34ª rodada da Premier League: confira o resumo dos jogos

Veja tudo que rolou em mais uma rodada da PL

0
279
34ª rodada da Premier League: confira o resumo dos jogos
Lucas foi o grande destaque da rodada, com três gols pelo Tottenham (Foto: Reprodução/Tottenham Hotspur FC)

A 34ª rodada da Premier League ficou marcada por um recorde. Os brasileiros chegaram à marca de 61 gols na temporada, o maior já registrado na nova era do futebol inglês. Lucas Moura (3), Felipe Anderson (1) e Gabriel Jesus balançaram as redes.

Leicester 0x1 Newcastle

Leicester e Newcastle abriram a 34ª rodada da Premier League em confronto realizado no King Power Stadium. Os Foxes vinham de uma sequência de 4 vitórias seguidas, o que fez a equipe alcançar a 7ª colocação na tabela. Já os Magpies perderam nas duas rodadas anteriores.

No final, a equipe visitante surpreendeu e venceu o confronto por 1 a 0 graças ao gol marcado pelo meia-atacante espanhol, Ayoze Perez. Com a vitória, o Newcastle subiu para 38 pontos e tem pouquissímas chances de ser rebaixado para a Championship. Já o Leicester parou nos 47 pontos mas continua na 7ª colocação.

Com a bola rolando, o Leicester tinha o domínio da posse de bola, mas não conseguia produzir muitas chances de gol. As melhores jogadas eram individuais, principalmente pelo lado esquerdo de ataque, onde Harvey Barnes causava problemas ao lateral do Newcastle, Javier Manquillo.

Apesar do domínio dos Foxes na posse de bola, o Newcastle foi quem criou as chances mais perigosas do jogo. Na primeira tentativa, o atacante Salomon Rondón acertou o travessão em uma linda cobrança de falta.

Na segunda, a bola a acabou entrando. Após cruzamento de Matt Ritchie pelo lado esquerdo, Ayoze Perez se antecipou ao zagueiro Wes Morgan e cabeceou para o fundo das redes e garantir três pontos fundamentais ao time do nordeste inglês.

Na próxima rodada, o Leicester vai visitar o West Ham no Estádio Olímpico de Londres, enquanto o Newcastle vai receber o Southampton no St James' Park.

FICHA TÉCNICA:

Leicester: Schmeichel, Pereira, Morgan, Maguire, Chilwell; Ndidi (Mendy 72′), Tielemans, Gray (Iheanacho 72′), Barnes (Albrighton 80′), Maddison; Vardy. Técnico: Brendan Rodgers

Newcastle: Dubravka, Manquillo, Schar, Lascelles, Dummett, Ritchie; Hayden, Ki (Diamé 82′), Perez, Almirón (Atsu 78′); Rondón. Técnico: Rafael Benítez

Tottenham 4×0 Huddersfield

Com hat-trick de Lucas, Tottenham permanece firme na briga pela vaga na Champions (Divulgação/Twitter: Spurs)

Ainda na briga para permanecer entre os quatro colocados para conquistar a vaga na Champions League, no sábado (13), o Tottenham recebeu o já rebaixado Huddersfield e venceu com tranquilidade pelo placar de 4 a 0. Lucas fez hat-trick e Wanyama completou a goleada.

O Tottenham começou a partida com um alto volume de jogo e posse de bola que ultrapassou os 80%. Preenchendo muito bem os espaços e os dois últimos setores do Huddersfield, o time da casa pressionou nos minutos iniciais, mas não conseguiu chegar com tanto perigo à meta do goleiro Hamer.

Com o passar do tempo, o Huddersfield saiu um pouco mais e tentou incomodar o sistema defensivo dos Spurs. Porém, com o ótimo posicionamento com os três zagueiros, a equipe já rebaixada pouco assustou.

Após a pressão inicial, o Tottenham finalmente chegou ao primeiro gol do jogo. Llorente recebeu no pivô e achou Wanyama. O queniano invadiu a área, fintou o goleiro e mandou para o fundo das redes.

Depois de mais de um ano sem marcar, Wanyama abriu o placar para o Tottenham. (Divulgação/Twitter: Spurs)

E logo na sequência foi a vez de Lucas ampliar o marcador. Sissoko carregou e enfiou para o brasileiro, que só teve o trabalho de chutar forte cruzado e fazer o segundo gol dos mandantes na partida.

Com o placar já construído, o time da casa só controlou a partida e começou a dominar ainda mais o segundo terço do campo. O Tottenham terminou a primeira etapa com 76% de posse de bola e oito finalizações. Já os visitantes tiveram um fraco rendimento ofensivo, como durante toda temporada. Foram 24% de posse e só dois arremates.

No segundo tempo o Tottenham foi mais cauteloso, alternando o seu ritmo de jogo. Já o Huddersfield pouco incomodou o time mandante. O técnico Jan Siewert colocou Mounié no lugar de Durm, quebrando a linha de cinco defensores e tentou dar mais força ao ataque dos visitantes.

O Huddersfield ficou mais ofensivo e começou a chegar com perigo no sistema defensivo do Tottenham. Sem a sua linha de cinco defensores, o time preencheu mais o segundo setor do campo e começou a criar situações ofensivas.

Aos 35 minutos, Bacuna fez ótima cobrança de falta e obrigou Lloris a fazer uma excelente defesa. Essa foi a primeira intervenção do goleiro francês na partida. Com uma pequena pressão dos visitantes, os Spurs mudaram a estratégia e deram campo para o Huddersfield para sair em transição.

E em uma dessas jogadas de velocidade, o Tottenham chegou ao terceiro gol na partida. Eriksen recebeu pela direita e deu ótimo passe para Lucas no meio da área. O brasileiro dominou bonito e bateu sem deixar a bola cair: 3 a 0 e ótima atuação do camisa 27.

E ainda teve mais um gol de Lucas. No último minuto, Son carregou pelo meio e achou o brasileiro entre as linhas. Lucas invadiu a área e bateu forte, no ângulo, para fechar a goleada do Tottenham.

Com a vitória, o Tottenham chega aos 65 pontos na classificação e permanece na zona de classificação para a próxima Champions League. Já rebaixado, o Huddersfield continua com os mesmos 14 pontos e amarga o último lugar da Premier League.

Ficha técnica:

Tottenham: Lloris (c); Foyth, Sánchez, Vertonghen (Rose 84’); Walker-Peters, Wanyama, Sissoko (Skipp 74’), Davies; Eriksen, Lucas e Llorente (Son 86’). Técnico: Mauricio Pochettino.

Huddersfield: Hamer; Kongolo, Schindler (c), Stankovic (Mooy 82’), Hadergjonaj, Durm (Mounié 68’); Hogg, Bacuna, Kachunga, Löwe e Grant. Técnico: Jan Siewert.

Brighton 0x5 Bournemouth

Mesmo fora de casa, a equipe de Eddie Howe fez 5 gols e ajudou a afundar o Brighton (Divulgação/Bournemouth)

Em nova excelente temporada na Premier League, o Bournemouth goleou o jogo contra o Brighton and Hove Albion fora de casa. Com grande partida do trio Wilson, Fraser e Brooks, a equipe de Eddie Howe arrancou mais uma vitória e segue viva na briga pelo meio do campeonato.

O primeiro gol da partida foi marcado por Dan Gosling aos 33 minutos do primeiro tempo. Antes do final do primeiro tempo, Ryan Fraser ampliou o placar após receber excelente passe de Callum Wilson.

O Brighton jogou a maior parte do segundo tempo com um a menos, após Knockaert ser expulso por uma falta em Adam Smith. Minutos depois, Brooks marcou o terceiro gol do Bournemouth na partida.

Com a vitória, o Bournmeouth chegou a 41 pontos e à 12ª colocação da Premier League. Do outro lado, o Brigthon caiu para a 17ª posição e briga para não cair nesta temporada do Campeonato Inglês.

Com três assistências, Callum Wilson também marcou um gol, o quarto da partida, antes de Stanislas fechar o placar em 5 a 0 a favor do time de Eddie Howe.

FICHA TÉCNICA

Brighton and Hove Albion: Ryan; Montoya, Dunk, Duffy, Bernardo; Propper (Izquierdo, 63′), Stephens, Bissouma; Knockaert, Andone (Murray, 58′), Locadia. Treinador: Chris Hughton.

Bournemouth: Boruc; Smith, Mepham, Cook (Simpson, 87′) e Aké; Brooks, Gosling, Lerma e Fraser; Wilson (Stanislas, 83′) e King (Solanke, 76′). Treinador: Eddie Howe.

Fulham 2×0 Everton

O Craven Cottage recebeu de braços abertos o Fulham depois de uma visita desastrosa ao Watford na rodada 33 da Premier League. A partida deste último sábado foi jogada contra o Everton. O empenho do time da casa foi grande e aproveitando as falhas do rival acabaram conseguindo aplicar um placar de 2 a 0.

Uma partida após ser rebaixado novamente para a Championshiop, o Fulham parecia ter perdido o peso em suas costas. Os 15 minutos iniciais trouxeram para campo uma equipe capaz de fechar os espaços com uma defesa postada na frente da área e ainda assim com capacidades de arranjos ofensivos mais perigosos.

O Toffees, que ainda brigam por uma posição mais adequada ao seu investimento na temporada, esteve apagado durante grande parte do tempo.

Ryan Babel batendo o goleiro para fazer o 2º gol da partida entre Fulham e Everton no Craven Cottage (Foto: Fulham FC)
Ryan Babel batendo o goleiro para fazer o 2º gol da partida entre Fulham e Everton no Craven Cottage. (Foto: Fulham FC)

Ao sinal do apito para o intervalo o Everton trazia consigo 54% da posse de bola, mas oferecera pouco perigo e só conseguiu acertar seus chutes em 1 oportunidade das 3 tentativas que teve. O Fulham mostrou-se mais insistente, chutando 8 vezes.

As glórias por fazer uma partida melhor vieram rápidas no segundo tempo. Ainda aos 46 minutos, Cairney abriu o placar e trouxe ainda mais apatia ao futebol de seus adversários. Sem reação por parte do Everton, Ryan Babel aproveitou-se de uma zaga aberta aos 69 minutos e carregou a bola para o 2 a 0.

A vitória do Fulham garantiu três pontos, mas não reverte sua situação. A derrota é muito mais significativa para o Everton, que vê sua briga pela 7ª posição ficar ainda mais difícil e isso restando apenas quatro rodadas para o fim da temporada.

FICHA TÉCNICA:

Fulham: Rico; Fosu-Mensah (Cyrus Christie 66’), Le Marchand, Ream, J. Bryan; Chambers, Anguissa (Odoi 88′); Ryan Sessegnon, Tom Cairney, Ryan Babel (Seri 83’), Mitrovic. Técnico: Scott Parker

Everton: Pickford; Coleman, Jagielka, Zoouma, Digne; André Gomes, Gueye; Richarlison (Tosun 83′), Sigurdisson (Lookman 74’), Bernard (Walcott 83′); Calvert-Lewin. Técnico: Marco Silva

Southampton 3×1 Wolverhampton

Na caminhada para escapar de vez do rebaixamento, o Southampton venceu mais uma sob o comando de Ralph Hasenhüttl. A vítima foi o ótimo Wolverhampton de Nuno Espírito Santo.

Jogando em casa, os Saints começaram num ritmo forte e abriram o placar logo aos dois minutos. Josh Sims foi lançado pela direita e cruzou rasteiro para Nathan Redmond antecipar Romain Saïss, vencendo o goleiro Rui Patrício.

Os mandantes recuaram e o Wolverhampton teve a bola (67% x 33%), mas Angus Gunn trabalhou apenas uma vez (em chute de Rúben Neves) antes do empate. João Moutinho cobrou escanteio e Wily Boly subiu mais que todo mundo e fuzilou de cabeça.

Porém, logo em seguida, Danny Ings recebeu com liberdade no meio e deu um passe açucarado para, mais uma vez, Redmond marcar. O camisa 22 tocou de cavadinha por cima de Rui Patrício.

Redmond desempatando o jogo de cavadinha (Premier League/Divulgação)

O segundo tempo seguiu o script do primeiro, com os Lobos tendo a bola sem testar Gunn e os Saints se defendendo. Numa das raras oportunidades no ataque, o escanteio de James Ward-Prowse encontrou Maya Yoshida.

Na primeira, o japonês tentou de bicicleta; na segunda, o passe (aparentemente sem querer) achou Shane Long, que só desviou para ampliar. O Wolverhampton não teve forças para voltar ao jogo, mesmo com as alterações, e perdeu a segunda seguida.

Ficha técnica

Southampton: Gunn, Bednarek, Vestergaard, Yoshida; Valery (Stephens 84′), Ward-Prowse, Hojbjerg, Bertrand; Sims (Romeu 61′), Redmond e Ings (Long 61′). Técnico: Ralph Hasenhüttl.

Wolverhampton: Patrício, Saïss, Boly, Coady; Doherty (Adama 70′), Dendoncker, Neves (Gibbs-White 70′), Moutinho, Jonny; Jota (Costa 87′) e Jimenez. Técnico: Nuno Espírito Santo.

Burnley 2×0 Cardiff

Wood marca duas vezes, Burnley vence o Cardiff e fica perto da permanência. (Foto: Reprodução/Burnley)

Brigando contra o rebaixamento, Burnley e Cardiff se encontraram no Turf Moor em duelo decisivo para ambos. Melhor para os donos da casa, que contaram com doblete de Chris Wood para vencer e afundar os rivais na briga contra a degola.

Logo no primeiro minuto da partida, Morrison foi afastar a bola, mas acabou cabeceando errado e a pelota sobrou para Wood, que subiu e cabeceou no canto de Etheridge, mas a bola caprichosamente bateu na trave esquerda.

O Cardiff tentou responder com Josh Murphy, primeiro o camisa 11 finalizou, a bola desviou e ficou fácil para Heaton defender. Em seguida, Murphy chutou firme de pé esquerdo, mas a bola acabou indo pra fora.

McNeil cobrou escanteio, Wood se movimentou bem e apareceu livre na pequena área para cabecear pro fundo da rede, abrindo o placar para o Burnley.

De cabeça, Wood abriu o placar para o Burnley. (Foto: Reprodução/Burnley)

Na última chance da primeira etapa, Barnes deu belo passe para Westwood, livre de marcação, partir em velocidade e, novamente, sair na cara do goleiro Etheridge, que, a exemplo da primeira oportunidade, conseguiu se colocar bem e evitar o gol do camisa 18.

Na segunda etapa, precisando desesperadamente do resultado, o Cardiff precisou se expor. E por muito pouco não chegou ao empate. Primeiro com Arter, que carimbou o travessão de Heaton. Depois com Hoilett que, livre de marcação na marca do pênalti, acabou isolando a bola após bom passe de Zohore.

O Burnley só voltou a assustar, de fato, nos 15 minutos finais da partida. Após nova cobrança de escanteio de McNeil, Ben Mee subiu por trás da marcação do Cardiff e cabeceou para boa defesa de Etheridge.

Nos acréscimos, McNeil fez boa jogada pelo flanco esquerdo de ataque e cruzou rasteiro, a bola iria nas mãos de Etheridge, mas o zagueiro Manga acabou colocando o pé na bola, que desviou no pé esquerdo de Etheridge e sobrou na linha do gol para Wood só escorar pro gol, dando números finais a partida.

Com a vitória, o Burnley chega a 39 pontos e se mantém na 14ª posição, abrindo 11 pontos de diferença em relação ao 17º, que é o próprio Cardiff. Por sua vez, os Bluebirds vêem Burnley, Newcastle e Southampton se distanciarem. O único time que continua alcançável é o Brighton.

Ficha técnica

Burnley: Heaton; Lowton, Tarkowski, Mee, Taylor; Hendrick, Westwood, Cork, McNeil; Barnes, Wood. Técnico: Sean Dyche

Cardiff: Cardiff City: Etheridge; Peltier, Morrison, Ecuele Manga, Bennett; Gunnarsson; J Murphy, Arter (Reid 80′), Camarasa, Hoilett (Mendez-Laing 73′); Zohore (Niasse 78′).  Técnico: Neil Warnock

Manchester United 2×1 West Ham

Após perder o primeiro jogo das quartas da Liga dos Campeões contra o Barcelona, o Manchester United entrou em campo pela Premier League no último sábado (13). Contra o West Ham, os Reds Devils tiveram dificuldades para conseguir a vitória no Old Trafford.

Com dois gols, o francês Paul Pogba brilhou e deu a vitória ao Manchester United (Divulgação/Manchester United)

O Manchester United começou o jogo e abriu o placar logo aos 10 minutos de jogo, com Paul Pogba cobrando pênalti. O lance foi depois de Felipe Anderson ter um gol anulado por impedimento.

Mas foi o brasileiro quem empatou a partida no começo da segunda etapa. Após bom passe de Snodgrass, o meia do West Ham finalizou baixo e venceu o duelo contra David De Gea.

Em grande fase desde a chegada de Ole Gunnar Solskjaer, o Manchester United chegou à vitória faltando apenas 10 minutos para o fim do jogo. Reforço para esta temporada, Ryan Fredericks derrubou Martial dentro da área. Na cobrança, Pogba brilhou novamente e sacramentou a vitória dos Reds Devils.

Com o resultado positivo em casa, o Manchester United chegou a 64 pontos e à quinta colocação da Premier league. Do outro lado, o West Ham segue com 42 pontos na 11ª posição.

FICHA TÉCNICA

Manchester United: De Gea, Dalot, Jones, Smalling, Rojo (Andreas, 75′), Mata (Rashford, 55′) Fred, Pogba, Lingard, Lukaku (Greenwood, 75′), Martial. Treinador: Ole Gunnar Solskjaer.

West Ham: Fabianski, Zabaleta (Fredericks, 76′), Ogbonna, Balbuena, Masuaku, Rice, Noble, Snodgrass, Lanzini (Diangana, 62′), F. Anderson, Chicharito (Antonio, 72′). Treinador: Manuel Pellegrini.

Crystal Palace 1×3 Manchester City

Sterling anotou um doblete na vitória do City fora de casa. (Foto/Divulgação: Premier League)

Em uma partida que dominou por completo, o Manchester City venceu o Crystal Palace no Selhurst Park contando com um doblete do atacante Raheem Sterling e com uma grande atuação do meio-campista belga Kevin De Bruyne, responsável por duas assistências.

Com o resultado, o City chegou a voltar a liderança da PL com 83 pontos, mas retornou ao segundo-lugar após a vitória do Liverpool sobre o Chelsea. Já o Palace agora ocupa a 13ª posição com 39 pontos, onze acima do Cardiff (18º) que abre a zona de rebaixamento, restando quinze a serem disputados até o término do campeonato. Sejamos sinceros: O Crystal Palace está livre da ameaça do descenso.

Dentro do relvado, os comandados de Pep Guardiola abriram o placar aos 15'/1T após belo lançamento de KDB para Sterling, que bateu alto e cruzado, sem chances para o goleiro Guaita. Aos 31′, Leroy Sané partiu desde a ponta canhota com a bola dominada, passou por dois adversários (Towsend e Wan-Bissaka) e obrigou Guaita a fazer uma grande defesa para evitar o que seria um golaço do alemão em Londres.

No 2T, Kyle Walker avançou pela direita até a intermediária aos 17′ e passou para Aguero, na entrada da área. O argentino acionou David Silva na área, mas o espanhol ficou sem ângulo para finalizar, precisando recuar para Sané, que de primeira cruzou rasteiro para Sterling que limitou-se a dar um leve toque para marcar seu segundo gol no jogo.

Aos 24′, o sérvio Milivojevic lançou o centroavante belga Benteké na área, que fez o giro, mas finalizou sem perigo ao gol de Éderson.

Já aos 35′, o mesmo Milivojevic cobrou uma falta perigosa na entrada da meia-lua no canto direito do goleiro brasileiro, diminuindo o marcador na capital britânica. Mas aos 45, De Bruyne puxou contra-ataque pelo meio e deu um passe açucarado para Gabriel Jesus dar números finais ao jogo.

Gabriel Jesus marcou o terceiro gol da vitória dos Citizens sobre o Palace. (Foto/Divulgação: Premier League)

A briga pelo título continua acirrada e o City agora enfrenta o Tottenham duas vezes seguidas: A primeira pelo jogo de volta das quartas de final da UEFA Champions League, na quarta-feira (17/04, às 16h – Horário de Brasília) e no próximo sábado (20/04, às 08:30 – Horário de Brasília), pela 35ª rodada da Premier League. Ambas as partidas serão disputadas no Etihad Stadium, em Manchester.

Já o Crystal Palace enfrenta o Arsenal, no próximo domingo (21/04), às 12h (Horário de Brasília).

Ficha Técnica:

Crystal Palace: Vicente Guaida; Patrick van Aanholt, Scott Dann, Martin Kelly e Aaron Wan-Bissaka; Jeffrey Schlupp (Cheikhou Kouyaté – 22′), James McArthur (Bakary Sako – 85′) e Luka Milivojevic; Andros Towsend (Max Meyer – 77′) e Wilfried Zaha; Christian Benteke. Técnico: Roy Hodgson.

Manchester City: Ederson; Kyle Walker, Vincent Kompany, Aymeric Laporte e Benjamin Mendy; Ilkay Gundogan e Kevin De Bruyne; Leroy Sané (John Stones – 87′), David Silva (Bernardo Silva – 65′) e Raheem Sterling; Sergio Aguero (Gabriel Jesus – 75′). Técnico: Pep Guardiola.

Liverpool 2×0 Chelsea

Foto: Getty Images

O Liverpool segue firme na busca pelo tão sonhado título inglês que não vem desde 1990. E para manter o sonho vivo era preciso vencer o Chelsea, em Anfield.

O adversário havia sido algoz dos Reds cinco anos antes – no jogo que ficou famoso pela escorregada de Steven Gerrard. E o Liverpool conseguiu superar o rival. Com gols de Salah e Mané, a equipe de Klopp bateu os londrinos por 2 a 0.

Para o jogo contra o Liverpool, o técnico Maurizio Sarri optou por escalar uma equipe mais rápida, sem a presença de um centroavante de origem, obrigando o craque Eden Hazard a jogar improvisado.

E a estratégia funcionou na primeira etapa, tendo em vista que o Liverpool criou apenas duas chances reais de gol.

Entretanto, a pressão do Liverpool aumentou no segundo tempo. Aos seis minutos da etapa final, o capitão Jordan Henderson cruzou e Sadio Mané cabeceou livre para o gol. 1 a 0!

Dois minutos depois foi a vez de Salah marcar um golaço que com certeza ficará marcado na história da Premier League. Após lançamento de van Dijk, o egípicio limpou o lateral Emerson e mandou uma bomba de fora da área. 2 a 0 e festa no Anfield!

Com o placar adverso, Sarri colocou Gonzalo Higuain na vaga do garoto Hudson-Odoi. Com a alteração, o Chelsea por pouco não empatou. Hazard ficou cara a cara com Alisson e mandou na trave; em seguida, mais uma chance do belga, que desta vez parou no goleiro brasileiro.

Com o resultado, o Liverpool se manteve na liderança, com um ponto e um jogo a mais que o Manchester City. Pelo lado do Chelsea, a equipe foi ultrapassada pelo Arsenal e caiu para quinto lugar na tabela.

Ficha Técnica

Liverpool: Alisson; Arnold, Matip, van Dijk e Robertson; Fabinho, Henderson(Milner) e Keita(Wijnaldum); Salah(Shaqiri), Mané e Firmino. Técnico: Jürgen Klopp

Chelsea; Kepa; Azpilicueta, Rudiger(Christensen), David Luiz e Emerson; Jorginho, Kante e Loftus-Cheek(Barkley);Hudson-Odoi(Higuain), William e Hazard. Técnico: Maurizio Sarri.

Watford 0x1 Arsenal

Na falha de Foster (fundo), Aubameyang fez o 18º gol na PL e garantiu a importante vitória do Arsenal (Foto: Reprodução/Premier League)

Com o Watford podendo chegar ao sétimo lugar e o Arsenal buscando o G4, a partida de encerramento da 34ª rodada prometia ser muito equilibrada. Mas logo no começo, os Gunners tomaram o controle do jogo.

Aos dez minutos, o goleiro Ben Foster recebeu recuo na própria área, mas demorou para chutar e mandou em cima de Pierre-Emerick Aubameyang, que desviou o chutão para o gol. Falha bizarra e 18º gol do gabonês na PL (terceiro na artilharia), abrindo o placar.

No minuto seguinte, em um lance despretensioso, Troy Deeney largou o braço no rosto de Lucas Torreira. O juiz Craig Pawson, com orientação do assistente, deu vermelho direto para o artilheiro do Watford, complicando ainda mais os mandantes.

Mesmo com 10 em campo, o Watford foi para cima. Com boas atuações de alguns destaques do time, como Will Hughes e Andre Gray, os Hornets exigiram boas defesas de Bernd Leno. O Arsenal teve alguns contra-ataques, mas não aproveitou e o jogo foi para o intervalo em 1 a 0.

No segundo tempo, o Arsenal se aproveitou da ordem numérica e começou melhor. Destaque para o duelo entre Henrikh Mkhitaryan e Ben Foster, com o goleiro do Watford fazendo duas belas intervenções em finalizações do meia do Arsenal.

A partir dos 15 minutos, o jogo tomou uma cara definitiva. Os Hornets, com mais atacantes e precisando pontuar, partiam para cima com perigo (Kiko Femenía chegou a mandar uma bola no travessão). Nos contra-ataques, os Gunners também criaram chances, mas não definiram a partida.

No fim, os mandantes foram com tudo e deram sufoco enorme aos adversários, que se seguraram como podiam (Ainsley Maitland-Niles chegou a tirar um gol de Andre Gray sem goleiro). Mas no fim, deu certo para os londrinos, que venceram por 1 a 0.

Gray teve a chance de marcar sem goleiro para o Watford, mas Maitland-Niles se jogou na bola para evitar o empate (Foto: Reprodução/Premier League)

Com o resultado, o Arsenal assumiu de vez a quarta colocação, com 66 pontos, voltando à zona de classificação para a Uefa Champions League. Já o Watford perdeu a chance de voltar ao sétimo lugar e caiu para décimo, estacionado com 46.

Ficha técnica:

Watford: Foster; Janmaat, Masina (Sema, 86’), Cathcart, Kabasele; Doucouré, Hugues, Femenía (Success, 59’), Capoue; Deeney, Gray. Técnico: Javi Gracia.

Arsenal: Leno; Mustafi, Koscielny, Mavropanos (Guendouzi, 59’), Monreal; Xhaka, Torreira (Özil, intervalo), Ramsey (Maitland-Niles, 67’), Iwobi, Mkhitaryan; Aubameyang. Técnico: Unai Emery.

Não há posts para exibir