19ª rodada da Premier League: confira o resumo das partidas do Boxing Day

Confira tudo que rolou na tradicional rodada pós natal!

0
162
19ª rodada da premier league

A tradicional rodada após o Natal foi de tirar o fôlego! Teve de tudo! E claro, a PL Brasil fez um resumão da 19ª rodada da Premier League para você ficar por dentro de tudo que rolou na melhor liga do planeta!

Leia mais: Cantos dos Ingleses – Blue Is the Color, Football is the Game

Fulham 1×1 Wolverhampton

No tradicional Craven Cottage, Fulham e Wolves fizeram um primeiro tempo movimentado. Os visitantes ficaram mais com a bola, mas os mandantes foram mais perigosos, principalmente com Aleksandar Mitrovic.

O principal “destaque” dos 45 iniciais foi o árbitro Andre Marriner, que conseguiu irritar ambos os times. Foram dois pênaltis não marcados, um pra cada lado, e passividade em jogadas mais ríspidas.

Na volta do intervalo e com alteração, o Wolverhampton conseguiu controlar mais a partida. Entretanto, a produção ofensiva foi pouca. Se aproveitando disso, o Fulham marcou.

O marroquino Saiss aproveitou que Joe Bryan não cortou e mandou para as redes (Reuters)

Ryan Sessegnon empurrou pra dentro depois de confusão dentro da área em falta cobrada por Jean-Michael Seri. O empate veio faltando cinco minutos para o final. Romain Saiss aproveitou vacilo de Joe Bryan dentro da pequena área.

Claudio Ranieri continua sem vencer no Boxing Day, porém o time deixa a lanterna para o Huddersfield. Enquanto isso, o Wolverhampton se mantém na décima posição.

Ficha técnica

Fulham: Rico, Odoi, Mawson, Ream; Christie, Chambers, Seri (McDonald 82′), Bryan; Kamara (Cairney 73′), Schurrle (Sessegnon 67′) e Mitrovic. Técnico: Claudio Ranieri.

Wolverhampton: Rui Patrício, Bennett, Coady, Boly; Doherty, Moutinho, Saiss, Gibbs-White (Helder Costa 63′), Jonny (Vinagre 82′); Adama (Cavaleiro 46′) e Jimenez. Técnico: Nuno Espírito Santo.

Watford 1×2 Chelsea

Eden Hazard foi o nome do jogo no Vicarage Road. Créditos: Chelsea FC – Facebook

O Chelsea se recuperou no campeonato após a derrota para o Leicester na última rodada.

Atuando fora de casa, os Blues fizeram um jogo morno com o Watford. Os principais lances aconteceram nos instantes finais do primeiro tempo, sendo eles logo os primeiros gols do jogo.

Coube a Eden Hazard colocar os visitantes na frente. Um gol histórico para o belga: o centésimo com a camisa do Chelsea.

Os Hornets responderam logo em seguida com um belo chute de Roberto Pereyra já nos descontos da primeira etapa. Na volta do intervalo as equipes continuaram sem criar grandes chances de movimentar o placar.

No entanto, graças ao pênalti cometido pelo goleiro Foster, Hazard fez o gol do triunfo da equipe londrina para, de quebra, ser eleito o melhor jogador da partida.

Com a vitória, o Chelsea recupera a quarta posição na tabela. Já o Watford vê encerrada sua sequência de três jogos sem derrotas.

Ficha técnica:

Watford: Foster, Femenia, Kabasele (Mariappa 16’), Cathcart, Holebas, Doucoré, Capoue, Sema (Quina 67’), Pereyra, Deulofeu (Success 82’), Deeney.

Chelsea: Kepa, Azpilicueta, Rüdiger, David Luiz, Alonso, Kanté, Jorginho, Kovacic, (Barkley 80’), Pedro (Hudson-Odoi 43’) (Palmieri 85’), William, Hazard.

Crystal Palace 0x0 Cardiff

Foto: Bleacher Report

Após vencer o Manchester City na última rodada, o Crystal Palace tinha a oportunidade de conquistar outra vitória e se distanciar ainda mais da zona de rebaixamento. O adversário era o Cardiff City, que havia sofrido uma goleada do Manchester United.

E o jogo começou movimentado. O Crystal Palace continuava pressionando, mas não conseguia o gol.

A partir dos 30 minutos do primeiro tempo, o Cardiff conseguiu equilibrar o jogo. Os visitantes até tiveram boas oportunidades para marcar o gol, mas desperdiçaram. O 0 a 0 se mantinha no placar.

O roteiro do segundo tempo foi o mesmo: pressão do Palace e nada de gols. Ao fim da partida, o resultado foi ótimo para o Cardiff, que conquistou um ponto importante na luta contra o rebaixamento. Pelo lado do Palace, o sentimento de frustração por mais uma vez ter decepcionado em casa.

Ficha Técnica

Crystal Palace: Guaita; Wan-Bissaka, Tomkins, Sakho e van Aanholt; Kouyaté, Milivojevic, McArthur e Meyer (Wickham); Zaha e Townsed. Técnico: Roy Hodgson

Cardiff City: Etheridge; Peltier, Manga, Morrison, Bamba e Bennett; Camarasa (Gunnarson), Ralls, Harris e Hoillet (Gunnarsson); Reid. Técnico: Neil Warnock

Leicester 2×1 Manchester City

Ricardo Pereira fez o gol da vitória do Leicester sobre o Manchester City (Foto: Getty)

No King Power Stadium, o Leicester fez valer o seu mando de campo e derrotou o Manchester City de virada por 2 a 1. Com o resultado, os Citizens se afastam ainda mais da liderança e acabaram caindo para a 3ª colocação e estão a 7 pontos do líder Liverpool.

Parecia que tudo se encaminhava para mais uma vitória dos comandados de Pep Guardiola. Aos 14 minutos, Aguero achou lindo passe para Bernardo Silva, que cara a cara com Schmeichel, teve apenas o trabalho de deslocar o goleiro dos Foxes.

O gol não abateu os donos da casa, que apenas 5 minutos depois, acharam o empate. Após lindo cruzamento de Jamie Vardy, o meia Albrighton cabeceou no contrapé de Ederson e empatou para os donos da casa.

A virada veio já no fim da partida e foi um belo banho de água fria nas pretensões do City na Premier League. Albrighton cobrou escanteio, a zaga dos Citizens afastou nos pés de Ricardo Pereira que acertou um belo chute para dar a vitória aos comandados de Claude Puel.

Para piorar a situação, o lateral-esquerdo Fabian Delph ainda foi expulso no final da partida após acertar um carrinho no autor do gol da virada do Leicester e complicou de vez a situação para o Manchester City que vê a liderança da competição ainda mais longe.

Ficha Técnica:

Leicester: Schmeichel, Ricardo Pereira, Morgan, Maguire, Chilwell; Choudhury (Gray 63′), Mendy, Ndidi, Albrighton, Maddison (Simpson 78′); Vardy (Okazaki 88′). Técnico: Claude Puel

Manchester City: Ederson, Danilo, Stones, Laporte, Delph; Gundogan, De Bruyne (David Silva 70′), Bernardo Silva (Mahrez 83′); Sterling, Aguero, Sané. Técnico: Pep Guardiola

Manchester United 3×1 Huddersfield

Pogba foi o grande destaque do confronto com dois gols marcados. (Foto: Getty)

O Manchester United parece estar de bem com a vida após a demissão de José Mourinho e a chegada de Ole Gunnar Solskjaer como interino no clube. Em seu segundo jogo no comando do clube, os Red Devils venceram o Huddersfield por 3 a 1 e tentam se aproximar do pelotão de cima na Premier League.

O primeiro gol saiu aos 28 minutos do primeiro tempo. Após cobrança de escanteio na área do Huddersfield, Lindelof desviou e a bola encontrou Matic, que teve o trabalho de apenas empurrar para as redes.

A partir daí começou o show de Paul Pogba, que vinha sendo deixado no banco por José Mourinho. No primeiro gol dele, o francês recebeu na entrada da área e chutou colocado para bater o goleiro Lossl.

Em seu segundo gol, ele iniciou a jogada com um passe para Lingard, que devolveu para o meia francês acertar um belo chute de fora da área e ampliar a vantagem do United.

O Huddersfield ainda teve tempo para descontar o placar. Após levantamento de Pritchard, Mounie ajeitou de cabeça para Zanka empurrar para o fundo das redes.

Ficha Técnica

Manchester United: De Gea, Dalot (Young 53′), Lindelof, Jones, Shaw; Matic, Fred (Herrera 53′), Pogba, Mata (Gomes 81′), Lingard; Rashford.

Huddersfield: Lossl, Durm, Zanka, Schindler, Kongolo; Hadergjonaj, Billing, Kachunga (Lowe 57′), Pritchard, Mbenza (Quaner 62′); Depoitre (Mounie 73′)

Liverpool 4×0 Newcastle

Shaqiri já soma seis gols e duas assistências nesta Premier League (Foto: Jan Kruger/Getty Images)

Mais líder do que nunca! Essa é a frase que todo torcedor do Liverpool quis ouvir de presente de Natal. A equipe comandada por Jurgen Klopp entrou confiante contra o Newcastle, em Anfield Road.

Com pouco tempo de jogo os Reds já dominavam o jogo e o gol parecia ser somente uma questão de tempo. E foi.

Logo aos 10 minutos, depois de uma lambança de Lascelles, Lovren pegou bonito na bola e abriu o placar para o Liverpool. Apesar do gritante domínio, os mandantes só ampliaram no segundo tempo, quando Salah converteu pênalti que ele mesmo sofreu.

O time de Klopp estava “ligado nos 220 volts” na segunda etapa. Um dos principais jogadores da equipe no ano, Shaqiri também marcou o dele depois de belo cruzamento de Alexander-Arnold.

Após ter começado a partida no banco de reservas, Fabinho entrou e ainda deixou o dele. Salah cobrou escanteio e o brasileiro desviou para o fundo das redes.

Com a vitória o Liverpool abriu seis pontos para o vice-colocado, que agora é o Tottenham, já que o Manchester City acabou perdendo para o Leicester fora de casa. Agora, sete pontos separam os Reds do terceiro colocado City.

Ficha técnica

Liverpool: Alisson, Alexander-Arnold, Van Djik, Lovren, Robertson (Clyne 83’); Henderson, Wjinaldum (Fabinho 61’); Shaqiri, Mané, Firmino (Sturridge 69’), Salah; Técnico: Jürgen Klopp

Newcastle: Dubravka, Yedlin, Lascelles, Fernández, Dummet; Hayden, Diamé, Ritchie (Murphy 82’), Kenedy (Longstaff 72’); Muto, Joselu. Técnico: Rafa Benítez

Tottenham 5×0 Bournemouth

O Tottenham de Pochettino massacrou o Bournemouth de Eddie Howe. O time de Londres venceu o duelo por 5 a 0 com grande partida de Heung-Min Son, Christian Eriksen e Lucas Moura.

Com 16 minutos de duelo, o dinarmaquês abriu o placar no estádio de Wembley. Eriksen bateu de esquerda e contou com ajuda de um desvio do colombiano Lerma, do Bournemouth.

O segundo gol foi marcado pelo destaque da partida no time londrino. O sul-coreano Son aproveitou a segunda assistência do lateral Kyle-Walker Peters na partida e colocou o placar em 2 a 0.

Ainda no final da primeira etapa, Lucas Moura marcou o terceiro da equipe de Londrina. Foi a terceira assistência do jovem lateral do Tottenham.

O Bournemouth até criou diversas oportunidades. Porém, nada conseguiu passar pelo goleiro campeão do mundo. Lloris fez uma partida segura embaixo das traves.

Kane marcou aos 62 minutos de jogo e chegou a 12 gols marcados nesta edição da Premier League. O último gol da partida foi anotado por Son, aos 25 minutos do segundo tempo.

Com a vitória, o Tottenham ultrapassou o atual campeão da Premier League.

O time chega a 45 pontos em 18 jogos nesta temporada. Está apenas a seis pontos atrás do líder Liverpool.

Os visitantes, entretanto, seguem oscilando no Campeonato Inglês. A equipe de Eddie Howe fica na 12ª posição da competição, 14 pontos atrás do quarto colocado, Chelsea.

Ficha técnica

Tottenham : Lloris; Walker-Peters, Alderweireld, Foyth e Rose; Winks, Sissoko, Lucas, Eriksen (Davies, 84′) e Son (Llorente, 88′); Kane (Skipp, 77′).

Bournemouth: Begovic; Francis (Rico, 45′), S Cook, Ake e Daniels; Brooks (King, 74′), Lerma, Surman, Fraser e Stanislas; Wilson (Mousset, 67′).

Burnley 1×5 Everton

Richarlison chegou ao seu 9º gol na Premier League, quatro gols atrás do artilheiro Aubameyang (Foto: Chris Brunskill/Fantasista/Getty Images)

Para recuperar a moral depois de uma derrota pesada, nada melhor que vencer de goleada, e ainda por cima jogando fora de casa. Depois de perder por 6 a 2 para o Tottenham, o Everton foi enfrentar o Burnley e saiu com uma ótima vitória por 5 a 1.

O time de Liverpool não demonstrou indícios que não venceria a partida em nenhum momento, apenas antes da boa rolar. Com apenas dois minutos de jogo, o brasileiro Bernard achou o zagueiro Mina dentro da área.

O colombiano subiu com estilo e abriu o placar logo cedo pros Toffees. O gol de Mina fez com que o Everton se tornasse o primeiro clube inglês a marcar 7 mil gols na Primeira Divisão.

Menos de 10 minutos depois, o lateral francês Digne acertou uma linda cobrança de falta. Com 20 minutos de jogo, o placar estava 3 a 0 para o Everton, já que Gylfi Sigurdsson ampliou o placar em cobrança de pênalti.

O Burnley até tentou esboçar uma reação após o gol de Ben Gibson, mas não conseguiu.

O Everton voltou para a segunda etapa em busca de manter o que foi feito na primeira etapa. A equipe continuou dominando a partida e mantendo a posse de bola.

Com isso, chegou a mais dois gols na partida. Lucas Digne marcou seu segundo gol na partida e o quarto do Everton depois de um belo chute rasteiro de fora da área.

E se teve a dança do Mina no primeiro gol, também teve a dança do pombo. Depois de receber ótimo passe de Sigurdsson, o brasileiro Richarlison fez um típico gol de centroavante, dominando e concluindo rápido.

Ficha técnica

Burnley: Hart, Lowton, Tarkowski, Gibson (McNeil 62’), Mee, Taylor; Hendrick (Gudnmundsson 62’), Cork, Westwood; Vokes (Wood 73’), Barnes. Técnico: Sean Dyche

Everton: Pickford, Zouma, Mina, Keane; Digne, Sigurdsson, André Gomes (Gueye 75’), Coleman; Walcott, Bernard (Davies 80’), Calvert-Lewin (Richarlison 67’). Ténico: Marco Silva

Brighton 1×1 Arsenal

Falha de Lichtsteiner foi crucial para que Locadia empatasse a partida (Foto: Steve Bardens/Getty Images)

Os Gunners começaram a partida a todo vapor contra os donos da casa. Com quatro minutos de jogo, Aubameyang foi acionado pelo lado direito e concluiu com muita qualidade, mas Matt Ryan estava lá pra espalmar a bola para escanteio.

No lance seguinte, depois de boa jogada de Lacazette, Aubameyang colocou pro fundo das redes. Foi o 13º gol do atual artilheiro da Premier League.

Após o gol, a partida continuou movimentada, mas sem que nenhuma das duas equipes agredissem de fato o gol adversário. O Arsenal teve uma ótima chance com Aubameyang, que ficou sozinho cara a cara com o goleiro, mas Matt Ryan fez uma ótima defesa.

Em uma ligação direta da defesa para o ataque, saiu o empate dos donos da casa. Lichtsteiner desviou a bola e ela parou exatamente nos pés de Locadia. O atacante do Brighton deixou o goleiro Leno para trás e empatou para os Seagulls.

O segundo tempo do time de Londres foi muito abaixo do esperado pela torcida e por Unai Emery. Os Gunners não criaram nenhuma chance e a saída de Mesut Özil durante o intervalo pode ter ocasionado isso.

O certo é que o Brighton dominou o segundo tempo e criou boas chances de gol. Para a infelicidade do técnico Chris Hughton, nenhuma dessas chances foi convertida para gol e o placar permaneceu o mesmo da primeira etapa.

Ficha técnica

Brighton: Ryan, Montoya, Duffy, Balogun, Bernardo; Gross, March, Pröpper, Stephens; Locadia (Knockaert 86’), Murray (Andone 79’). Técnico: Chris Hughton

Arsenal: Leno, Lichtsteiner, Koscienly (Maitland-Niles 70’), Sokratis, Kolasinac; Xhaka, Guendouzi, Torreira, Özil (Iwobi 45’); Lacazette (Ramsey 62’), Aubameyang. Técnico: Unai Emery

Southampton 1×2 West Ham

Felipe Anderson chegou ao seu 8º gol na Premier League e tem uma média de 0,42 gol por jogo (Foto: Michael Steele/Getty Images)

Os Hammers foram até a região sul da Inglaterra para enfrentar o Southampton e viram o brasileiro Felipe Anderson dar um show.

O jogo foi muito corrido e exigiu muita força física e resistência dos jogadores de ambas as equipes. O goleiro Fabianski foi uma das peças fundamentais para o West Ham conseguir sua vitória nesta rodada de Boxing Day.

Mais vital que o arqueiro polonês, somente Felipe Anderson. O brasileiro fez uma excelente partida, dominando e controlando todas suas ações, principalmente quando era exigido pelo lado esquerdo.

Do lado dos Saints, o artilheiro da equipe na temporada, Danny Ings, pouquíssimo apareceu. Já Stuart Armstrong, foi o destaque ofensivo da equipe do sul de Londres. Nathan Redmond foi quem marcou o gol que abriu o placar para o time da casa.

Felipe Anderson marcou os dois gols da vitória do time londrino e comandou a virada dos Hammers. O primeiro foi em um ótimo chute de fora da área, sem chances para McCarthy. Já o segundo, foi uma conclusão de um contra-ataque perfeito puxado por Michail Antonio.

Ficha técnica:

Southampton: McCarthy, Yoshida (Charlie Austin 80’), Vestergaard, Bednarek; Oriol Romeu, Lemina (Elyounoussi 87’), Targett, Valery; Redmond, Armstrong, Ings (Long 62’). Técnico: Ralph Hasenhüttl

West Ham: Fabianski, Cresswell, Diop, Ogbonna, Antonio; Felipe Anderson, Snodgrass (Masuaku 90+2’), Obiang, Rice, Diangana (Carroll 55’); Lucas Pérez (Noble 78’). Técnico: Manuel Pellegrini