23ª rodada da Premier League: confira o resumo dos jogos

Rodada teve vitóra do lider e Arsenal vencendo clássico

0
319
23ª rodada da Premier League: confira o resumo dos jogos

A 23a rodada da Premier League teve grandes jogos, mas sem nenhuma grande mudança na parte de cima da tabela.

Manchester United 2×1 Brighton

6 jogos na Premier League, 6 gols (Reuters)

Buscando manter a ascensão no campeonato, o Manchester United recebeu o Brighton, invicto há três rodadas, no Old Trafford. Os visitantes tinham vencido os últimos dois duelos entre eles pela Premier League.

O começo foi como o esperado: pressão dos mandantes, que vivem boa fase. Contudo, o Brighton espetava alguns contra-ataques perigosos.

Aos 25, Ander Herrera achou Paul Pogba que, em jogada individual, sofreu o pênalti. O próprio francês bateu e marcou. Ainda na primeira etapa, Marcus Rashford fez grande jogada individual e ampliou.

Os Red Devils diminuíram o ritmo e não viram o adversário assustar. Porém, aos 72, Pascal Gross recebeu cruzamento de Davy Pröpper e diminuiu. Os Seagulls até forçaram uma pressão no final, mas sem resultado.

O time de Ole Gunnar Solskjaer chega à sexta vitória seguida na competição e à sexta colocação também, empatado com o Arsenal. O Brighton continua fora do rebaixamento, mas flerta com o perigo.

Pogba com Solskjaer: 6 jogos, 5 gols. Saudades de Mourinho? (Reuters)

Ficha técnica

Manchester United: De Gea, Young, Lindelöf, Jones, Dalot; Matic, Herrera, Pogba; Lingard (Mata 75′), Martial (Lukaku 83′) e Rashford (Darmian 90'+4). Técnico: Ole Gunnar Solskjaer.

Brighton: Button, Montoya, Duffy, Dunk, Bong; Stephens, March (Knockaert 60′), Pröpper, Gross (Kayal 82′), Locadia; Murray (Andone 60′). Técnico: Chris Hughton.

Southampton 2×1 Everton

Jovem James Ward-Prowse vem fazendo boas atuações com a camisa dos Saints. (Foto: Dan Istitene/Getty Images)

A boa fase recente do Southampton ao comando de Ralph Hasenhüttl continua. A equipe venceu o Everton dentro de casa e chegou ao seu terceiro jogo consecutivo sem derrota.

Os Saints foram mais objetivos e diretos durante a partida, o que gerou boas oportunidades de gol. Na primeira etapa, Nathan Redmond e Danny Ings tiveram boas chances, mas o zero não saiu do placar graças ao goleiro Pickford.  

O segundo tempo começou com uma trocação intensa. Com apenas três minutos Gylfi Sigurdsson obrigou McCarthy a fazer boa defesa. No lance seguinte, o Southampton abriu o placar com James Ward-Prowse

Depois de sofrer o primeiro gol o Everton ficou perdido dentro de campo e viu Lucas Digne cometer uma falha bizarra, marcando um gol contra de fora da área.

A equipe de Ralph Hasenhüttl teve chances de fazer o terceiro gol e não fez. Nos minutos finais os Toffees exerceram uma pressão que acabou resultando no gol de Gylfi Sigurdsson. A vitória foi muito importante pro Southampton respirar na tabela de classificação.

Ficha Técnica

Southampton: McCarthy, Targett (Cedric 35′), Stephens, Bednarek, Vestergaard, Valery; Ward-Prowse, Romeu, Hojbjerg. Redmond (Armstrong 86′); Ings (Austin 74′). Técnico: Ralph Hasenhüttl.

Everton: Pickford, Coleman, Zouma, Keane, Digne; Gueye, André Gomes (Calvert-Lewin 57′); Bernard (Walcott 73′), Sigurdsson, Lookman; Richarlison (Tosun 65′). Técnico: Marco Silva.

Liverpool 4×3 Crystal Palace

Salah chegou ao seu 16º gol na Premier League e agora é o artilheiro isolado, com dois gols de vantagem sobre Aubameyang e Harry Kane. (Foto: Laurence Griffiths/Getty Images)

Em um dos jogos mais movimentados da rodada, o Liverpool sofreu, mas conseguiu bater o Crystal Palace em Anfield. Os Reds têm que agradecer ao seu trio ofensivo e também à Speroni. O goleiro do Palace cometeu uma trapalhada que praticamente deu um gol para Salah.

A partida foi tensa durante os noventa minutos. No início, o Liverpool dominava a posse de bola e as ações ofensivas. Com o tempo o Crystal Palace começou a ter bons contra-ataques, principalmente com Zaha em cima de Milner.

O primeiro gol da partida foi após um contra-ataque onde Zaha deixou Milner pra trás e encontrou Andros Townsend.

O segundo tempo foi muito mais movimentado e os Reds viram Mohamed Salah ser fundamental mais uma vez. O egípcio marcou duas vezes e junto com Mané e Firmino, que também marcaram, foi fundamental para a vitória.

Os comandados de Roy Hodgson buscaram o placar durante todo o jogo e quase conseguiram. Os outros dois gols dos Eagles foram marcados por Tomkins e Meyer.

Ficha Técnica

Liverpool: Alisson, Milner, Matip, van Dijk, Robertson; Henderson, Fabinho (Lallana 87′), Keita (Shaqiri 72′); Mané, Firmino, Salah (Camacho 94′). Técnico: Jürgen Klopp.

Crystal Palace: Speroni, Wan-Bissaka, Tomkins, Sakho, van Aanholt; McArthur (Meyer 81′), Kouyaté (Schlupp 76′), Milivojevic; Townsend, Zaha, Ayew (Wickham 81′). Técnico: Roy Hodgson.

Bournemouth 2×0 West Ham

No Vitality Stadium, o Bournemouth recebeu o West Ham buscando colocar fim a uma sequência de quatro jogos sem vencer na competição.

A primeira etapa de jogo teve o domínio da equipe da casa, no entanto, o ataque dos Cherries não conseguiu superar a defesa dos visitantes e inaugurar o placar.

Na volta do intervalo os Hammers equilibraram as ações no jogo, tendo mais posse de bola, levando perigo à meta defendida por Boruc.

Com um belo chute de primeira, Callum Wilson colocou o Bournemouth na frente. (Bleacher Report)

Porém, quem saiu na frente foram os donos da casa. Após puxar rápido contra-ataque, Ryan Fraser fez um cruzamento prensado pela defesa adversária, fazendo a bola sobrar limpa para Callum Wilson acertar um belo chute de primeira para colocar o Bournemouth em vantagem.

Precisando se lançar ao ataque em busca do empate, a equipe londrina acabou sofrendo o segundo gol já nos acréscimos do jogo.

Em uma jogada bem trabalhada, Junior Stanislas deu um belo passe em profundidade para David Brooks que, dentro da área, tocou para Joshua King dar números finais ao confronto, colocando fim ao jejum de vitórias da equipe.

Ficha Técnica

Bournemouth: Boruc, Clyne, Cook, Aké, Smith, Brooks (Mousset 93’), Gosling, Lerma, Fraser (Daniels 92’), King, Wilson (Stanislas 73’). Técnico: Eddie Howe

West Ham: Fabianski, Zabaleta, Diop, Ogbonna, Cresswell, Noble (Diangana 79’), Rice, Antonio, Nasri (Snodgrass 66’), Anderson, Carroll (Hernández 66’). Técnico: Manuel Pellegrini

Watford 0 x 0 Burnley

As duas equipes fizeram deste o único jogo sem gols na rodada (Divulgação/Premier League)

Um público de 20 mil torcedores viu um dos jogos menos animadores da rodada. Em meio a tantos gols no começo deste sábado (19), a partida entre Watford e Burnley encerrou em um empate por 0 a 0.

Os Hornets, donos da casa no Vicarage Road, começaram bem no jogo. Porém, no decorrer do primeiro tempo, ambas as equipes fizeram da partida um jogo morno. A melhor chance foi do Burnley, após finalização de Barnes.

No segundo tempo, a melhor oportunidade foi de Chris Wood, que acabou marcando o gol. Porém, o jogador estava impedido no lance que aconteceu nos acréscimos da partida.

Com o empate, o Watford permaneceu na sétima colocação da Premier League com 33 pontos. Do outro lado, o Burnley segue perto da zona de rebaixamento da competição, a décima sexta posição, com 22 pontos.

FICHA TÉCNICA

Watford: Foster, Mariappa, Deulofeu, Cleverley, Deeney, Sema (Success, 56′), Femenía (Britos, 77′), Holebas, Kabasele, Capoue, Pereyra.

Burnley: Heaton; Bardsley, Tarkowski, Mee, Taylor; Hendrick, Cork, Westwood, McNeil; Barnes, Wood.

Arsenal 2×0 Chelsea

O francês Lacazette abriu o placar no Emirates Stadium (Divulgação/Arsenal)

Na briga entre dois dos melhores treinadores do mundo, Unay Emery venceu o jogo contra Maurizio Sarri. Em casa, no Emirates Stadium, o Arsenal dominou o duelo frente ao Chelsea e conseguiu a vitória por 2 a 0.

Os Gunners abriram o placar logo no começo do primeiro tempo do confronto. Em jogada de escanteio, Lacazette dominou a bola dentro da pequena área e virou chutando para abrir o placar.

O time do Arsenal seguiu pressionando o Chelsea, que pouco criou. Eden Hazard, maior estrela da equipe, utilizado mais centralizado, não fez um bom jogo. As melhores oportunidades surgiram após passes longos de David Luiz para o espanhol Pedro.

Após assistência de Sokratis, Koscielny marcou o segundo gol do jogo. Foi também o primeiro após a sua lesão no joelho, que o deixou de fora da conquista da Copa do Mundo com a França. Ele foi eleito o Melhor Jogador em Campo.

Com a vitória, o time de Unay Emery chegou a 44 pontos e na quinta posição, empatado com o Manchester United, na tabela de classificação do Campeonato Inglês. Está apenas três atrás do Chelsea, quarto colocado.

FICHA TÉCNICA

Arsenal: Leno; Bellerin (Elneny, 72′), Sokratis, Koscielny, Kolasinac; Xhaka, Torreira, Guendouzi; Ramsey (Maitland-Niles, 67′); Lacazette (Iwobi, 67′), Aubameyang.

Chelsea: Kepa; Azpilicueta, Rudiger, David Luiz, Alonso; Kante, Jorginho, Kovacic (Barkley, 63′); Pedro (Hudson-Odoi, 80′), Hazard, Willian (Giroud, 67′).

Huddersfield Town 0x3 Manchester City

Com um gol e uma assistência, Sané foi um dos destaques da vitória do Manchester City (Foto: Reprodução/Manchester City FC)

Com a vitória do Liverpool, o Manchester City foi a Huddersfield enfrentar o lanterna da PL para diminuir a diferença dos líderes novamente em quatro pontos.

Os Terriers estrearam o técnico interino Mark Hudson, que assumiu após a demissão de David Wagner – homenageado pelo clube e pela torcida no John Smith’s Stadium.

E logo a superioridade dos Citizens se traduziu no placar. Após pênalti não marcado sobre Raheem Sterling aos 12 minutos, o placar foi aberto aos 18. Danilo arriscou de longe, a bola desviou em Christopher Schindler e enganou Jonas Lössl. Foi o centésimo gol dos azuis de Manchester em toda a temporada.

Com o 1 a 0 no placar, o ritmo abaixou muito. Enquanto faltava qualidade ao Huddersfield Town, o Manchester City controlava em um ritmo mais lento, fazendo um resto de primeiro tempo morno e burocrático. O jogo foi para o intervalo com o placar mínimo.

O City começou o segundo tempo aumentando o ritmo para logo matar a partida. E aos nove, veio o segundo. A arbitragem compensou o pênalti não marcado no começo e errou contra os mandantes: Leroy Sané, impedido, recebeu na esquerda e cruzou para Sterling cabecear e fazer 2 a 0.

Não demorou em nada e veio o terceiro: aos 11, após saída errada dos Terries, Sergio Agüero recebeu lançamento de Aymeric Laporte e deu bela deixada de cabeça para Sané vir de trás e aumentar o marcador.

Daí em diante o jogo retomou a tônica de boa parte da primeira etapa. O Huddersfield não tinha forças para atacar e o Manchester City abaixou a pegada, empurrando com a barriga até o final. Ambos ainda tiveram oportunidades de gol, mas estas foram raras.

As homenagens da torcida ao recém-promovido David Wagner foram o ponto aldo do Huddersfield Town na partida (Foto: Reprodução/Premier League)

Em clima de treino, vitória tranquila do time de Pep Guardiola por 3 a 0, chegando a 56 pontos – quatro atrás do Liverpool no segundo lugar. Já os Terries são os lanternas com 11 pontos, a dez de saírem da zona de rebaixamento e com a queda cada vez mais próxima.

Ficha Técnica:

Huddersfield Town: Lössl; Smith, Kongolo, Löwe, Schindler; Hogg, Bacuna (Pritchard 63’), Kachunga, Puncheon, Mbenza; Diakhaby (Mounie 58’). Técnico: Mark Hudson.

Manchester City: Ederson; Walker, Otamendi, Laporte, Danilo; Fernandinho (David Silva 58’), Gündogan (Delph 80’), De Bruyne; Sterling, Sané (Bernardo Silva 71’), Agüero. Técnico: Pep Guardiola.

Wolverhampton 4×3 Leicester

Diogo Jota foi o grande nome do confronto após marcar um hat-trick pelos Lobos (Foto: Getty)

Em um dos jogos mais eletrizantes da temporada atual da Premier League, o Wolverhampton precisou do último minuto de jogo para bater o Leicester no Molineux e conquistar os três pontos.

O grande destaque do jogo foi o meia-atacante português Diogo Jota, que foi o primeiro português desde os tempos de Cristiano Ronaldo no Manchester United a marcar um hat-trick pela Premier League.

Parecia tudo definido mas o Leicester conseguiu a reação. Os Foxes diminuiram após uma linda jogada individual de Gray, que passou por alguns marcadores e chutou cruzado para bater o goleiro Rui Patricio.

Os dois primeiros gols dos Lobos vieram dos pés de João Moutinho. No primeiro, Moutinho encontrou Jota na grande área, o meia-atacante antecipou Simpson e mandou pro fundo das redes. No segundo, Moutinho bateu o escanteio e Bennett cabeceou pro fundo das redes.

O empate veio dos pés de Harvey Barnes. O jovem,que estava emprestado ao West Bromwich Albion e foi chamado de volta pelo Leicester, recebeu na entrada da área, chutou e a bola desviou em Coady, sendo marcado gol contra do zagueiro.

A partir daí, os gols do Wolverhampton foram obras de grandes passes produzidos por Ruben Neves, que realizou um lindo lançamento para Diogo Jota ficar na cara do gol e marcar o terceiro.

Apesar disso, o Leicester não desistiu. Já no final do jogo, Maddison cobrou falta para a grande área e o zagueiro Morgan venceu a marcação e cabeceou pro fundo das redes.

Pensaram que acabou? Nada disso. No último lance de jogo, Ruben Neves deu lindo lançamento para Raul Jimenez, que encontrou Diogo Jota livre para marcar o gol da vitória e completar o seu hat-trick.

FICHA TÉCNICA:

Wolverhampton: Rui Patricio, Bennett, Coady, Saiss; Castro, Dendoncker, Ruben Neves , João Moutinho (Gibbs-White 81′), Ruben Vinagre (Doherty 73′); Raul Jimenez, Diogo Jota. Técnico: Nuno Espírito Santo.

Leicester: Schemichel, Simpson (Iheanacho 83′), Morgan, Maguire (Evans 48′), Chilwell; Ndidi, Mendy, Pereira, Gray, Barnes (Maddison 73′); Vardy. Técnico: Claude Puel

Newcastle 3×0 Cardiff

O zagueiro Fabian Schar fez os seus dois primeiros gols com a camisa do Newcastle na vitória contra o Cardiff (Foto: Getty)

Em um confronto direto na luta pela permanência na elite, o Newcastle não teve dificuldades em vencer o Cardiff e conquistou 3 pontos fundamentais na Premier League. Com o resultado, o Newcastle saiu da zona de rebaixamento e jogou o próprio Cardiff para lá.

O grande destaque da partida foi o zagueiro suiço Fabian Schar, que marcou os seus dois primeiros gols com a camisa do Newcastle desde que foi contratado no começo da temporada junto ao Deportivo La Coruña da Espanha.

No primeiro gol, Schar avançou desde o campo de defesa e não foi parado por ninguém. Ele só teve o trabalho de chutar colocado e abrir o marcador para o Newcastle.

Os Magpies ampliaram o marcador após cobrança de escanteio de Ritchie, que contou com desvio do zagueiro Lascelles que encontrou o seu companheiro Schar para marcar o segundo dos comandados de Rafael Benítez.

No terceiro gol, Salomon Rondon fez jogada individual, chutou cruzado e encontrou Ayoze Perez, que se antecipou à zaga do Cardiff e deu números finais ao confronto.

FICHA TÉCNICA:

Newcastle: Dubravka, Yedlin, Lascelles, Lejeune, Schar, Ritchie (Manquillo 85′); Hayden, Longstaff, Atsu, Ayoze, Rondon. Técnico: Rafael Benítez

Cardiff: Etheridge, Peltier, Ecuele Manga, Bamba, Bennett; Camarasa, Ralls, Mendez-Laing (Murphy 82′), Hoilett; Paterson (Ward 89′), Niasse (Reid 64′). Técnico: Neil Warnock

Fulham 1×2 Tottenham

O dinamarquês Eriksen chegou à sua 8ª assistência nesta edição da Premier League (Foto: Catherine Ivill/Getty Images)

Fechando a 23ª rodada, o Fulham recebeu o Tottenham em Craven Cottage e sofreu mais uma derrota difícil de engolir, por 2 a 1.

O Fulham foi superior ao Tottenham na primeira etapa, tanto que saiu vencedor da primeira metade de jogo. Além do gol contra de Llorente, os Cottagers quase viram Babel marcar em sua estreia.

Mas a Premier League para o torcedor do Fulham está sendo muito complicada. Repetidamente a equipe sofre no setor defensivo e foi isso que aconteceu durante o segundo tempo.

A frágil defesa dos mandantes não conseguiu parar Dele Alli, que empatou a partida. No restante o Tottenham ensaiava uma pressão e chegou a colocar uma bola no travessão com Rose.

No último lance da partida, quando o Fulham agradecia pelo empate, Harry Winks apareceu como um raio dentro da área e virou a partida para os Spurs.

A notícia negativa para o Tottenham foi a saída por lesão de Dele Alli, que agora se junta a Harry Kane, Lucas e Sissoko no departamento médico do clube.

Ficha Técnica

Fulham: Sergio Rico, Denis Odoi, Le Marchand e Ream; Christie, Chambers, Michael Séri (Cissé 81′) e Bryan; Schürrle (Kebano 72′), Babel (Sessegnon 55′) e Mitrović. Técnico: Claudio Ranieri.

Tottenham: Lloris, Trippier, Alderweireld, Sanchez, Vertonghen e Rose; Winks, Eriksen, Dele (Nkodou 86′) e Lamela (Dier 78′); Llorente. Técnico: Mauricio Pochettino.

Não há posts para exibir