até pressionaram e acertaram uma bola na trave após um belo chute de Hayden, mas os visitantes se seguraram e conseguiram somar o seu primeiro ponto na Premier League.

Ficha técnica:

Newcastle: Dubravka, Krafth (Manquillo 78′), Schar (Fernandez 85′), Lascelles, Dummett, Willems; Hayden, Longstaff, Atsu (Muto 82′), Almirón, Joelinton. Técnico: Steve Bruce

Watford: Foster, Dawson, Kasabele, Cathcart; Janmaat, Doucoure (Chalobah 71′), Cleverley, Femenía; Pereyra, Hughes (Success 71′); Gray (Deulofeu 82′). Técnico: Javi Gracia

Leia também: 5 estádios do futebol inglês que não existem mais

Burnley 0x3 Liverpool

Fora de casa, o Liverpool venceu o Burnley por 3 a 0 e manteve-se na liderança do campeonato. Foi a quarta vitória em quatro rodadas para os Reds. Mais do que isso, foi seu 13º triunfo seguido pela Premier League. Um recorde do clube.

Em Turf Moor, os visitantes deixaram claro, desde o início, que a vitória era o único resultado que lhes interessava. Logo no primeiro minuto, Salah mandou um lindo chute na trave, como cartão de visitas.

Mesmo com pleno domínio da partida, o time de Jurgen Klopp demorou 33 minutos para abrir o placar, através de um gol contra de Chris Wood (ele tentava bloquear um cruzamento de Alexander-Arnold e acabou encobrindo seu goleiro).

Antes do fim da primeira etapa, o Liverpool ampliou sua vantagem com gol de Mané, após assistência de Firmino.

O Bunrley tentou jogadas de ataque no segundo tempo e até conseguiu algumas finalizações perigosas. Mas o domínio dos Reds foi muito grande. Com 63% de posse de bola, 15 chutes a gol, sendo sete no alvo, os visitantes deram pouca chance para o azar.

Aos 35 minutos do segundo tempo. Firmino completou jogada, que ele mesmo havia iniciado, para colocar números finais no placar. Foi seu 50º gol pela Premier League. Ele é o primeiro atleta brasileiro a alcançar tal marca.

Ficha técnica:

Burnley: Pope; Mee, Tarkowski, Pieters e Lowton; Cork, Westwood, McNeil e Lennon; Wood e Barnes (Rodriguez). Técnico: Sean Dyche

Liverpool: Adrián; Alexander-Arnold, van Djik, Matip e Robertson; Fabinho, Henderson (Chamberlain) e Wijnaldum; Mané (Origi), Salah e Firmino (Shaqiri). Técnico: Jurgen Klopp

Everton 3×2 Wolverhampton

Em um confronto válido pela “Everton Cup”, nome que se dá à competição pelo sétimo lugar na Premier League, Everton x Wolverhampton fizeram um jogaço de tirar o fôlego, onde os donos da casa levaram a melhor.

Com dois gols do atacante brasileiro Richarlison e um do ponta Alex Iwobi, os Toffees derrotaram os Wolves. O volante Romain Saïss e o atacante Raúl Jiménez descontaram para os visitantes.

A partida começou a todo vapor. Logo aos quatro minutos de jogo, os donos da casa abriram o placar. Em erro do goleiro Rui Patrício e do zagueiro Conor Coady, a bola sobrou para Richarlison aproveitar e marcar seu primeiro gol na Premier League.

Entretanto, a vantagem durou pouco. Aos nove minutos, o ponta Adama Traoré fez uma bela jogada individual, cruzou rasteiro para área, o lateral direito Séamus Coleman falhou e o volante Romain Saïss empatou a peleja.

Leia mais: FIFA 20 Ultimate Team: os 10 melhores atacantes da Premier League 

Mas o empate durou apenas três minutos. Aos 12, Richarlison deu um excelente passe para Gylfi Sigurdsson, que aproveitou e cruzou para o ponta Alex Iwobi cabecear e colocar os donos da casa em vantagem. A primeira etapa seguiu bem disputada, com os dois times bem intensos e criando boas chances de marcar gols, mas o 2 a 1 foi mantido até o fim dos 45 minutos iniciais.

No segundo tempo, o mesmo ritmo: velocidade e chances dos dois lados. E aos 30 minutos da etapa final, os Wolves empataram a peleja. Em lateral cobrado na área, o zagueiro Willy Bolly deu uma casquinha para trás e o atacante Raúl Jiménez completou de cabeça e deixou tudo igual na partida.

Entretanto, cinco minutos depois, o lateral-esquerdo Lucas Digne foi até a linha de fundo e cruzou para Richarlison cabecear e deixar o Everton novamente em vantagem – desta vez de forma definitiva. Os Wolves até tentaram empatar mais uma vez, mas não conseguiram.

Ficha técnica:

Everton: Pickford; Coleman, Keane, Mina e Digne; André Gomes, Delph e Sigurdsson; Richarlison, Iwobi (Bernard) e Kean (Calvert-Lewin). Técnico: Marco Silva

Wolverhampton: Rui Patrício; Coady, Bolly e Bennett; Traoré, Dendoncker, Rúben Neves (Pedro Neto), Saïss e Rúben Vinagre; Jiménez e Cutrone (Jota). Técnico: Nuno Espírito Santo

Arsenal 2×2 Tottenham

Que jogo! Arsenal e Tottenham protagonizaram um grande clássico no Emirates Stadium, na melhor partida da temporada até aqui, que acabou empatada em 2 a 2, com gols de Eriksen e Kane para os Spurs e Lacazette e Aubameyang para os Gunners.

Aos 10, Lamela finalizou de fora da área, Leno não segurou e a bola ficou limpa para Eriksen abrir o placar, chegando ao seu 50º gol na Premier League com a camisa dos Spurs. A partida continuou movimentada, com as duas defesas trabalhando, até que Xhaka cometeu pênalti em Son. Na cobrança, Kane bateu firme e se tornou o maior artilheiro da história do clássico. 

Ir para o intervalo com 2 a 0 seria ótimo para a equipe de Pochettino, mas Lacazette não permitiu. O final do primeiro tempo foi de pressão dos donos da casa, com Lloris trabalhando bem, até que o camisa 9 dos Gunners recebeu de Pépé dentro da área, limpou Vertonghen e chutou forte para recolocar o Arsenal da partida.

A etapa final foi de pressão dos donos de casa e tentativas de escape dos visitantes em contra-ataques. Emery colocou Ceballos na partida, dando mais dinamicidade ao time. Até que, aos 26, Guendouzi deu grande passe para Auba, que como centroavante, devido à saída de Lacazette, desviou para os fundos da rede com um sutil toque. 

Após o empate, o jogo ficou ainda mais animado, mas com os donos da casa melhores. Os Gunners chegaram até a virar a partida, mas o gol foi corretamente anulado por impedimento.

Com o empate em 2 a 2, o Arsenal chegou a sete pontos e está na quinta colocação, enquanto o Tottenham tem cinco e ocupa a nona posição na tabela de classificação.

Ficha técnica:

Arsenal: Leno; Maitland-Niles, Sokratis, David Luiz, Kolasinac; Xhaka, Guendouzi, Torreira (Ceballos); Pépé, Lacazette (Mkhitaryan), Aubameyang. Técnico: Unai Emery. 

Tottenham: Lloris; Sánchez, Alderweireld, Vertonghen, Rose; Winks, Sissoko, Eriksen; Son (Lo Celso), Kane, Lamela (Dele Alli). Técnico: Mauricio Pochettino.

Colaboraram Guilherme Rodelli, Guilherne Batista, Lucas Bichão, Leonardo Gontijo, Rafael Brayan, Vinícius Alves, Yves Vieira, Bruno Bezerra e Lucas Holanda.